PIB alemão foi afetado pela pandemia de Covid-19

A economia alemã foi “gravemente afetada” pelas consequências da pandemia. O presidente da agência estatística federal alemã Destatis, Georg Thiel, ao informar que o Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha teve queda 5% em 2020 por causa do impacto da pandemia da Covid-19, a maior contração desde a crise financeira de 2008-2009.

Conforme a agência, a queda do PIB no ano passado é ligeiramente inferior à, recentemente estimada pelo banco central alemão, que tinha previsto que a economia iria contrair-se 5,5% em 2020, quando emitiu as suas previsões em dezembro passado. O Bundesbank previu ainda que a economia alemã cresceria 3% em 2021 e 4,5% em 2022.

Em 2020 a economia alemã teve o impacto da pandemia “em praticamente todos os setores”, tanto no dos serviços como na produção de bens, afirmou a Destatis.

O declínio do PIB em 2020 segue-se ao aumento de 0,6% em 2019 e a maior queda até agora ocorreu em 2009, quando a economia alemã sofreu uma contração de 5,7% devido à crise financeira.

Os dados oficiais indicam que a situação econômica foi particularmente negativa em 2020 na área dos serviços, que registou “quedas sem precedentes”, e a Destatis indicou que a pandemia também tinha atingido o comércio, os transportes e a indústria hoteleira de forma particularmente dura.

A contração em 2020 também teve as suas consequências negativas na área do emprego, tendo terminado 14 anos consecutivos de crescimento do emprego no país: em 2020 havia menos 1,1% de pessoas a trabalhar (477.000 menos do que em 2019).

Leia mais:

Analistas acreditam que PIB da China crescerá 10% em 2021

Adoção de IA pode adicionar aumento extra do PIB em 4,2 p.p. até 2030

 

Artigos Relacionados

China declara eliminação de pobreza extrema

Xi Jinping: retirada de 850 milhões de pessoas é uma ‘conquista sem precedentes’.

Venda cai, mas árabes são o segundo destino de alimentos do Brasil

No total, os embarques de alimentos e bebidas ao exterior tiveram aumento de 11,4% no ano, frente a 2019.

Países ricos se recuperam mais rapidamente, pobres ficam para trás

Lacuna aumenta; vacinação global geraria US$ 9 trilhões até 2025, inclusive para os países desenvolvidos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.