Pimenta no dos outros…

A coluna pega emprestado o título utilizado ontem por Mônica Gusmão, em Seu Direito, pois nada mais adequado para algumas...

A coluna pega emprestado o título utilizado ontem por Mônica Gusmão, em Seu Direito, pois nada mais adequado para algumas reações depois que a Globo e a Procuradoria-Geral da República (PGR) decidiram centrar fogo no Governo Temer. O ilibado Moreira Franco, por exemplo, cita editorial do Estadão, que faz “uma análise sobre a responsabilidade que imprensa e agentes públicos têm com o país, mediante a manipulação de informações que acabam por gerar prejuízos para os brasileiros. A própria linha fina do artigo destaca que 'não é de hoje que os procuradores usam a imprensa para disseminar acusações que, uma vez veiculadas, ganham ares de condenação'”.

O jornalista Reinaldo Azevedo pediu demissão da Veja após vazamento de uma conversa telefônica entre ele e Andrea Neves, a irmã – agora presa – do senador Aécio Neves. Não há nenhuma acusação contra Azevedo, mas uma constrangedora crítica a reportagem da revista que o abrigava. Ele, que nunca se constrangeu com os vazamentos seletivos quando estes deixavam o PT na berlinda, saiu criticando a divulgação da conversa.

Na Folha, o colunista Bernardo Mello Franco – um dos que, junto com Janio de Freitas e outros poucos, ainda pode ser lido sem restrições no jornalão paulista – assinala: “Os movimentos que diziam não ter 'corrupto de estimação' desistiram de ir às ruas no último domingo. Seus líderes trocaram a camisa amarela pela chapa branca.”

 

Fundo do poço

O Clube de Engenharia divulgou nota em que conclama as “forças vivas da Nação a desinterditarem o debate, para que possamos construir o país democrático, soberano, economicamente desenvolvido e socialmente inclusivo que almejamos”.

É hora de nos unirmos, independentemente de convicções políticas, para construir a única solução legítima para a saída do atoleiro em que nos encontramos: devolver ao povo os mandatos existentes, através de eleições diretas para a Presidência da República. Tal solução, entretanto, há de ser construída nos marcos da nossa Constituição, e pressupõe a prévia retirada das propostas de 'reformas' supressoras de direitos sociais e trabalhistas”, bem como “o estabelecimento de regras consensuais para essas eleições”.

 

Império da Lei

Criador do Movimento Quero um Brasil Ético, o jurista Luiz Flavio Gomes escreveu a obra O Jogo Sujo da Corrupção (Astral Cultural), lançada nesta terça, defendendo a ideia de reforma política, assim como a implosão do sistema corrupto. A intenção é investir em um Estado soberano, novo regime governamental em que a lei vale para todos – o Império da Lei.

LFG ainda acredita que a Lava Jato, enquanto dentro do estado de direito, representa uma mudança profunda para o Brasil. Segundo o jurista, o país é comandado pelas mãos de grupos divididos em “crime organizado privado” e “crime organizado dos agentes públicos”. E pontua que muitos dos personagens que compõem estas facções faziam parte de uma elite intocável – até bem pouco tempo atrás.

Ele propõe medidas como: “proibição constitucional de concessão de anistia para os crimes de corrupção e de caixa dois eleitoral” e “reforçar a Lei de Transparência”. Luiz Flávio Gomes sugere uma reforma política, que além de colocar a lei como a grande governante, extinguiria o cargo político-profissão

 

Novo aliado

O senador Renan Calheiros, líder do PMDB no Senado, fará discurso às 10 horas desta quarta-feira, no Parque da Cidade, Brasília, durante a marcha das centrais sindicais. Os trabalhadores seguirão em direção ao Congresso Nacional, onde será realizado ato contra as reformas trabalhista e previdenciária.

 

Rápidas

Foi publicado o edital do segundo exame de suficiência de 2017 voltado para profissionais da contabilidade, condição necessária para a homologação do registro profissional. As inscrições estarão abertas entre 20 de junho e 20 de julho e podem ser feitas no site do Conselho Federal de Contabilidade (cfc.org.br) *** O professor Michel Levi C., da Universidad Andina Simón Bolivar, de Quito, é o convidado do curso Regionalismo Comparado na Cátedra Jean Monnet da FGV Direito para falar, nesta quarta-feira sobre “European Union and South America Relations”. O encontro acontece à tarde na sede da FGV no Rio. Inscrições em www.fgv.br/eventos/?P_EVENTO=3252&P_IDIOMA=0 *** De 26 a 28 de maio será realizado o IX Dançar Caxias Shopping. O evento reúne escolas e grupos de dança da Baixada Fluminense *** Em junho começam as aulas da oficina profissionalizante de serralheria e solda, oferecidas pelo Galpão Aplauso a jovens entre 17 e 29 anos. O curso, gratuito, oferece alimentação e uma bolsa mensal de R$ 300 para transporte. Inscrições em http://aplauso.art.br/cursos *** O Sebrae realiza a palestra gratuita “Qualidade no Atendimento ao Cliente”, nesta quarta, às 19h, no Shopping Jardim Guadalupe (RJ).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTiro no pé
Próximo artigoTemer, o Breve – II

Artigos Relacionados

Ameaça de demissões expõe crise na Saúde

Piso de menos de 4 SM para enfermagem revela desvalorização.

Qual a parcela de culpa da Ericsson no terrorismo?

Multi sueca é processada por pagar propina no Iraque que teria chegado ao Estado Islâmico.

BC eleva juros, mas inflação segue disseminada

Remédio errado a partir de diagnóstico equivocado.

Últimas Notícias

Fiagros têm captação líquida satisfatória até junho

Esses fundos entraram em operação em agosto de 2021

Vendas financiadas de veículos leves e pesados crescem pouco

Em relação a julho de 2021, no entanto, queda é de 18,8%

Índices influenciaram o mercado nesta semana

Ibovespa encerrou nesta sexta-feira com alta de 2,33%

Petrobras informa sobre venda de direitos minerários de potássio

A Petrobras informa que iniciou a etapa de divulgação da oportunidade (teaser), referente à venda de seus direitos minerários para pesquisa e lavra de...

China aposta no controle da inflação este ano

BPC: condições favoráveis para manter os preços geralmente estáveis