Petrobras: razões para orgulho e apreensão

A indústria do petróleo tem 160 anos. Nasceu em Titusville, Pensilvânia (EUA), em 1859. No Brasil, o petróleo somente foi descoberto, por brasileiros, em janeiro de 1939. “Por décadas, interesses estranhos aos do Brasil alardearam não haver petróleo em nosso território. Queriam perpetuar a nossa dependência”, assinalou o ex-deputado Ricardo Maranhão, durante sessão solene na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro em comemoração aos 66 anos de fundação da Petrobras. O evento, realizado este mês, também marcou o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Soberania Nacional e do Pagamento dos Royalties para o Rio.

Em pouco mais de seis décadas”, lembrou Maranhão, “os brasileiros realizariam feito extraordinário. Construíram uma empresa que fatura US$ 100 bilhões por ano. Uma das dez maiores petroleiras do mundo. Líder mundial na exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultraprofundas. Três prêmios internacionais concedidos pela OTC, maior evento da indústria, espécie de Prêmio Nobel do petróleo”.

Talvez a maior façanha da Petrobras tenha sido a descoberta do pré-sal, as maiores jazidas identificadas no mundo nos últimos 40 anos, que demandou tecnologia própria, logística desafiadora, necessidade de novos materiais. “Vencemos tudo. Com o apoio da indústria brasileira, da nossa engenharia, com a participação das universidades e centros de pesquisa”, comemorou o ex-deputado, que é diretor da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet). Os desafios foram enormes, mas as recompensas, extraordinárias: reservas monumentais, risco baixíssimo ou inexistente na exploração, poços com produção de até 65 mil baris por dia.

Este é, portanto, um momento de festa. Mas, também, de reflexão, de denúncia, de apreensão, de resistência, de luta. Há alegações falsas, de dificuldades financeiras. Quem, aqui, não ouviu dizer que a Petrobras tem dívida enorme? Impagável? Só não pediu recuperação judicial porque é estatal? É preciso vender ativos para pagar a dívida. Tudo mentira. Nos últimos anos, a Petrobras sempre teve, no mínimo, US$ 15 bilhões em caixa”, demonstrou Maranhão.

Estão vendendo ativos lucrativos, estratégicos. É uma privatização por etapas. Desmonte. É a desnacionalização de nossa economia. Bilhões e bilhões de dólares do patrimônio vendido em processos tortuosos, com questionamentos judiciais, sem transparência, venda a preços vis, desrespeitando a lei.”, denunciou.

O resultado é insegurança energética; a Petrobras deixar de ser empresa de atuação nacional para ficar circunscrita à parte da região Sudeste; monopólios privados e estrangeiros; política de preços absurda, que sacrifica os consumidores e prejudica a competitividade da economia. “Temos razões para nos orgulhar da Petrobras. Para parabenizá-la. Mas, também, razões redobradas para denunciar o que estão fazendo com a nossa maior empresa”, finalizou o diretor da Aepet.

 

A fila anda

Macri saiu do grupo. Bibi Netanyahu saiu do grupo. Matteo Salvini saiu do grupo. Piñera cede os anéis para não sair do grupo. Trump está na fila.

 

Rápidas

A Nova Rota da Seda e seus Impactos na América Latina” é o tema do seminário que será realizado nesta terça-feira, das 14h às 17h, no Ifics (Centro do Rio de Janeiro). Os debatedores serão Paulo Nogueira Batista Jr. e Monica Brukmann, com moderação de Saturnino Braga. A realização é da UFRJ, Uerj e outras entidades. Informações: conjunturamundial@gmail.com *** O IAG – Escola de Negócios da PUC-Rio promove a palestra “Desafios para a Longevidade nas Empresas Familiares”, nesta quarta, às 19h. Inscrições aqui *** O diretor médico da Med-Rio Check-up, Gilberto Ururahy, faz palestra na Câmara de Comércio Americana RJ sobre “Quando o RH Solicita Saúde”, nesta terça, às 9h *** O advogado criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira fará palestra no plenário do IAB, nesta terça, às 18h, sobre o livro Lei Anticrime?. Inscrições aqui *** O consultor Luiz Affonso Romano ministra mais uma turma do Curso de Desenvolvimento de Consultores, quarta e quinta, das 9h às 18h, no Centro Empresarial Dimension, Barra da Tijuca (RJ). Inscrições aqui.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Argentina fechará com China parceria do Cinturão e Rota

Iniciativa pode ser pontapé inicial para desenvolvimento e integração da América Latina.

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preços ao consumidor de março avançaram mais que esperado

Veículos novos registraram o segundo mês consecutivo sem variação, enquanto os usados apresentaram variação positiva.

Castello Branco diz adeus à Petrobras

Assembleia de acionistas da estatal aprovou a destituição.

Alerj pede ao STF suspensão do pagamento de dívida na pandemia

Alerj estima que desde março de 2020, quando se iniciou a pandemia, o Estado do Rio já quitou R$ 1 bilhão em juros da dívida com a União.

Governo Bolsonaro tumultua e população vive drama para receber auxílio

Consórcio do Nordeste, formado por todos os governadores da região, defende que governo descentralize pagamento do benefício.

Indústria do cimento cresce 19% no 1º tri

Mau desempenho no primeiro trimestre de 2020, em razão das fortes chuvas e do início da pandemia, frente ao mesmo período de 2021, refletiram na alta do setor.