Petrobras poderá se tornar uma empresa suja

A Petrobras anunciou no último dia 24 de novembro seu plano estratégico 2022-2026, com investimentos previstos de US$ 68 bilhões nos próximos 5 anos. O valor é 24% superior ao mesmo período do plano anterior, que tinha um orçamento de US$ 55 bilhões. Porém, é infinitamente menor que o montante investido entre 2010-2014 que chegava a US$ 230 bilhões. “Sinaliza o encolhimento que passará a empresa nos próximos anos”, prevê o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar.
No segmento E&P (exploração em produção de petróleo e gás natural), serão investidos US$ 57 bilhões em 2022 a 2026, sendo que 67% desse valor para o pré-sal. Em entrevista à reportagem do Monitor Mercantil, Bacelar destacou os pontos importantes que ficaram de fora do novo plano de negócio e gestão da estatal.
O aumento de 24% no orçamento da Petrobras em relação ao plano anterior é suficiente para mudanças importantes na companhia?
– Em nossa avaliação houve aumento dos investimentos sobre o plano de negócio e gestão anterior, mas é um montante inferior ao volume investido, por exemplo, de 2010-2014, de quase US$ 230 bilhões. Sinaliza o encolhimento da empresa nos próximos anos. Nos planos anteriores o investimento não ficava restrito ao pré-sal. Era direcionado também aos campos produtores e ao refino.
O que você destacaria de muito importante que não foi contemplado no novo plano?
– Os planos anteriores vislumbravam uma Petrobras mais integrada, que investia na exploração e produção de petróleo e gás natural, no refino e na transição energética. Eram feitos investimentos não só em biocombustíveis, mas também em energias renováveis como eólica, solar e em pesquisa e desenvolvimento de novas fontes de energia limpa ou renovável. Isso se perdeu nesse plano. Mostra uma Petrobras mais apequenada. Focada na exploração e produção no pré-sal e com a metade de sua capacidade de refino.
Que impacto terá essa redução de investimento na transição energética?
– Será vista como uma empresa suja, porque está cortando investimento na contramão do que as grandes empresas do setor fazem hoje. Lembro-me de uma apresentação de um CEO da Total que citou que o seu plano de negócio e gestão reservava 10% para o processo de transição energética. A Petrobras investe menos de1% nessa área. É uma vergonha. Acabam condenando o futuro da empresa. É um atraso de décadas.
Como avalia o volume de dividendos que a Petrobras promete entregar aos acionistas?
– Eles focam em um retorno de curto prazo para os acionistas e não observam que os acionistas na Europa focam em empresas que estão fazendo transição energética. As grandes companhias estão observando isso. A Petrobras prevê distribuir entre US$ 60 bilhões e US$ 70 bilhões em dividendos entre 2022 e 2026. Deste total, de R$ 20 bilhões a R$ 25 bilhões serão destinados à União, principal acionista da empresa. O novo plano diz que serão distribuídos no mínimo US$ 4 bilhões anualmente caso o Brent esteja acima de 40 dólares o barril. Já quando a companhia tiver uma dívida bruta menor que sua meta (como é o caso no momento), serão distribuídos 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos. A Petrobras ainda comunicou que dividendos extraordinários poderão ser distribuídos independente de seu endividamento, desde que não comprometa sua sustentabilidade financeira.
No refino, a Petrobras disse que investirá US$ 6,1 bilhões nos próximos 5 anos. Do total, US$ 1,5 bilhão serão gastos na integração entre a Reduc (Refinaria Duque de Caxias) e o GasLub Itaboraí, na região metropolitana do Rio de Janeiro. Como a FUP analisa essa estratégia?
– Essa gestão não faz questão de investir em refino. Está se retirando do refino para investir apenas no pré-sal. Isso faz com que o país fique mais dependente da importação de derivados de petróleo. Não faz o menor sentido. Das oito refinarias da Petrobras colocadas na lista de privatização, três (Rlam, Reman e SIX) já foram vendidas.
A Petrobras diz que a venda de ativos é para reduzir sua dívida. Como a FUP avalia esses desinvestimentos?
– Não havia necessidade de vender esse monte de ativos somente no governo Bolsonaro. O faturamento do pré-sal fez o endividamento despencar abaixo de US$ 60 bilhões. Não há necessidade de a empresa continuar vendendo ativos nesse novo plano de negócio e gestão. Em dois anos desse governo foram US$ 26 bilhões de ativos privatizados.
Qual a expectativa da FUP sobre o leilão da cessão onerosa marcado para 17 de dezembro?
– Como sempre tentamos fazer com que os leilões não tenham o êxito que o governo quer. Tentamos ingressar com ações para barrar os leilões por diversos motivos. E neste caso específico da cessão onerosa nos preocupa ainda mais porque são os campos mais produtivos que nós temos (antigo campo de Lula que hoje se chama Tupi, e do campo de Búzios maiores produtores da Petrobras hoje). Depois de tudo pronto entrega para petrolíferas internacionais. Não faz o menor sentido.
Que outros pontos importantes não foram citados no plano apresentado?
– Os temas PPI (Preço de Paridade e Importação) e trabalhadores não foram citados. Se nós temos hoje essa escalada de preços dos derivados de petróleo – principalmente gasolina e gás de cozinha, esse último com mais de 200% de reajuste –mostra que essa gestão não está preocupada com a população.
Regina Teixeira – Especial para o Monitor Mercantil

Leia também:

Fundos Imobiliários têm o pior mês do ano em novembro

Randolpho De Souza
Editor de Seguros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Payroll teve leitura fortemente acima do esperado

Mercado de trabalho mostra aperto considerável, com indicações de restrições prolongadas no lado da oferta.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.