28.7 C
Rio de Janeiro
segunda-feira, janeiro 18, 2021

Perna curta

Os mercados ainda podem ter de esperar até 48 horas para saber quais os reflexos efetivos sobre os desdobramentos do processo eleitoral e das medidas do Banco Central em relação aos fundos de investimento. Ainda não existem números consolidados a respeito dos volumes de saques e de depósitos em fundos, segundo a Associação Nacional dos Bancos de Investimento (Anbid). Apesar disso, alguns “jornalões” se apressaram em falar na volta das aplicações.

Marqueteiro
O candidato tucano à Presidência, José Serra, pediu ao presidente FH que a equipe econômica estude uma alternativa para evitar que a alta do trigo reflita no preço do pãozinho. Ficar lá embaixo na pesquisa é fogo.

Tadinhos
Depois de defender o tabelamento do preço do gás e agora a intervenção no pãozinho, Serra vai acabar sendo responsabilizado pelo mercado pela alta do dólar. Para não correr esse risco, o candidato tucano lamentou, na sexta-feira, os maus momentos vividos pelos bancos em 95 e 96.

Caixa alta
O consumo de leite longa vida no Brasil – aquele em caixa – saltou de 2,74 bilhões para 2,94 bilhões de litros no primeiro semestre desse ano. Os números da LatinPanel revelam um aumento de 7% da categoria, se comparado com o mesmo período do ano anterior.

Gel
As garrafas de álcool líquido somem dos supermercados a partir de amanhã. Proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o produto será substituído pelo álcool gel, em embalagens resistentes ao impacto. Álcool líquido para consumo doméstico só será vendido em farmácias e somente em frascos de 50 ml. Desrespeito à proibição terá punição com multas que variam entre R$ 2 mil e R$ 1,5 milhão. A decisão da Anvisa veio depois de centenas de acidentes com uso do produto em residências. Se protege a saúde, dói no bolso: o álcool em gel é mais caro. Nada, porém, que justificasse a manutenção da venda.

Cresce
O Movimento Suprapartidário Ciro Gomes inaugura hoje o seu comitê central em São Paulo, na Avenida Brasil, 2016, esquina com Rua Atlântica. O evento vai contar com as presenças do candidato a presidente e do seu vice, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.

Juros em queda
O paraíso está próximo, isto se virarem realidade as previsões feitas por José Arthur Assunção, vice-presidente da Federação Nacional das Empresas de Crédito, Financiamento e Investimento (Fenacrefi) e colaborador da página de Opinião do MM. O fechamento do acordo com o Fundo Monetário Internacional irá estabilizar a economia e promover a queda das taxas de juros para o consumidor. “O dólar não vai estar mais pressionado, o risco-país vai desabar e a bolsa vai ter melhor desempenho”, prevê Assunção. Como os juros no mercado futuro deverão acompanhar a tendência declinante do mercado à vista, segundo Assunção, a resposta imediata irá se traduzir na queda dos juros no Crédito Direto ao Consumidor (CDC) e no Crédito Pessoal.

Tudo igual
Durante muito tempo os frequentadores da Costa Verde (de Itaguaí ao litoral sul do Estado do Rio de Janeiro) consideravam-se em vantagem em relação aos que preferiam a Costa Azul (Região dos Lagos e adjacências) devido aos engarrafamentos que estes últimos enfrentavam. A situação se igualou, e não é de agora. Neste último domingo os que regressavam da Costa Azul penaram com o trânsito muito lento na BR-101 no trecho que ia da saída de Itacuruçá até o acesso à Avenida Brasil.

Ação
Já é hora do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Banco Central (BC) entrarem de sola na especulação – política e financeira – em torno das pesquisas eleitorais. A lei é clara sobre a divulgação e poucos são os meios de comunicação que seguem o que dita a legislação. Mas querer uma ação do BC talvez seja como esperar que uma tartaruga seja multada por excesso de velocidade.

Artigo anteriorEx e ex
Próximo artigo“Apagão”
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.