Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), as startups lideradas por mulheres representam apenas 15,7% do ecossistema. Mas apesar das dificuldades enfrentadas pelas empreendedoras, ideias inovadoras surgem todos os dias. E foi a partir da ideia de capitanear aporte vindo de quem conhece de perto   os inúmeros passos ou etapas para o desenvolvimento de carreira das mulheres em um mercado extremamente competitivo do mercado de trabalho que surgiu o Pitch Night Mulheres no Comando.

“Tivemos propostas para seguir com grupos de investidores anjos do Brasil e de outros países, mas os líderes desses grupos, bem como os anjos eram compostos quase 100% por homens. As condições propostas eram complicadas, muito por questão de não sentirem a dor de ser uma mulher no mercado de trabalho. Sofremos machismo na captação, onde a minha visão como CEO era constantemente invalidada, e os acordos para a finalização do aporte eram muito diferentes de rodadas que, meu sócio, por exemplo, já havia participado”, explica Jéssica Paraguassu, CEO e fundadora da plataforma Mulheres no Comando.

A solução veio de dentro de casa: no começo de julho deste ano, um evento reuniu todas as mentoras da edtech, e o sucesso foi garantido, com cerca de 35 intenções de investimento, com aportes variados entre cinco e oitenta mil reais. Em menos de um mês, todos os contratos entre a startup e as investidoras anjos estavam assinados e o investimento 100% realizado.

“Formamos o nosso próprio grupo de investidoras anjo, com mulheres de muita referência no mercado, dispostas a transformar a sociedade e liberar o potencial de outras mulheres no mundo. Elas entendem a dor do machismo estrutural e acreditam no nosso propósito de liberar o potencial das mulheres no mundo”, explica Jéssica que, através de um grupo de vinte e quatro investidoras e dois investidores, conseguiu capitanear R$ 400 mil que serão investidos em ações de marketing, vendas e operações de atendimento ao usuário, desenvolvimento e implementação de tecnologia, com o objetivo de retenção de usuários, aumento da produtividade e escalabilidade do negócio”.

A edtech, que tem como propósito fazer com que mais mulheres cheguem a posições de liderança e alto comando dentro de grandes empresas, já impactou mais de 1 milhão de mulheres com suas trilhas de conteúdo, mentorias e eventos de networking.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Rating da EDP BR não muda com aquisição da Celg-T

Para a Fitch Ratings, a qualidade de crédito da EDP Energias do Brasil S.A. (EDP BR, Rating Nacional de Longo Prazo ‘AAA (bra)’, Perspectiva...

Pesquisador do Ineep: O problema não é os leilões, o problema é a ANP

Empresas estão mais atentas aos riscos geológicos.

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...