Petróleo cai após Opep+ adiar negociações sobre aumento da produção

Os preços do petróleo tipo Brent caíram 1,59% nesta segunda-feira fechando em US$ 50,68/barril. A queda ocorreu após a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e seus aliados, liderados pela Rússia, adiarem as negociações sobre o aumento da produção em um momento em que a pandemia da Covid-19 ainda ameaça a demanda por derivados de petróleo. Além disso, notícias a respeito da implantação de um novo lockdown (confinamento) no Reino Unido para conter a pandemia também adicionaram pressão aos preços da commodity.

As negociações entre a Opep e seus aliados continuarão hoje depois da maioria dos membros, incluindo a Arábia Saudita, se oporem à proposta da Rússia de outro aumento de produção em fevereiro de 500 mil barris ao dia (kbpd), além do aumento de 500kbpd já programado para o mês de janeiro. Notamos que o patamar atual de cortes de produção é de 7.2 milhões de barris ao dia.

Notícias mencionam que países da Opep+ como o Cazaquistão são, como a Rússia, favoráveis à uma elevação de produção em fevereiro para aproveitar a recuperação de demanda global de petróleo e não ceder participação de mercado a outros produtores como os de xisto nos EUA.

Por outro lado, outros países como Nigéria, Iraque e Emirados Árabes Unidos, liderados pela Arábia Saudita, defendem a manutenção dos níveis atuais de cortes. O segundo grupo de nações possuí preocupações a respeito do avanço da nova cepa do vírus causador da Covid-19 e do ritmo mais devagar do que o esperado das campanhas de vacinação pelo mundo.

O não atingimento de um consenso entre Arábia Saudita e Rússia remeteu às discordâncias de março de 2020 quanto aos patamares de produção da Opep+, que acabou culminando em uma guerra de preços. No entanto, notamos que o contexto tanto de demanda como de oferta é completamente distinto do que ocorreu no ano passado.

As expectativas em torno da reunião da Opep+ são ainda maiores quando se leva em consideração as incertezas para a demanda de petróleo no curto prazo em vista do contínuo avanço da pandemia da Covid-19, o surgimento da nova cepa do vírus causados da doença e da imposição novamente de medidas de restrição à mobilidade de pessoas (lockdowns) em países como Reino Unido e Alemanha.

Por mais que ocorra uma volatilidade de curto prazo, mantemos nossa visão otimista para preços de petróleo no médio e longo prazo conforme avancem as vacinações para a Covid-19 ao redor do mundo. Tão logo isso ocorra, esperamos uma rápida recuperação da demanda de combustíveis e outros derivados de petróleo com a normalização da movimentação de pessoas e bens e da atividade econômica global.

Assim sendo, em um horizonte de médio prazo (6-12 meses), estimamos que os preços de petróleo Brent se recuperem para o patamar de US$ 55-60/barril, nível de preços que remunera os produtores de petróleo de xisto nos EUA, os quais consideramos como produtores marginais da commodity.

.

Gabriel Francisco

Analista de Energia e Petróleo & Gás

Maira Maldonado

Analista de Energia e Petróleo & Gás

XP Investimentos

Leia mais:

Municípios serão afetados com redução de royalties do petróleo

Empresa privada chinesa começa exportar produtos de petróleo refinado

Artigos Relacionados

Mercados globais continuam receosos com aumento dos preços

Principais índices da Europa caíram devido ao movimento de alta dos yelds; Paris perdeu 0,24%.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.