Petroleiros contestam suspensão de fornecimento de gás ao Nordeste

Estão pegando uma mansão e quebrando suas janelas, suas paredes, tirando tudo o que ela tem dentro.

A Federação Única dos Petroleiros (Fup) estuda como tomar medidas judiciais contra mais uma decisão considerada arbitrária da atual diretoria da Petrobras. Desta vez, a decisão da petroleira atinge em cheio a região Nordeste que poderá ter a oferta de gás suspensa.

“A suspensão da oferta de gás ao Nordeste pela Petrobras reforça ‘privatização aos pedaços’ e monopólio privado na região”, disse o coordenador geral da Fup, Deyvid Bacelar. Segundo ele, com gás natural sendo reinjetado pela Petrobras por falta de mercado, não há razão econômica para empresa não mais abastecer as distribuidoras do Nordeste a partir de 2022. A Federação pretende tomar medidas judiciais contra a decisão da atual gestão da petroleira.

“Mais uma vez, o que vemos é uma atitude da gestão da Petrobras de reduzir uma empresa gigante, controlada pelo Estado, a um tamanho ínfimo, sob uma justificativa infundada de redução de endividamento. Assim, vai se confirmando a teoria da ‘privatização aos pedaços’ da Petrobras. Estão pegando uma mansão e quebrando suas janelas, suas paredes, tirando tudo o que ela tem dentro. Vão deixar somente um telhado, que não vai ser suficiente para proteger o caixa da empresa”, manifestou a Fup em comunicado nesta terça-feira.

Na opinião da federação, o governo Bolsonaro está “esquartejando a companhia” porque não tem força política e nem argumento econômico para propor a venda da maior estatal do país ao Congresso Nacional. “E pior: Bolsonaro usa a Petrobras como instrumento de vingança pessoal contra a região Nordeste, onde perdeu nas eleições de 2018 e tem seus piores índices de popularidade”, esclarece.

Duas distribuidoras de gás canalizado do Nordeste – A Bahiagás, da Bahia, e a Sergás, de Sergipe – manifestarem-se contrárias à venda da Gaspetro à Compass Gás e Energia, do grupo Cosan. Bahiagás e Sergás decidiram exercer seu direito de preferência na compra da parte da Gaspetro em seu quadro acionário, para evitar que a Compass exerça qualquer poder sobre as empresas. “Curiosamente, no dia seguinte a esse anúncio a gestão da Petrobras decide cortar o suprimento de gás natural para o Nordeste a partir de 2022 – ou seja, daqui a cinco meses”, citou no comunicado a Fup.

O governo da Bahia fez uma manifestação contrária a venda da Gaspetro. A Petrobras detém 51% na Gaspetro, que possui participações em 19 distribuidoras de gás, incluindo 24,5% das ações da BahiaGás. Como anunciado pela Petrobras, a Gaspetro será vendida para a Compass por R$ 2,03 bilhões.

Leia também:

BNDES deixará de financiar térmicas a carvão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Produção nacional de petróleo caiu 1,6% em agosto

No mês de agosto, os campos de Búzios, Atapu e Sul de Tupi, todos produzindo sob o regime de cessão onerosa no pré-sal da...

TRT/RJ interpreta como ilegais medidas adotadas pela Petrobras

A Justiça do Trabalho do Estado Rio de Janeiro deu ganho de causa a empregados da Petrobras em ação coletiva contra aumento de carga...

Diesel estará mais caro nesta quarta-feira

Mesmo depois de tanto protesto contra os preços em elevação praticados pela Petrobras, a companhia realizará ajuste no preço do diesel A para as...

Últimas Notícias

Rede estadual de ensino retorna a aulas 100% presenciais

No ano passado, as aulas foram remotas por causa da Covid; na rede municipal da capital, retorno sem rodízio de alunos começou no dia 18.

Manguinhos e Ambev lideram dívidas ao Fisco estadual

Estudo da Fenafisco aponta que os maiores devedores também recebem isenções fiscais em suas áreas de atuação.

Investidores monitoram Campos Neto

Mercados externos negociam, em sua maioria, no positivo; na Europa é aguardada a decisão de política monetária do BCE.

Semana começa com estresse pós-traumático

Na sexta, mercados domésticos ficaram por conta da sensação de desmanche da equipe econômica de Paulo Guedes.

Reforma da Previdência desestimulou contribuição

Por Isabela Brisola.