Pedidos com Pix chegam a 11,5% do comércio eletrônico

Em abril, meio representou 4% do faturamento do e-commerce, mas quase metade dos brasileiros ainda não configurou novos limites para o Pix.

Em abril, o número de pedidos no varejo eletrônico pagos via Pix atingiu um índice histórico desde a chegada do meio de pagamento instantâneo, com 11,5% de participação. Em abril do ano passado, o Pix representava apenas 2,6% dos pedidos no comércio eletrônico, conforme levantamento feito pela Neotrust. A participação do Pix em faturamento também segue em alta no varejo digital. Em abril, o Pix representou 4% do faturamento total do comércio eletrônico, o maior índice de 2022 e segundo maior da história, ficando somente atrás de dezembro de 2021, que apontou 4,2% – impulsionado pelas compras de Natal e fim de ano.

No primeiro trimestre de 2022, a participação do Pix no varejo virtual também registrou crescimento em número de pedidos. Em janeiro deste ano, o Pix alcançou 8,3% da participação de pedidos; em fevereiro foi de 8,8%; e em março fechou em 9,7%. Nos três primeiros meses de 2021, o índice foi de 1,7%, 2,5% e 3,4% para janeiro, fevereiro e março, respectivamente.

“O Pix vem avançando consideravelmente como um método de pagamento no comércio eletrônico, e atualmente já possui participação de mais de 10% nas compras digitais no país. Apesar de ser uma diferença grande de um ano para o outro, percebemos uma evolução mensal contínua do Pix nos pagamentos pelo e-commerce desde abril de 2021”, analisa Paulina Dias, Head de Inteligência da Neotrust.

Mais de 70% dos brasileiros sabem que é possível ajustar os limites máximos de valores transacionados por Pix, mas quase metade (47%) ainda não configurou novos valores para suas transferências com o novo sistema de pagamentos, segundo pesquisa C6 Bank/Ipec que ouviu 2.000 brasileiros das classes ABC com acesso à internet.

De acordo com a pesquisa, 36% já definiram novos valores para suas transferências com Pix, 6% fizeram esse ajuste para apenas um dos bancos que usam e 12% responderam que não se lembram.

A pesquisa também mostrou que quase 30% dos entrevistados disseram que outra pessoa já tentou fazer compras ou contratar serviços em seu nome.

A pesquisa C6 Bank/Ipec foi realizada entre os dias 20 e 27 de maio. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Leia também:

Pix disputa com boleto segundo lugar em meios de pagamento virtuais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Uma em cada quatro pessoas não paga todas as contas no mês

Inflação muda comportamento dos brasileiros, mostra pesquisa da CNI.

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Últimas Notícias

Uma em cada quatro pessoas não paga todas as contas no mês

Inflação muda comportamento dos brasileiros, mostra pesquisa da CNI.

Mercado financeiro reduz projeção da inflação de 7,15% para 7,11%

Esta é a sexta redução consecutiva da projeção, diz BC.

Real pode se beneficiar da queda do dólar ante moedas emergentes

Em NY, os índices futuros acionários operam no positivo, assim como as principais Bolsas europeias; alta também na Ásia.

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.