Pegasus: espionagem resultou em prisão e assassinato, diz ONU

Programa israelense custaria US$ 25 mil por telefone.

A denunciada vigilância exercida com uso do programa espião israelense Pegasus tem como efeitos prisão, intimidação e assassinato de profissionais de mídia e ativistas, afirma a alta comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet.

Apesar do uso ilegal já ser conhecido, foi a partir do vazamento de uma lista com 50 mil números de telefones, feito pelas organizações Forbidden Stories e Anistia Internacional, neste domingo, que o alcance do software espião ficou comprovado.

O vazamento inclui celulares de ao menos 180 jornalistas, 600 representantes políticos, 85 militantes pelos direitos humanos e 65 diretores de empresas, de acordo com a apuração realizada por 17 redações de jornais que apuram os dados.

Somente no México, seriam 15 mil os espionados, o que joga por terra as alegações da empresa israelense NSO, criadora do Pegasus, de que o programa é vendido somente a agências governamentais para lutar contra o terrorismo e ações criminosas. Entre os mexicanos que tiveram celulares invadidos, estavam 50 pessoas ligadas ao atual presidente, Andrés Manuel López Obrador, incluindo esposa, filhos e seu médico.

O Pegasus é vendido, segundo fontes da investigação, a US$ 25 mil por telefone pirateado. Segundo agências de notícias, a NSO nega o uso do programa para vigilância, realçando que as vendas de sua tecnologia seriam aprovadas pelo Ministério da Defesa de Israel.

A NSO foi fundada por Niv Carmi, Shalev Hulio e Omri Lavie (as iniciais formam o nome da empresa), que participavam da unidade 8.200 do exército israelense especializada em guerra cibernética.

No Brasil, o UOL denunciou em maio que Carlos Bolsonaro, filho do presidente, teria tentado intermediar a compra do software à margem do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Os envolvidos negaram. A empresa que representava a NSO acabou abandonando a licitação que visava a compra do programa.

Leia também:

Haiti: sobe para 23 o número de presos pelo assassinato de Moïse

Artigos Relacionados

KPMG é alvo de críticas por auditorias em bancos ingleses

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, enfrenta uma nova onda de críticas sobre a qualidade das seus trabalhos nos bancos, depois de...

Airbus inaugura projeto de aeronaves A350 na China

A Airbus inaugurou seu projeto de aeronaves A350 em seu centro de conclusão e entrega de fuselagem larga em Tianjin, norte da China. É...

México vai ajudar Cuba

O governo do México, de López Obrador, anunciou que enviará suprimentos médicos, alimentos e gasolina a Cuba para ajudar a ilha que sofre com...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

KPMG é alvo de críticas por auditorias em bancos ingleses

A KPMG, empresa que presta serviços de auditoria, enfrenta uma nova onda de críticas sobre a qualidade das seus trabalhos nos bancos, depois de...

Airbus inaugura projeto de aeronaves A350 na China

A Airbus inaugurou seu projeto de aeronaves A350 em seu centro de conclusão e entrega de fuselagem larga em Tianjin, norte da China. É...

Plataforma P-70, na Bacia de Santos, alcança capacidade de projeto

A P-70, localizada no campo de Atapu, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, atingiu em 12 de julho sua capacidade de...

BC amplia iniciativas de ESG para suporte ao crédito

As recentes iniciativas regulatórias do Banco Central do Brasil (BC) para intensificar as divulgações relacionadas a questões ambientais, sociais e de governança (Environmental, Social...