PGR recorre de decisão de Fachin que anulou condenações de Lula

Procuradoria argumenta que modificar o entendimento a essa altura geraria instabilidade processual e insegurança jurídica.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentou hoje recurso contra a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que na última segunda anulou as condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato.

No recurso, a PGR defende a competência da 13ª Vara Federal de Curitiba para ter julgado os processos em que Lula foi condenado, motivo pelo qual quer a reversão da decisão pelo ministro. Caso isso não ocorra, o órgão pede que o caso seja julgado de modo colegiado, pelo plenário do Supremo, por exemplo.

Na decisão, Fachin afirmou que as acusações da força-tarefa da Lava Jato contra Lula não estão relacionadas diretamente com os desvios na Petrobras, alvo principal da operação. Dessa forma, seguindo precedentes da Corte, o ministro entendeu que 13ª Vara Federal não era competente. Ele anulou as condenações e remeteu os processos para a Justiça Federal em Brasília.

Pela decisão, ficaram anuladas as condenações nos casos do triplex do Guarujá (SP) e do sítio em Atibaia. Outros dois processos, que apuram irregularidades ligadas ao Instituto Lula, também foram remetidos para o Distrito Federal.

No recurso da PGR, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, que assina a peça, “defende que as denúncias apresentadas pelo MPF tiveram sucesso em demonstrar, de forma clara, o elo dos fatos investigados nos quatro processos com os casos de corrupção na Petrobras.”

Uma das principais teses da acusação é que os recursos desviados de contratos com a Petrobras abasteciam uma espécie de “conta-corrente geral de propinas”, a partir da qual as vantagens indevidas seriam transferidas ao ex-presidente.

A PGR argumenta ainda que o reconhecimento da competência da 13ª Vara Federal para julgar Lula “perdurou por um longo período de cerca de cinco anos”, e que modificar o entendimento a essa altura geraria instabilidade processual e insegurança jurídica.

 

Agência Brasil

Leia mais:

Bolsonaro segue com popularidade negativa, sem sinais de recuperação

Estreante do STF pode decidir se ex-ministro da Justiça é suspeito?

Artigos Relacionados

Alerj votará PL para assegurar correção salarial de servidores

Última reposição salarial para os servidores do estado foi em 2014.

Eletrobras: Firjan critica MP e recomenda veto presidencial

Para federação, emendas reduzem competitividade: 'é função do Governo Federal zelar pelo bom funcionamento do setor elétrico'.

Estabilidade garante que servidor denuncie irregularidades

Para Fenafisco, reforma administrativa vai destruir estrutura pública e enfraquecer os meios de denúncia dos servidores públicos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

LDZ Escola abre curso de animação digital 2D da ToonBoom Animation

Arte digital e cultura nerd beneficiam saúde e qualidade de vida.

Vendas Club traz conteúdo exclusivo para todo o Brasil

Propósito é prestar serviço para profissionais se manterem atualizados sobre o cenário de vendas.

Imóveis comerciais: segmento deve reaquecer de forma gradual

Desaquecimento por imóveis comerciais ocorreu por causa do home office imposto pelas restrições sanitárias.

PADTEC HOLDING S.A. – FATO RELEVANTE – 24 de junho de 2021

Padtec apresenta informações adicionais sobre atraso na divulgação dos resultados do 1T21.

Juros em alta atrairão US$ 21 bilhões de capital especulativo

Banco Central melhora projeção de crescimento e ingresso de investimentos estrangeiros.