Petrobras dá de goleada nas petroleiras dos EUA

A Petrobras tem números e indicadores financeiros muito superiores aos de suas congêneres dos Estados Unidos, mostra Cláudio da Costa Oliveira (não, não é parente do colunista), economista aposentado da estatal brasileira. Começando pela Geração Operacional de Caixa, “que são os recursos que sobram depois de cobertos todos os custos e despesas e que podem ser utilizados para investimentos e/ou amortização de dívidas”. As grandes petroleiras norte-americanas sofreram enormemente com a queda no preço do petróleo, o que não ocorreu com a Petrobras, que não tem suas receitas vinculadas ao preço internacional do barril, e mantém a geração de caixa estável durante todo o período analisado, de 2012 a 2016: US$ 27,4 bilhões, há cinco anos, e US$ 26,1 bilhões ano passado, com pouca variação.

Já a Chevron caiu de US$ 38,8 bilhões para US$ 12,9 bilhões; a Exxon, de US$ 56,2 bilhões para US$ 22,1 bilhões. A receita de vendas destas empresas em 2016 mostram: Chevron com US$ 110,2 bilhões, Exxon com US$ 226,1 bilhões e Petrobras com US$ 81,4 bilhões. Dividindo a geração operacional pela receita de vendas temos a rentabilidade financeira de cada uma: Chevron fica em 11,7%, Exxon, 9,7 %, e Petrobras, 32,1%. Portanto, a estatal é três vezes mais rentável que as gigantes dos EUA.

Cláudio Oliveira analisa então a liquidez corrente, que é a divisão do ativo corrente pelo passivo corrente. “De longe a Petrobras é a empresa mais tranquila para o cumprimento de seus compromissos no curto prazo. Para cada US$ 1 que tem a pagar, a empresa dispõe de US$ 1,8. Já Chevron e Exxon, para cada US$ 1 que tem a pagar, dispõem de apenas US$ 0,9. No popular, 'estão vendendo o almoço para comprar a janta'.”

Finalmente, o saldo de caixa de cada empresa ao final de cada ano. O da Petrobras subiu de US$ 13,5 bilhões, em 2012, para US$ 21,2 bilhões, ano passado. O da Chevron despencou de US$ 20,9 bilhões para US$ 6,9 bilhões. A Exxon viu seu saldo encolher de US$ 9,6 bilhões para US$ 3,6 bilhões no mesmo período. De acordo com o economista aposentado, se a Petrobras mantivesse um saldo de caixa no mesmo nível da maior petroleira americana, a Exxon, não seria necessário vender nenhum ativo, bastaria utilizar o caixa existente para atingir a absurda meta de alavancagem de 2,5, que é o principal objetivo do Plano de Negócios e Gestão – PNG 2017-2021.

 

Novo exame da OAB

Apenas 25% dos bacharéis em contabilidade que pretendem obter o registro na categoria conseguiram aprovação no exame de suficiência do Conselho Federal de Contabilidade (CFC). Cerca de 46 mil pretendentes participaram do primeiro exame de 2017.

Os maiores índices de aprovação ocorreram no Rio Grande do Sul (36,4%), Santa Catarina (36,3%) e Rio de Janeiro (34,9%). A novidade deste ano é que o CFC divulgará os dados estatísticos por instituição de ensino superior.

 

Ataques

No próximo dia 12, às 14h, professores do ensino superior do Brasil todo se reúnem na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) para discutir a crise nas universidades municipais e estaduais e construir uma rede de apoio, solidariedade e luta. “O caso das universidades do Rio de Janeiro é grave, mas não é o único”, denuncia o Andes SN (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior).

 

Negócio da China

Mais de 25 empresas chinesas que planejam expandir suas operações para fora de seu país participarão de encontro com firmas brasileiras no WTC São Paulo. São gigantes como Baidu e Didi (que comprou o Uber na China e recentemente investiu na 99).

Maior investidor estrangeiro no Brasil desde 2009, a China também enviará ao Chinnovation representantes de fundos de capital de risco, como a Beam Capital e Grand View Capital. “Apenas estes dois fundos possuem US$ 100 milhões disponíveis para investir exclusivamente em mercados fora da China”, afirma In Hsieh, CEO da China-Brazil Internet Promotion Agency (Cbipa), entidade que organiza o evento, que acontecerá em 30 de maio. Mais informações podem ser encontradas em www.cbipa.com

 

Rápidas

O Porto Itapoá foi certificado pela Receita Federal como um Operador Econômico Autorizado (OEA), estando apto a efetivar parceiras com as aduanas do mundo *** O Shopping Jardim Guadalupe (RJ) participa neste sábado da campanha de vacinação contra a gripe. No Rio, a ida aos postos está muito abaixo do previsto *** De 11 a 13 de maio, a Marina da Glória recebe a sexta edição do Green Rio, evento que reúne representantes da economia verde e do setor orgânico *** Os advogados Franscisco Shertel Mendes e Vinícius Marques de Carvalho lançaram recentemente o livro Compliance: Concorrência e Combate à Corrupção (Trevisan Editora) *** A 2iM Inteligência Médica realiza pela primeira vez o Fórum 2iM Experience, no qual instituições como os hospitais Sírio Libanês e Samaritano apresentarão suas práticas para gestão da performance na área da saúde.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

MPEs veem oportunidades geradas pela crise

Principal mudança foi alocação de recursos para trabalhar e atender remoto, seguida por investimentos em tecnologia para vendas não presenciais.

Mudança de sinais

Terça começou tensa para os mercados de risco no mundo; hoje, a expectativa para o dia é de Bovespa seguindo em recuperação.

Quatro conselheiros da Petrobras decidem deixar o cargo

Eles são representantes da União no Conselho da empresa, petrolífera divulgou nota ontem à noite.

Biden quer estados priorizando vacinação de professores

Presidente americano pediu que educadores recebam pelo menos uma dose de vacina.

PEC fiscal e lockdown ficam no radar em dia de PIB

Em Nova Iorque, as pressões dos treasuries e a queda das companhias de tecnologia tiveram forte impacto nas Bolsas.