Pela porta dos fundos

O tom dado às homenagens a Ronald Reagan nos Estados Unidos mostra a ausência de limites para os que se auto-atribuem a responsabilidade por reescrever a História. Nessa reconstrução vale até tentar deificar um dos mais belicistas presidentes do EUA, que buscou estender a corrida armamentista até o espaço, com seu “Guerra nas Estrelas”. Num país que produziu estadistas como Abraham Lincoln,  Woodrow Wilson e Franklin Roosevelt, isso se chama rebaixar a própria História.


As recentes turbulências no setor de petróleo são efêmeras e tendem a ser assimiladas pela sociedade e pelo mercado, a exemplo de outras crises anteriores. A opinião é do professor e coordenador do Centro de Estudos de Petróleo da Unicamp (Cepetro), Saul Suslick, em matéria no jornal da universidade campista. Para Suslick, as notícias sobre o iminente esgotamento das reservas do combustível fóssil são alarmistas e carecem de fundamento: “Antes que isso ocorra, a sociedade promoverá a transição para outras fontes”, diagnostica.
Para o coordenador do Núcleo de Interdisciplinar de Planejamento Energético da Unicamp (Nipe), professor Ennio Peres da Silva, a participação do petróleo no contexto energético será cada vez menor: o incremento de fontes renováveis de energia é um caminho sem volta.

Repulsa
Nem só de oba-oba à administração Bush vive a imprensa internacional. Ignacio Ramonet, redator do Le Monde Dipomatique, criticou duramente a tentativa de Bush se apropriar dos festejos dos 60 anos do “Dia D”: “É lamentável que seja o presidente George Bush que venha recolher, em nome daqueles heróis inesquecíveis, a homenagem dos europeus. Não é merecido. Um presidente que pisoteou no Iraque os valores democráticos de seu país, que chama de “libertação” uma invasão brutal para apoderar-se de petróleo, e cujas forças têm promovido a tortura, não representa com dignidade os jovens mortos nas praias normandas que deram sua vida pela democracia e o respeito aos direitos humanos. Não merece nosso agradecimento. Apenas nossa repulsa.”

Nem em casa
“”Precisamos conter o crescente instinto messiânico dos Estados Unidos, uma espécie de engenharia social global na qual os EUA se sentem ungidos e obrigados a promover a democracia, pela força se necessário.” A síntese da doutrina Bush não foi produzida pelo neurolinguista Noam Chomsky ou algum outro conhecido crítico da política externa norte-americana. A crítica foi feita em discurso no Senado dos EUA por Pat Roberts, do Partido Republicano, o mesmo de Bush.

Nas dez
Ativo na área naval e na de energia, Wagner Victer estreará em 2005 num terreno diferente: em parceria com Martinho da Vila, o secretário estadual de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Rio de Janeiro assina o enredo Singrando os Mares – Construindo o Brasil, com o qual a Escola de Samba Unidos de Vila Isabel entrará na Sapucaí em 2005. A apresentação oficial do enredo à ala dos compositores da escola será no próximo dia 16, no restaurante Porcão Rio”s (Aterro do Flamengo). O carnavalesco será Joãozinho Trinta, que estréia na escola.

Mauá
O enredo da Vila Isabel abordará a história da Marinha Mercante e da construção naval brasileira, que teve como marco de sua produção em escala industrial os investimentos de Irineu Evangelista, o Barão de Mauá, na Ponta da Areia, em Niterói, no início do século XIX. O apogeu do setor foi em meados da década de 70 do século passado; no decênio seguinte, o declínio após se tornar a segunda maior indústria do setor no Ocidente. A recuperação ocorreu com as encomendas da Petrobras, no final da década de 90, já com Victer à frente da secretaria estadual.

Café com soja
O tombo dos preços das commodities agrícolas impõe pergunta fundamental aos defensores da marcha batida rumo à República Velha: será a soja o café do século XI?

Artigo anteriorMentes e telas
Próximo artigoAbre o olho, Lula!
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.

Abbas recebe credenciais de embaixador brasileiro

Diplomata Alessandro Candeas entregou nesta semana suas credenciais ao presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.