Pedidos de empréstimos recuam e cartão continua vilão

Segmento teve queda de 8,3% no mês de maio.

Nos últimos meses, a economia brasileira tem tentado ainda mais se recuperar e voltar aos picos pré-pandêmicos. Enquanto de um lado famílias seguem endividadas, de outro, brasileiros têm conseguido fazer transferências de renda, como antecipação do 13º salário, saques extras do FGTS e acessado os créditos disponibilizados pelo Auxílio Brasil. Parte dessa pequena melhora na renda, foi refletida na última edição do Índice FinanZero de Empréstismo (IFE), que mostrou que a procura por crédito, em maio, recuou 8,3% quando comparado com o mês anterior, período em que registrou uma das maiores altas. Entretanto, no comparativo anual, o quinto mês do ano mostrou aumento significativo de 54%.

Mesmo após a queda na procura por empréstimos, o nível de solicitações segue em alta por motivos que variam, mas já são conhecidos e continuam preocupando os brasileiros: alta de juros, inflação, diminuição do poder de compra e, principalmente, o endividamento, que chegou a 77,4% também no mês passado, de acordo com dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Vilão

O cartão de crédito hoje é o principal motivo para o endividamento do brasileiro. Ainda de acordo com a pesquisa da CNC, entre as modalidades que caracterizam o tipo de dívida, o cartão de crédito foi o que registrou maior crescimento no mês de maio, com mais de 88,5%.

Para Olle Widén, CEO e co-fundador da FinanZero, a necessidade de educação financeira no país vem crescendo, especialmente no período pandêmico, que agravou o endividamento familiar. “Os empréstimos realizados via cartão de crédito possuem as mais altas taxas de juros do mercado. Quando falamos de educação financeira, também nos referimos a essa informação de que nem sempre o cartão de crédito irá ajudar as famílias a se recuperarem financeiramente. As dívidas podem se acumular e triplicar o valor inicial. Há outras opções mais seguras no mercado, porém poucas pessoas conhecem ou têm acesso a elas”, comenta.

Em meio à alta dos índices de juros e da inflação, principalmente no que diz respeito ao uso de cartão, o número de inadimplentes segue elevado. Ainda segundo a CNC, levando em consideração apenas os consumidores de maior poder aquisitivo, 92,9% das famílias nessa camada social contraíram dívidas com o cartão de crédito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Projeto de lei visa incentivar o bom pagador

Para conseguir os benefícios, o consumidor já deverá ter honrado mais de 75% da dívida total

Coronel fiscal de eleições dissemina informações falsas

TSE deixa aberta a possibilidade do a pasta indicar outro nome

Mercado reduz projeção da inflação de 7,15% para 7,11%

Para 2023, a estimativa de inflação ficou em 5,36%

Últimas Notícias

Armazém Cultural: Câmara debate veto do prefeito do Rio

.Comissão de Justiça e Redação recomenda rejeição ao veto

Plataformas da Bacia de Campos tem hotéis flutuantes

Petrobras estuda investir US$ 220 milhões até 2023

Ações do setor de saúde puxam Ibovespa

Destaque também para Petrobras, que celebrou novo aditivo ao contrato de compra de gás natural com a YPFB

Governo de MG conclui leilão de 627,4 km de rodovias

Investimentos de R$ 3,2 bi, sendo R$ 1,4 bi nos oito primeiros anos da concessão

Bancos chineses: mais empréstimos para empresas privadas

No final de junho aumento de 11,4% em relação ao ano anterior