Perigosa mágica

A recente ação penal encaminha ao Ministério Público Federal pela 17ª Vara Criminal da Justiça Federal da Bahia contra o banqueiro Ezequiel Nasser vem desmontar, pelas vias judiciais, o cenário utilizado para a realização da grande mágica de se comprar algo muito caro com pouco dinheiro, prática comum no Brasil que, talvez, o próprio Mister M encontre dificuldades para desmascarar.
Como explicar que um banco que valia entre US$ 50 milhões e US$ 100 milhões, no caso o Excel, tivesse dinheiro suficiente para comprar com patrimônio de US$ 1 bilhão e ativos entre US$ 5/6 bilhões? Um comprador desse nível, na realidade, não tem “bala na agulha” para absorver empresa de tal envergadura patrimonial, por mais subsídios que o governo conceda.
O mesmo acontece com as estatais privatizadas e empresas de serviços públicos. O grande risco está no fato de que todas aquelas que tiveram financiamento para mudar de mãos podem acabar voltando para o controle do Estado. Não será surpresa se, em futuro bem próximo, algumas das estatais privatizadas voltarem para o controle do BNDES ou de fundos de pensão com a Previ.

Marcha
O Coordenador Nacional do Movimento dos Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, participa nesta segunda-feira do ato contra as privatizações em frente ao edifício-sede da Petrobras, na Avenida Chile, no Rio. A manifestação será também contra o desemprego, pela implementação das reformas agrária e urbana, pela prisão dos corruptos e pelo não pagamento da dívida externa. Logo após o ato, o MST dará início à Marcha Popular pelo Brasil, cujo objetivo é debater com a sociedade um projeto popular para o país. A marcha começa no Rio e contará com a participação de pessoas de outros estados. Percorrerá dezenas de municípios até Brasília, passando por Minas Gerais. A chegada está prevista para a primeira quinzena de outubro – apesar das ameaças de FH, depois negadas, de que usaria a Lei de Segurança Nacional contra os manifestantes.

Fecha a cortina
A Kodak brasileira antecipa que não será afetada pela reestruturação mundial da companhia. “Os esforços da Kodak para melhorar a produtividade irão continuar. As condições básicas da economia e o ambiente geral de negócios brasileiros são a chave para planos operacionais e resultados no Brasil”, destacou Gerald H. Greene, presidente da empresa no Brasil. Ele garantiu que não haverá maiores impactos nas operações em São José dos Campos e Manaus. Apesar do lucro do segundo trimestre, anunciado no último dia 21, a Eastman Kodak Company tem planos de reestruturação – leia-se fechamento de fábricas e demissão de pessoal. A reengenharia vai sangrar em cerca de US$ 300 milhões (antes dos impostos) os cofres da Kodak, gasto previsto para o terceiro trimestre.

Coleção
A Zippo, tradicional marca de isqueiros, estará lançando até o fim do ano duas versões que têm tudo para virar itens de colecionador. Um isqueiro com imagem da passagem do milênio e outro, para vender no Brasil e em Portugal, com desenho alusivo aos 500 anos do descobrimento do Brasil. Espera-se que o Zippo do ano 2000 continue sem bugs.

Prevenidos
Temendo o bug do milênio, com uma pane no sistema de energia por causa da mudança de data de 1999 para 2000, os americanos estão se municiando de lanternas para esta emergência. A Mag-Lite, maior fabricante de lanternas dos Estados Unidos informou a todos seus representantes no mundo, inclusive a Victorinox no Brasil, que não pode mais atender pedidos durante o ano de 1999, pois tem sua produção comprometida até a passagem do ano. E olha que lá nos EUA não existe nem Light nem Cerj.

Exclusivo
Não se sabe se é por causa da concorrência acirrada ou apenas continuação de defeitos técnicos, mas de certas centrais telefônicas do Rio não se consegue ligar para outros estados atendidos pela Telemar usando o código da Embratel (21). A ligação cai antes que se consiga terminar de discar o número. Passando-se para o código da própria Telemar (31) tudo funciona.
Gol contra
Que a privatização não tenha melhorado os serviços da combalida Telerj, alguns usuários  mais resignados até admitem. Mas clientes da Telepar, do Paraná, estão revoltados com a queda da qualidade dos serviços de telefonia depois que a Tele Centro Sul assumiu a empresa. Paranaenses, que contavam com um atendimento razoável e barato (o telefone lá saía por menos de R$ 80 e era instalado rapidamente), agora reclamam que sofrem como os cariocas.

Saúde doente
As demissões promovidas por FH e sua turma são bem mais cruéis do que se pensa. Entre os quase 50 mil agentes de combate às endemias (mata-mosquitos) dispensados da Fundação Nacional de Saúde (FNS) este ano, mais de uma centena deles foram contaminados por produtos organo-fosfatados usados em seu trabalho. Esta substância foi muito utilizada durante a Segunda Guerra Mundial e hoje está proibida em praticamente todo o mundo, mas no Brasil os laboratórios a fabricam e vendem livremente sob os mais diversos nomes comerciais. Os contaminados têm o sistema nervoso central afetado e sofrem desde vômitos e tonturas até contrações musculares involuntárias. O pior é que eles não passaram por exames médicos nem quando foram admitidos e nem na demissão. Mais grave: tudo isto dentro do Ministério da Saúde.

Artigo anteriorCéu nublado
Próximo artigoRumo a Brasília
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Desigualdade, Big Tech e EUA são maiores ameaças à democracia

7 em 10 chineses avaliam que seu país vai bem na questão.

O poder do monopólio em rebaixar os salários

Um tributo a Joan Robinson, ‘uma das economistas mais importantes do século 20’.

Ricos querem pagar só 10% do imposto de Biden

Elisão fiscal ameaça levar US$ 900 bi do pacote para as famílias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

G20 promete ‘financiamento total’ de compra de vacinas pela OMS

Medida desbloquearia quase US$ 20 bilhões.

Em cinco anos, SP reduziu em 32%, mortes no trânsito

Só Região Metropolitana reduziu em 29%; queda nas fatalidades em nível nacional foi de 22%.

Mercado reage em dia pós-Copom

Destaque para os pedidos por seguro-desemprego nos EUA.

Boas expectativas para o dia

Hoje, mercados começando aparentemente com realizações de lucros recentes e aguardando a decisão do Banco Central inglês sobre política monetária.

Mesmo com perdas de 75%, empresas em favelas mantêm 80% dos empregos

São mais 289 mil comércios registrados nas cerca de 6 mil comunidades em todo o Brasil.