Pesquisa revela percepção de brasileiro sobre Selic em 2% ao ano

A última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) realizada na quarta-feira terminou sem alterações na Selic, a taxa básica de juros, que segue em 2% ao ano. Entretanto, uma maioria considerável dos brasileiros (55,1%) avaliou como negativa a determinação do órgão financeiro. Essa é apenas uma das conclusões do mais novo estudo da Orbit Data Science, que monitorou 2.706 comentários públicos nas redes sociais entre quarta e sexta-feira.

Os principais fatores atrelados às críticas são a pressão inflacionária, os juros bancários praticados no Brasil e o impacto negativo no rendimento da poupança. Os que apoiaram a manutenção da taxa somam 41,4% das opiniões e defendem seu ponto elencando fatores como produção, emprego e consumo. Além disso, relativizam a pressão inflacionária apontada pelos críticos, prevendo a cessão da mesma. Os indiferentes à manutenção da taxa somaram 3,5%.

O estudo apurou que entre aqueles que defendem a Selic baixa, 46,1% opinam que “a taxa baixa é boa”, enquanto 28,0% acham que “a Selic alta é ruim” e 25,9% acreditam que “o Banco Central deveria reduzir ainda mais a Selic”. Já os brasileiros que acham que a Selic deveria aumentar os principais comentários foram “O BC tem que aumentar” (53,8%), “Selic baixa é ruim” (34,9%), “Selic deve ficar acima de 10%” (6,6%) e “Selic alta é boa” (4,5%).

Quando falaram de investimento, a opinião predominante entre os brasileiros é de que não é hora de entrar em renda fixa, especialmente a caderneta de poupança. Entre os comentários recomendando investimentos, a renda variável é o caminho mais indicado, especialmente ações na Bolsa de Valores.

Entre os que não gostaram da manutenção, 36,6% citaram “inflação” em seus comentários. Já 14,7% dos comentários entre os que aprovaram a permanência da Selic a 2% mencionaram o termo.

Outro aspecto interessante é sobre as expectativas futuras quanto à Selic. Entre os que se manifestaram sobre o tema, 91,4% acreditam que “a taxa não se manterá baixa por muito tempo” enquanto 8,6% disseram que “a Selic não deve cair mais”.

Em contrapartida à categoria de “recomendação de investimento”, chamou a atenção dos analistas também uma outra, classificada como “restrição de investimento”, com comentários sugerindo fugir de renda fixa, principalmente poupança. Dentro de “recomendação de investimento” encontram-se majoritariamente pessoas que estão falando em Bolsa de Valores. Também houve comentários mencionando bitcoin e câmbio, por exemplo.

Artigos Relacionados

Empréstimo de R$ 370 milhões para indústria açucareira em SP

Recursos serão aplicados na modernização e aquisição de materiais para processo de cultivo O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apoiará a modernização...

Rádios FM poderão antecipar aumento de potência e área de cobertura

Antes, emissoras só podiam solicitar mudança a cada dois anos e de forma gradual.

Mudanças no câmbio abrem caminho para o Pix internacional

Propostas da Consulta pública são os primeiros passos para colocar em prática o sistema de transferências instantâneas com o exterior.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Rádios FM poderão antecipar aumento de potência e área de cobertura

Antes, emissoras só podiam solicitar mudança a cada dois anos e de forma gradual.

Mudanças no câmbio abrem caminho para o Pix internacional

Propostas da Consulta pública são os primeiros passos para colocar em prática o sistema de transferências instantâneas com o exterior.

Taxa de empréstimo pessoal tem pequena alta em abril

Segundo o Procon-SP, a taxa média de empréstimo pessoal foi de 6,1% ao mês.

Mercados com poucas oscilações

PEC fura-teto preocupa.

Por preços de combustíveis, IPCA deve desacelerar

Por outro lado, os preços dos serviços devem continuar em patamares baixos, influenciados pelas medidas de restrição e pelas fracas condições do mercado de trabalho.