Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), as startups lideradas por mulheres representam apenas 15,7% do ecossistema. Mas apesar das dificuldades enfrentadas pelas empreendedoras, ideias inovadoras surgem todos os dias. E foi a partir da ideia de capitanear aporte vindo de quem conhece de perto   os inúmeros passos ou etapas para o desenvolvimento de carreira das mulheres em um mercado extremamente competitivo do mercado de trabalho que surgiu o Pitch Night Mulheres no Comando.

“Tivemos propostas para seguir com grupos de investidores anjos do Brasil e de outros países, mas os líderes desses grupos, bem como os anjos eram compostos quase 100% por homens. As condições propostas eram complicadas, muito por questão de não sentirem a dor de ser uma mulher no mercado de trabalho. Sofremos machismo na captação, onde a minha visão como CEO era constantemente invalidada, e os acordos para a finalização do aporte eram muito diferentes de rodadas que, meu sócio, por exemplo, já havia participado”, explica Jéssica Paraguassu, CEO e fundadora da plataforma Mulheres no Comando.

A solução veio de dentro de casa: no começo de julho deste ano, um evento reuniu todas as mentoras da edtech, e o sucesso foi garantido, com cerca de 35 intenções de investimento, com aportes variados entre cinco e oitenta mil reais. Em menos de um mês, todos os contratos entre a startup e as investidoras anjos estavam assinados e o investimento 100% realizado.

“Formamos o nosso próprio grupo de investidoras anjo, com mulheres de muita referência no mercado, dispostas a transformar a sociedade e liberar o potencial de outras mulheres no mundo. Elas entendem a dor do machismo estrutural e acreditam no nosso propósito de liberar o potencial das mulheres no mundo”, explica Jéssica que, através de um grupo de vinte e quatro investidoras e dois investidores, conseguiu capitanear R$ 400 mil que serão investidos em ações de marketing, vendas e operações de atendimento ao usuário, desenvolvimento e implementação de tecnologia, com o objetivo de retenção de usuários, aumento da produtividade e escalabilidade do negócio”.

A edtech, que tem como propósito fazer com que mais mulheres cheguem a posições de liderança e alto comando dentro de grandes empresas, já impactou mais de 1 milhão de mulheres com suas trilhas de conteúdo, mentorias e eventos de networking.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cibra destaca importância de fertilizante para as cooperativas

Luiz Freiberger: 'Criação de novos relacionamentos e negócios e o fortalecimento daqueles já existentes'

Ourolux amplia portfólio de lâmpadas inteligentes

As lâmpadas são controladas diretamente do interruptor após colocada no soquete.

Mania de Churrasco! Prime Steak & Burger abre 12º restaurante no Rio

Unidade da rede de churrascarias no Shopping Nova Iguaçu terá diferenciais especiais.

Últimas Notícias

Sudeste teve alta de 5% nas vendas por internet em maio ante abril

Considerando a mesma base de comparação, o faturamento do setor também cresceu: 7%.

Marca chinesa de automóveis de luxo Hongqi abre 1º showroom em Israel

A concessionária de carros israelense Samelet Group abriu nesta terça-feira o primeiro showroom da marca chinesa de limusines Hongqi na cidade de Tel Aviv, no centro de Israel.

AstraZeneca continuará a aumentar o investimento na China

AstraZeneca, a gigante farmacêutica britânica, está otimista sobre as perspectivas econômicas e o crescimento do setor de saúde chinês, e continuará a aumentar seu investimento na China, disse Leon Wang, vice-presidente executivo da AstraZeneca, informou o Chinanews.com nesta quarta-feira.

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.