Perfumaria

As medidas anunciadas pelo Governo sobre os juros revelam uma única coisa relevante: finalmente, os marqueteiros do Planalto descobriram que satanizar a agiotagem dá mais ibope que prometer o paraíso via desmonte do Estado, ainda que batizando essa via de “reformas estruturais”. Na prática, o fim do compulsório sobre depósitos a prazo põe termo a uma das maiores excentricidades da política monetária do tucanato. É um daqueles surtos de sanidade ao qual ninguém pode se opor.
O resto é perfumaria embalada na última hora. A redução do IOF para empréstimos de pessoa física, de 6% para 1,5%, por exemplo, terá efeito pífio. Quem pagava juros anualizados de 200% para empréstimo pessoal por um mês passa a arcar com taxa anualizada próxima de 150%.
O melhor exemplo para dimensionar o efeito gota no oceano, porém, vem de levantamento da Anefac. O estudo revela que a diferença entre os juros médios cobrados no comércio e a inflação medida pela Fipe chegou a 41.884,84%, entre agosto de 1995 e setembro passado!
Além disso, com a taxa de juros básica em 19% ao ano, qualquer alívio no aperto monetário vai beneficiar essencialmente o sistema financeiro, que terá mais recursos disponíveis para aplicar em papéis públicos, em vez de se arriscar a fazer empréstimos de retorno duvidoso.
A queda da taxa básica continua sendo condição indispensável para estimular a retomada do crescimento e a geração de empregos. Em outras palavras, é preciso virar a política econômica de ponta-cabeça para romper com o paradigma que beneficia rentistas e especuladores, em detrimento da produção.

Defesa
O relator da Comissão Especial da Câmara Municipal do Rio, vereador Otávio Leite (PSDB) se reúne hoje pela manhã no plenário da Casa com os deputados federais Luiz Alfredo Salomão (PDT-RJ), Eduardo Paes (PTB-RJ) e Márcio Fortes (PSDB-RJ). Motivo: traçar uma política comum de atuação em defesa da receita do Município do Rio. A incorporação do ISS ao ICMS poderá resultar, conforme consta na reforma tributária, em sérios prejuízos para a economia municipal, uma vez que o referido imposto é responsável por uma receita anual em torno de R$ 800 milhões.

Índex
A declaração de ACM pedindo a revisão do acordo com o FMI produziu fato inédito. Conhecido “jornalão” que costuma cantar as bravatas do senador em prosa e verso confinou-o a um recôndito canto de página e, para aumentar a humilhação, embaixo de uma foto de Itamar Franco.

Cravo & ferradura
No mesmo dia em que ACM defendeu a revisão do acordo com o Fundo, o ministro da Previdência, Waldeck Ornéllas, afilhado do senador, prestava contas da sua pasta – que controla o segundo maior orçamento do País – a burocratas do FMI.

Alta velocidade
A revogação do Código Nacional de Trânsito ameaça vir sob a forma de camisetas.

Disparada
O risco de uma nova disparada do dólar será debatido pelos economistas Luiz Gonzaga Belluzo (Unicamp), Delfim Netto (PPB-SP), Andrea Calabi (presidente do BNDES) e Winston Fritsch (ex-Banco Central e presidente do Dresdner Bank Brasil), no próximo dia 18, no Seminário InterNews, em São Paulo. Além da questão cambial, o evento, que será realizado no Maksoud Plaza, servirá de palco para o debate sobre a retomada do desenvolvimento e o ajuste fiscal prometido ao FMI.

Pagão
Os amigos que ainda restam ao governador Mão Santa, do Piauí, andam estranhando a ausência de editoriais nas TVs e nos “jornalões” protestando contra o uso de “grampos” para denunciar os porões dos governos. Não precisaria nem, para citar o presidente FH, “ser a favor até demais”. Com 10% da compreensão mostrada pela imprensa “chapa branca” no escândalo do BNDES, a turma do governador e do seu ex-secretário de Segurança já se davam por satisfeitos.

Desmonte
O ministro das Minas e Energia, Rodolpho Tourinho, reuniu-se ontem com o Conselho de Administração da Petrobras a portas fechadas. Na pauta, o início da marcha para transformar a estatal em uma empresa corporation. Como uma das principais características desse tipo de empresa é a pulverização do seu controle, a decisão de Tourinho pode ser mais um passo para preparar a privatização da Petrobras.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCanecão
Próximo artigoSub judice

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Acusações de palhaça e possível ação da CVM fazem ação da TC desabar

Papéis chegaram a recuar mais de 25% no pregão desta quinta-feira.

Aqui, na terra, a coisa está preta

Por Paulo Alonso.

Setor público registrou superavit de R$ 358 bi em 2021

O setor público brasileiro registrou um superavit orçamentário de R$ 358 bilhões em 2021, resultado que deriva dos cerca de R$ 6,3 trilhões em...

Triste realidade

Em cada 4 bairros do Rio, 1 tem milicianos ou traficantes

Pré-candidatura de Ceciliano ao Senado ganha apoio na Região Serrana

Prefeito do PSB vira as costas para candidato do partido.