Petro Rio adquire campos da BP

Negócio está sujeito a aprovações regulatórias.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Petro Rio S.A, empresa brasileira com foco em produção de petróleo e gás, comunicou a seus acionistas e o mercado em geral nesta sexta-feira sobre a assinatura de contrato com a BP Energy do Brasil Ltda. para a aquisição das participações de 35.7% no Bloco BM-C-30 (Campo de Wahoo), e de 60% no Bloco BM-C-32 (Campo de Itaipu). Ambos os campos de pré-sal.

A transação, ainda sujeita a aprovações regulatórias e outras condições precedentes usuais, terá uma parcela fixa de US$ 100 milhões, que será dividida em 5 pagamentos (US$ 17,5 milhões divididos entre a assinatura e a conclusão da transação – closing – uma vez que todas as condições estejam satisfeitas; US$ 15 milhões em dezembro de 2021; com o remanescente a ser pago em 2022), além de um earn-out de US$ 40 milhões contingente na unitização (ou first oil) de Itaipu.

O campo de Wahoo tem potencial para produzir mais de 140 milhões de barris (100% do campo), com descoberta de óleo em 2008, e teste de formação realizado em 2010, se encaixa perfeitamente na estratégia de geração de valor da PetroRio.

Com o desenvolvimento do campo, a companhia diz que formará mais um cluster de produção, e compartilhará toda a infraestrutura com o Campo de Frade (inclusive o FPSO), possibilitando assim a captura de diversas sinergias resultando em mais uma forte e sustentável redução de lifting cost, sempre mantendo os mais altos padrões de segurança e eficiência.

A PetroRio reafirma seu comprometimento com a manutenção de níveis de endividamento conservadores, e prevê que mesmo após a incorporação desta aquisição, o indicador de Net Debt/Ebitda continuará dentro de faixas normais e aceitáveis”, informou a empresa.

O campo Wahoo se situa 30-35km ao norte de Frade, com lâmina d’água de 1.400m, e conta com reservatório carbonático na camada do pré-sal a uma profundidade de 5 a 7 mil metros.

Segundo a empresa, o óleo no campo é de excelente qualidade, com 30º API, baixa viscosidade, e gás associado que será utilizado na geração de energia do FPSO de Frade. Itaipu, descoberto em 2009, com 3 poços piloto perfurados, se encontra próximo ao cluster Parque das Baleias, e estudos preliminares realizados indicam que a acumulação é potencialmente compartilhada com a região sudeste do cluster. Desta forma, o desenvolvimento desta área poderá passar por um processo de unitização, antes de qualquer definição de desenvolvimento.

 

Exploração

 

Em 2008, a Anadarko (então operadora do consórcio) concluiu a fase de exploração, descoberta, mapeamento e avaliação em Wahoo. Quatro poços piloto foram perfurados no reservatório de Wahoo, delineando o mesmo, e destes, três tiveram descoberta de óleo, com subsequente teste de formação (TFR). Nessa época, também foi concebido um sistema independente de produção, contando com FPSO próprio.

Durante o processo de avaliação da oportunidade de investimento, a PetroRio verificou a possibilidade de interligação de Wahoo com Frade e concebeu assim, um novo projeto de desenvolvimento contando com a infraestrutura já existente, completamente alinhado à sua estratégia de geração de valor.

O projeto base de interligação de Wahoo contempla a perfuração de quatro poços produtores, dois poços injetores, a instalação de manifold submarino com bombas multifásicas para o escoamento do óleo produzido e da água injetada, e o tieback entre o manifold e o FPSO de Frade. Este projeto poderá ser ajustado, a depender das condições encontradas após o início da produção. Por exemplo, no caso de haver atuação de aquífero em Wahoo, os poços injetores podem se tornar desnecessários, reduzindo o total do investimento planejado.

A companhia estimou uma produtividade média inicial superior a 10,000 barris por dia por poço e uma produção que poderá superar os 40,000 barris por dia em Wahoo, baseado nos resultados do teste de formação (TFR) realizado em poço exploratório. Estas estimativas podem ser alteradas com a obtenção de mais informações, como dados sísmicos e mapeamento mais detalhado do reservatório, permitindo a otimização da localização dos poços planejados e da instalação dos equipamentos.

No projeto base, o CAPEX é dividido em US$ 300 milhões para o tieback, US$ 360 milhões para a perfuração dos poços, US$ 100 milhões para equipamentos subsea e US$ 40 milhões para ajustes no FPSO de Frade e outros itens. Próximos passos 1) Aprovações regulatórias 2) Declaração de Comercialidade 3) Apresentação de Plano de Desenvolvimento e posterior certificação de reservas e recursos contingenciais 4) Início do projeto de perfuração e interligação 5) Primeiro óleo de Wahoo, aproximadamente 2 anos após o início do projeto

A companhia disse que pretende realizar este investimento, em regime de parceria com os membros do consórcio, sempre atenta à viabilidade jurídico-regulatória e comercial. Atualmente, as principais alternativas em consideração são: (i) Compartilhar o investimento e a produção resultante proporcionalmente entre os consorciados que manifestarem interesse. Neste caso, o FPSO de Frade fará jus a uma taxa de manuseio por barril, tendo em vista que será responsável por processar, armazenar e realizar o offloading do óleo produzido em Wahoo. (ii) Em caso de um ou mais consorciados optarem por não participar do projeto, a PetroRio estará preparada para assumir a totalidade da execução do investimento, e em contrapartida se beneficiar de toda a produção resultante (conforme previsto em clausulas do Joint Operation Agreement em vigência).

 

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor