Petrobras tem que ver a empresa nacional como aliada

Os empresários do setor de construção naval esperam que o novo presidente da Petrobras seja mais sensível às demandas das empresas brasileiras. “O nosso segmento sofre consequências negativas com a política de importação que foi implementada na gestão do Pedro Parente na Petrobras”, critica Ariovaldo Rocha, presidente do Sinaval, sindicato nacional que congrega estaleiros e companhias da área. O conteúdo local era uma das maiores fonte de atritos entre o setor e o presidente que se foi. A estatal, sob comando de Parente, privilegiou encomendas no exterior. Rocha está na esperança de que Ivan Monteiro “não veja o mercado nacional como inimigo e que esteja aberto ao diálogo”.

 

Herança maldita

A Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) não poupou críticas a Pedro Parente. “Saiu sem explicar por que a Petrobras, sob seu comando, vinha praticando preços internacionais para os combustíveis, não obstante produzir e refinar petróleo no Brasil”, diz a entidade, em nota.

Também não esclareceu a operação de venda da Liquigás, do setor GLP, vetada pelo Cade, e a venda de mais de 2.000 km de gasodutos, com comprovados prejuízos para a companhia.” (…) “Por que vender ativos valiosos, sem concorrência, em negociatas diretas, ao arrepio da lei, ao mesmo tempo em que a empresa mantém em caixa somas astronômicas, sempre superiores a US$ 20 bilhões?”, questiona a Aepet.

Queremos livrar a Petrobras da herança deixada por Pedro Parente, sua política de preços antinacional e seu plano de negócios entreguista e privatista”, finaliza a Associação.

 

Torrando um campo

Para comparar e pensar: os R$ 9,5 bilhões que o governo concederá de subsídios aos acionistas da Petrobras e aos importadores de óleo diesel (só este ano, e sem contabilizar a renúncia fiscal) equivalem aos US$ 2,5 bilhões que a estatal norueguesa Statoil pagou para levar a fatia da companhia brasileira no campo de Carcará, no pré-sal; um pouco menos que os US$ 2,9 bilhões que a mesma empresa da Noruega desembolsou para ficar com 25% do campo de Roncador; ou 16% de todos os benefícios creditícios contabilizados pela União em 2017.

 

S na mira

O plenário do TCU aprovou auditoria para averiguar a arrecadação direta e indireta das entidades do Sistema S, em 2017. O pedido partiu do Senado Federal. Essas entidades possuem personalidade jurídica de direito privado, mas recebem contribuições parafiscais, o que as sujeitam à fiscalização da Corte de Contas. O levantamento tem prazo de 60 dias para terminar e atingirá 229 unidades – incluindo o Sebrae. O relator é o ministro Benjamin Zymler.

 

Meu pirão primeiro

As empresas jornalísticas comemoram terem ficado de fora da lei sancionada pelo presidente Michel Temer que voltou a cobrar INSS para diversos setores que estavam beneficiados pela desoneração. Com a manutenção da desoneração, os jornais poderão continuar com o recolhimento da contribuição previdenciária de 1,5% sobre a receita bruta. O benefício permanece até 31 de dezembro de 2020.

O setor está entre os que demitiram nos últimos anos.

 

Rápidas

Para comemorar o Dia Mundial do Meio Ambiente, a Fiesp organiza sua 20ª Semana do Meio Ambiente centralizada nos Sistemas de Logística Reversa de produtos e embalagem em operação no Brasil – resultados e gargalos. Detalhes em http://hotsite.fiesp.com.br/meioambiente/2018/homologacao/index.html *** Terminam nesta terça-feira as inscrições para os concursos públicos da Marinha, com 22 vagas. Em www.ingressonamarinha.mar.mil.br *** Na quinta-feira, o cantor Rik Oliveira se apresenta no Américas Shopping, às 20h, dentro do projeto Bar MPB. No dia seguinte, o Caxias Shopping recebe a cantora Anna Lima, com sucessos do forró e sertanejo universitário, a partir das 19h30 *** Estão abertas as inscrições para o curso “Escrituração Digital das Retenções, CPRB e Outras Informações”, oferecido pela 3ª Seção Regional do Ibracon, quarta e sexta próximas, no Rio de Janeiro (RJ). www.ibracon.com.br *** Levantamento realizado pelo Paraty Convention & Visitors Bureau (Paraty CVB) mostra que a contribuição voluntária para o turismo sustentável do município cresceu 250% desde outubro de 2017, quando foi iniciado o projeto Contribuição ao Turismo Sustentável.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Capitalismo na origem da pandemia

Agronegócio e destruição do habitat estão nas raízes de 70% das novas doenças infecciosas.

Bitcoin leva 2 pancadas de uma vez

Pagamento de resgate a hackers e declaração de Musk mostram ‘lado negro da força’.

Taxação sobre heranças reflete desigualdade

Apenas 0,5% da receita vem de impostos sobre bens deixados ou doados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Hospitais temem onda de multas por não se adequar à LGPD

Estabelecimentos de pequeno e médio porte alegam não ter recursos para cumprir a lei.

Prisão de Pazuello na CPI é improvável, afirma jurista

Liminar concedida por Lewandowski será submetida à apreciação da Corte.

Turismo caiu 17,6% em março

No primeiro mês pandêmico no Brasil, março de 2020, setor viu receitas caírem 22,3%; ante mesmo mês de 2019, retração é de mais de um terço.

Custo de produção de suínos passa dos R$ 7 por quilo vivo

Em abril, os custos para produzir suínos aumentaram 2,33% ante março, fazendo indicador do setor medir a variação nos custos de produção.

Europa opera em comportamento negativo nesta manhã

A Bolsa de Frankfurt cedia 0,80% e Londres operava em queda de 0,66%.