32.4 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Pedido de impeachment de Trump pode atrasar ações do Governo Biden

Um novo pedido de impedimento contra o presidente americano Donald Trump foi aprovado hoje na Câmara dos Deputados dos EUA, com a acusação de incitação à violência na invasão do Capitólio por apoiadores do presidente, na semana passada. O pedido precisará ser aprovado por 2/3 do Senado. Essa é a segunda tentativa da oposição democrata de depor o presidente republicano derrotado nas eleições de 2020. Trump é o primeiro presidente da história americana a passar por mais de um processo de impeachment.

A resolução também citou o telefonema de Trump em 2 de janeiro com o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, no qual o presidente pediu que o secretário encontre votos suficientes para derrubar os resultados da eleição no estado, como um de uma série de esforços pelo presidente para subverter e obstruir a certificação dos resultados da eleição.

“Em tudo isso, o presidente Trump gravemente colocou em risco a segurança dos EUA e suas instituições do governo”, disse a resolução. “Ele ameaçou a integridade do sistema democrático, interferiu na transição pacífica do poder e colocou em perigo um ramo co-igual do governo. Deste modo, ele traiu sua confiança como presidente, para prejuízo manifesto do povo dos EUA.”

Citando a 14ª Emenda da Constituição dos EUA, a resolução observou que a lei “proíbe qualquer pessoa que ‘se engajou em uma insurreição ou rebelião contra’ os EUA de ocupar cargos.

Na Câmara, os Democratas também procuraram aprovar uma resolução separada e não vinculante por consentimento unânime pedindo que o vice-presidente Mike Pence invoque a 25ª Emenda da Constituição com a maioria dos membros do gabinete da administração de Trump para remover o presidente do cargo. Esse esforço foi rejeitado pelos republicanos na Casa. Pence, que inicialmente se inclinou a não invocar a 25ª Emenda, mas que por uma reportagem mais recente da CNN não descartou essa possibilidade, teve 24 horas para responder à resolução.

Para Denilde Holzhacker, professora de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM-SP), o Senado pode decidir não julgar o pedido até a posse do presidente eleito Joe Biden, em 20 de janeiro, o que traria consequências para o início do governo democrata.

“Essa possível postergação pode ter várias implicações para o início do Governo Biden. Primeiro, o Senado pode usar o pedido para não avançar nas sabatinas necessárias para a formação do novo gabinete. Em segundo lugar, os republicanos podem evidenciar ao eleitorado a diferença entre o discurso e a prática democrata. Biden foi eleito prometendo unir o país, enquanto seu partido busca o segundo impeachment do opositor”, afirma.

De acordo com Denilde, o objetivo do novo pedido de impedimento – tão próximo da posse de Biden – é dar uma resposta dura a Trump em suas investidas contra o sistema democrático americano.

“A aprovação na Câmara dos Deputados seria importante para sinalizar a força das instituições frente a tentativas de desestabilização. Caso os republicanos no Senado aceitem seguir com o julgamento rapidamente, reforçarão o discurso de Biden de união suprapartidária para a defesa da democracia”, afirma.

 

Com informações da Agência Xinhua

Matéria atualizada às 20h26 para incluir a aprovação do pedido de impeachment na Cãmara.

Leia mais:

Secretária de Trump renuncia após ataque ao Congresso

EUA: após invasão insuflada por Trump, Congresso certifica Biden

Artigos Relacionados

Cepal: exportações da AL e do Caribe caíram 13% em 2020

A crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez o comércio exterior na América Latina e no Caribe registrar o pior desempenho...

Proposta do governo é armadilha para caminhoneiros

Categoria ameaça parar dia 1º, o que poderia afetar distribuição de vacinas.

Biden expande combate à fome que afeta 1 em 7 lares dos EUA

Presidente aumenta salário mínimo dos funcionários federais para US$ 15.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.