Pequenas empresas são as primeiras na lista de isenções fiscais

Cortar incentivos não é tão fácil como pretende o ministro que diz que não elevará tributos.

O Governo Bolsonaro quer reduzir as isenções fiscais em um terço até 2022. O problema é onde será feito o corte. Dos R$ 303 bilhões previstos para 2019, R$ 87 bilhões são benefícios para o Simples. Sem eles, as pequenas empresas vão cair na informalidade, e o tiro sai pela culatra.

Uma boa parcela corresponde a deduções e rendimentos isentos e não tributáveis no Imposto de Renda da Pessoa Física (R$ 52 bilhões). Um corte aí significa aumentar impostos, e o ministro Paulo Guedes já ensinou que liberal não eleva tributos, se possível os abaixa.

O agronegócio captura R$ 30 bilhões das isenções e renúncias fiscais. O governo não vai mexer com o setor, um dos poucos que pode dar apoio no Congresso. Nesta isenção está a desoneração da cesta básica.

Entidades sem fins lucrativos levam R$ 24 bilhões. Há espaço para cortar entidades que não fazem os atendimentos que relatam, mas é minoria. A maior parte realiza serviços em substituição ao poder público.

A Zona Franca de Manaus fica com quase R$ 25 bilhões. A decisão do Supremo na semana passada, referendando um exótico crédito de IPI, mostrou que mexer com esta turma é complicado.

Em resumo, apesar de ajustes e melhorias serem sempre bem-vindos, não é com cortes que será resolvido o problema das contas públicas. É com crescimento da economia. Sem enfrentar isto, fica-se enxugando gelo.

 

Arroz, feijão, saúde e educação

Em apenas dois dias, chegou a 1,2 milhão o número de pessoas que apoiam o abaixo-assinado em defesa da educação brasileira (chng.it/hSd7Sx8N). “As universidades federais estão sob forte ataque do governo. As universidades públicas brasileiras são responsáveis pela quase totalidade, por mais de 90% de toda a pesquisa científica que se faz no país em todas as áreas: da Filosofia à Medicina, das Artes às Engenharias. Não há instituição que tenha contribuído de modo equivalente para o progresso do país. As universidades são os grandes produtores de conhecimento e, portanto, responsáveis por grande parte de nosso crescimento econômico ao longo de nossa história”, destaca o manifesto.

 

Fã da censura

O ministro Sergio Moro entrou em uma polêmica via Twitter com o comediante Gregorio Duvivier. Em uma postagem, registrou: “No ponto, bom lembrar que não fosse a vitória eleitoral do Pr Jair Bolsonaro, estaríamos hoje sob ‘controle social’ da mídia e do Judiciário e que estava expresso no programa da oposição ‘democrática’. Aliás, @jairbolsonaro reafirmou hoje o compromisso com a liberdade da palavra.”

Moro deve ter se enganado de presidente. Jair Bolsonaro não se cansa de elogiar a ditadura de 64, que, entre outras violências, instituiu a censura prévia sobre a imprensa.

 

Pr

O que também chamou a atenção no Twitter do ministro da Justiça é a quantidade de comentários negativos às postagens de Moro. Quase todos detonavam as declarações e questionavam a isenção do ex-juiz, que condenou Lula e agora faz ataques à candidatura da oposição.

Mas houve quem, curioso, perguntasse o que significa o “Pr” da abreviatura postada por pelo ministro. Presidente não é, pois deve-se usar “pres.” ou “presid.” Padre é simplesmente “p”. Alguns arriscaram pastor, mas a Academia Brasileira de Letras não registra abreviatura para este grupo.

A coluna sugere que Moro, que nutre admiração pelos EUA, quis dizer “public relations”. O que, no caso de Bolsonaro, poderia ser “anitpublic relations”.

 

Desperdício

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, defende que quem cursa faculdade pública e sai no meio (alô Kim Harakiri) reembolse proporcionalmente o Estado. Podia rolar um reembolso de quem foi reprovado nas matérias mais de 1x, como confessou o ministro, ao defender seu currículo.

 

Rápidas

A primeira reunião de ex-ministros do Meio Ambiente do Brasil será realizada nesta quarta-feira, no Instituto de Estudos Avançados da USP, na capital paulista. Eles avaliarão o atual contexto da política ambiental brasileira e divulgarão um posicionamento. Entre os ex-titulares estão José Goldemberg, Rubens Ricupero, José Sarney Filho e Marina Silva *** Nesta terça-feira, Goldwasser Neto, CEO da Accoutfy, participa do evento VCAPE – Treinamento: Internacionalização de Empresas, em São Paulo. Detalhes em abvcap.com.br *** O Carioca Shopping celebrar 18 anos nesta quarta-feira com um show do cantor Pedro Lima *** O Hemorio (RJ) inaugura, nesta terça, enfermaria infantil com oito leitos.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...