Pensamento único

Alunos do curso de Introdução à Economia (Economics 10) em Harvard abandonaram a sala de aula, quarta-feira da semana passada, em protesto contra o enfoque do curso ministrado pelo nobelizável Gregory Mankiw, acusado de passar uma visão unilateral do mundo. Os 700 alunos da cadeira – praticamente obrigatória para vários cursos – divulgaram nota em que afirmar que essa visão da economia “perpetua o problemático e ineficiente sistema econômico desigual que impera em nossa sociedade”.

Lição
Os estudantes de Harvard não reclamam da ausência de Marx, ou Schumpeter que seja, mas afirmam que o professor se prende à teoria econômica de Adam Smith, relegando até a teoria keynesiana.
Os estudantes – que deixaram Mankiw falando sozinho e foram engrossar uma marcha em Boston dentro do movimento Ocupe – mostram um discernimento que parecia distante de Harvard, ao alegar que os formandos na instituição vão desempenhar papéis estratégicos nas principais instituições e nas definições de políticas públicas ao redor do mundo e que, se a Universidade fracassa em dar-lhes uma visão abrangente e crítica da economia, suas ações vão prejudicar o sistema econômico global.
“Os últimos cinco anos de crise econômica provaram isto de forma efetiva”, conclui a nota, à qual esta coluna teve acesso.

Nem Cabral crê
Ainda que sem seguir os procedimentos protocolares, o traficante Nem da Rocinha, ao procurar a UPA da favela da Zona Sul do Rio para ser atendido, mostrou confiar mais no sistema de saúde pública do Rio de Janeiro que o próprio governador Sérgio Cabral (PMDB), que, ao passar mal, duas vezes ano passado, em março e agosto, optou por buscar atendimento no Hospital Quinta D”Or, em São Cristóvão, e no Copa D”Or, de Copacabana, respectivamente. Desse jeito, Nem ainda acaba virando, ainda que involuntariamente, garoto-propaganda da UPA na próxima campanha eleitoral.

Insaciáveis
Papandreou, nesta quarta-feira, e Berlusconi, em breve, partem sem deixar qualquer saudade. Se não existem motivos para lamentos, as saídas dos governantes de Grécia e Itália, no entanto, estão longe de serem motivos de comemoração pelas razões que os derrubaram das cadeiras. Papandreou – uma espécie de De la Rúa grego – e Berlusconi – uma versão mais radicalizada de Collor – foram apeados do poder, não apenas pela falência dos modelos que impuseram a seus país. Eles também caíram porque os “mercados” desejam “mais sacrifícios”, dos outros, claro, e, ambos, com suas bases sociais esgarçadas, não servem mais à causa financista.

Univitelinos
Tão ou mais patéticos que os governos que desabam em série na Europa são as “oposições” que se preparam para sucedê-los. Em Portugal, por exemplo, o PSD, que se assume como direita, votou contra o pacote recessivo imposto pela União Européia (UE), tão somente para derrubar o governo de José Sócrates, do Partido Socialista, que cinicamente insiste em manter a sigla de esquerda. Derrubado o governo e eleito Pedro Passos Coelho, o PSD, no governo, correu a garantir à UE que as políticas que derrubaram os “socialistas” seriam aplicadas e aprofundadas pelo partido que se beneficiara do desgaste do que a aplicavam. Ou seja, na Europa, como em outras plagas, se substituiu a democracia por condomínio partidário, que, não importa qual seja o eleito, é mero gerente das políticas financistas.

Urnas
A eleição do CRCRJ para renovação de 1/3 do plenário acontecerá exclusivamente pela internet, e começa nesta quinta-feira e vai até as 17h do dia 18. Participam contadores e técnicos em contabilidade, e o voto só é facultativo para aqueles que tiverem completado 70 anos de idade. Mais informações em www.crc.org.br

Federal
A prisão pela Polícia Federal de alguns traficantes de média importância na hierarquia do crime carioca, quando tentavam fugir da previamente anunciada ocupação da Rocinha, parece confirmar o que esta coluna publicou, esta semana, sobre a raquítica lista de prisões de chefes do tráfico efetuadas pela polícia de Sérgio Cabral.

Artigo anteriorEfeitos da privatização
Próximo artigoComo farsa
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

Se mirar Nordeste, Bolsonaro atingirá o próprio pé

Região tem menor média de casos e óbitos causados pela Covid.

Neodefensores do trabalhador ignoraram crise

Desemprego já era estratosférico em 2019, e apoiadores de Guedes nem ligavam.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.