Pedágio

A previsão é de publicitários amigos da coluna. Pelo ardor com que certo tipo de imprensa lançou-se na defesa da ampliação do número de pedágios nas estradas brasileiras, chegando ao requinte de procurar com lupa usuários que estariam comemorando esse aumento de custo, não restam dúvidas: vêm aí grossos e lucrativos cadernos publicitários do setor de concessionários de rodovias. Claro que, apenas, para celebrar a nova fase do setor.

Concentração
Em 1997, existiam 215 bancos no Brasil, entre privados nacionais (142), estatais (27) e estrangeiros (46), segundo o Banco Central (BC). Em 2005, esse número encolheu para 159, queda de 26,1%. Segundo o professor PhD Marcos Crivelaro, porém, a redução no número de bancos não se refletiu em encolhimento na rede de atendimento. Em 2005, o total de agências e postos de atendimento somou 123,9 mil unidades, contra 54,1 mil, em 2000. Crivelaro salienta, porém, que a concentração bancária “é ruim para o pobre e bom para o rico”.

Os órfãos do BC
Ele lembra que estudo do BC sobre eficiência e concorrência no setor bancário brasileiro revela que, quanto maior a concentração, menor o custo dos bancos (por exemplo, com folha de pagamento) e maior a lucratividade (em empréstimos e tarifas). O professor defende a importância de órgãos reguladores para estimular uma concorrência efetiva e avaliar a satisfação do cliente. Crivelaro cita pesquisa The Gallup Consulting, segundo a qual apenas 16% dos que possuem conta bancária estão contentes com os serviços oferecidos; 67% estão insatisfeitos, sendo que 43% só têm conta na instituição por falta de alternativa para guardar o dinheiro. As reclamações mais freqüentes, elenca, são: erros de lançamentos nas contas correntes (48%) e fraudes bancárias (15%).

Pobres vítimas
Segundo a pesquisa do BC, entre 2001 e 2006, o número de contas no sistema financeiro do país cresceu 51,7%, alcançando 76,8 milhões de cadernetas de poupança e 59,5 milhões de contas correntes, no fim do ano passado. Os correspondentes bancários e a criação das contas simplificadas foram os principais responsáveis pelo aumento do que especialistas chamam pelo tenebroso nome de bancarização, cujo avanço deveu-se à inclusão de clientes de baixa renda. Crivelaro observa que a expansão não resultou em melhora dos serviços para os mais pobres. Segundo pesquisa da TNS Interscience, os mais pobres concentram 70% do atendimento nas agências, resultando em longo tempo de espera. Daquele total, 79% são usuários sem conta na agência em que são atendidos. A escolha da agência ocorre por motivos, como proximidade do local de trabalho (26%), da residência (18%) ou por fazer parte do percurso do dia-a-dia (14%).

Entre iguais
O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) é caso perdido, inscrito na categoria conjunto da obra. Por isso mesmo, o público deveria ser poupado das tentativas de mistificar alguns de seus adversários de momento. Por exemplo, apresentar o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) como integrante da “ala independente” do partido atropela o histórico deste senador. Integrante importante da resistência à ditadura, Jarbas se converteu em neoliberal convicto e et pour cause num dos principais peemedebistas tucanos, situação que quase o levou a ser vice na chapa de José Serra, em 2002. Além disso, conviveu sem problemas com Renan quando este foi ministro da Justiça de FH. Chamá-lo de independente é caso de omissão de complemento nominal.

Diretamente na fonte
O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) acolheu, em setembro, pedido de seqüestro de renda para pagamento de precatórios de um aposentado com câncer na bexiga. O presidente do TJ-SP, Celso Limongi, concedeu, em caráter liminar, o direito de o aposentado receber os recursos para tratamento médico. Daniela Barreiro Barbosa, do escritório Innocenti Advogados Associados e advogada do aposentado, lembra que os precatórios – dívidas já objeto de decisões judiciais – são pagas com “atraso absurdo”, como no Estado de São Paulo, que atrasa em mais de nove anos a quitação de débitos de natureza alimentar.

Cidadã
Já está em funcionamento o 0800 da Comissão de Defesa do Direito da Mulher da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj). As ligações podem ser feitas entre 9h e 18h. A presidente da comissão, deputada Inês Pandeló (PT), alerta que o 0800 2820119 é exclusivamente de orientação: “O serviço é um mecanismo para auxiliar as mulheres a esclarecer dúvidas e buscar os seus direitos como cidadã.”

Artigo anteriorCusto privatização
Próximo artigoParcela
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

ENS abre inscrições de Curso para Habilitação de Corretores de Seguros

Inscrições começaram nesta segunda-feira.

Fitch:1ª emissão de debêntures da Rodovias do Brasil tem rating AA-

A Fitch Ratings atribuiu Rating Nacional de Longo Prazo ‘AA-(bra)’ à primeira emissão, em série única, de debêntures da Rodovias do Brasil Holding S.A....

Prazo de inscrições do Programa Petrobras Conexões para Inovação

A Petrobras prorrogou para 15 de agosto, o prazo de inscrições do 3º edital do Programa Petrobras Conexões para Inovação - Módulo Startups -...

UE fará empréstimos nos mercados de capitais de até 750 bi de euros

O Conselho da União Europeia (UE), aprovou nesta segunda-feira, o segundo pacote de planos de recuperação e resiliência (PRR), para aceder às verbas pós-crise...

Brasil tem 42% do total de empresas de inteligência artificial da AL

Estudo da consultoria Everis em parceria com a Endeavor mostra que o número de startups de inteligência artificial cresceu no Brasil, mas ainda esbarra...