27.6 C
Rio de Janeiro
terça-feira, janeiro 19, 2021

Planejamento estratégico: o mapa para o sucesso

Criar, gerir e crescer um negócio não é nada fácil. Ainda mais no Brasil, com toda sua complexidade e burocracia, carga tributária, poucos incentivos ao pequeno empresário e inúmeros outros aspectos conhecidos por qualquer um que já tenha se aventurado a empreender em nosso país. Por isso, não é de se espantar que apenas 40% dos negócios sobrevivem após cinco anos. E olha que estamos falando de um período pré-pandemia – dados do IBGE de 2017.

Além das dificuldades e incertezas, inerentes ao cenário no qual a companhia está inserida, falhas na condução dos negócios são, obviamente, fatores importantes para o insucesso de muitos deles. Por isso, ter um planejamento estratégico muito bem desenhado é fundamental para mitigar grande parte dos erros comumente cometidos.

A boa notícia é que desenhar um plano estratégico não é tão complexo como se imagina. E, neste artigo, alguns detalhes serão evidenciados sobre o método que tem dado certo. A definição do plano em si não requer grandes conhecimentos, além daqueles que o empreendedor já possui (ou deveria possuir).

É fundamental que o dono do negócio preocupe-se com sua proposição de valor, que está relacionada ao propósito da empresa e quais resultados espera atingir; com a geração de valor, ou seja, com sua oferta (o que seu produto ou serviço entrega para o cliente e que gera valor para ele); e “como vencer?”, que está relacionado ao “como” fazer, ou seja, refere-se à estrutura e ao modelo de operação necessários para gerar o valor esperado. No fundo, o planejamento estratégico é tão bom quanto sua habilidade de fazer algo melhor que sua concorrência, e/ou ocupar um espaço que sua concorrência não ocupará.

Para isso, desenvolvemos um framework, conjunto de melhores práticas, métodos e ferramentas, que o empresário pode utilizar para construir seu próprio plano estratégico. Nosso framework é dividido em quatro etapas:

A primeira delas é a conceituação, momento em que se discute e se compreende os seguintes aspectos: objetivos do negócio; objetivos dos sócios, pois podem impactar o curso da companhia; o que a empresa é e tem hoje versus o que se espera que ela seja ou tenha no futuro, além dos motivadores estratégicos.

Depois vem a fundamentação, em que se estabelece hipóteses e caminhos para executar o conceito (definido na etapa anterior), que passa por: ter clareza sobre as capacidades e competências que a empresa tem, e aquelas que não tem; delimitar as iniciativas associadas aos caminhos estratégicos e às competências; entender e ajustar os modelos de governança e gestão.

Em seguida, o planejamento, que é a criação do plano de ação, bem como estabelecer ferramentas e indicadores que permitam mensurar e, se necessário, calibrar o andamento das ações de acordo com o ponto de chegada que se pretende alcançar. Nesta etapa, entra a definição de prioridades; definição das iniciativas e recursos associados a elas; definição dos principais KPIs; detalhamento do modelo de governança.

E, por fim, o detalhamento, que foca no desdobramento do plano tático e operacional. Para cada prioridade, o executivo deve estabelecer prazos e responsáveis; fazer a modelagem financeira que comporte a execução das iniciativas, de acordo com os recursos necessários; definir mapa de Indicadores, métricas e metas e implementar o modelo de governança e gestão.

É óbvio que além do framework outros aspectos fazem com que tenhamos bastante sucesso na implementação deste tipo de trabalho com nossos clientes: o primeiro e, sem dúvidas, o mais importante é a nossa experiência e habitualidade em desenvolver projetos como este; o segundo é que, para cada etapa acima descrita, temos um conjunto de ferramentas que nos auxiliam nas definições e, posteriormente, no acompanhamento e gestão da execução.

No entanto, de posse do framework compartilhado neste texto, é possível construir seu próprio planejamento estratégico e ter “um mapa” do seu negócio, no qual consta sua posição atual, onde espera-se chegar e o caminho a ser percorrido.

Julian Tonioli

Engenheiro, sócio-fundador da Auddas.

Bruno Ruy

Formado em Ciência da Computação pela USP e sócio da Auddas Digital.

Artigos Relacionados

Nacional-trabalhismo: conflitos e o Estado Novo

Por Pedro Augusto Pinho.

O Rio de Janeiro e os eventos

Por Bayard Do Coutto Boiteux.

Não à violência

Por Isaac Roitman.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Exportações de suco de laranja recuam 23% entre julho e dezembro

Safra menor e estoques mais elevados estão entre as principais razões para a baixa.

Os desafios para Joe Biden nos EUA

Avanço da Covid-19 pode fazer com que democrata e equipe tenham que apagar alguns incêndios no começo do mandato.

Mercados sobem em véspera do Copom

Campos Neto, presidente do BC, participa da primeira sessão da reunião do Copom.

Mercados locais sobem seguindo Bolsas mundiais

Dia amanhece com tendência de alta para o mercado interno, seguindo NY na volta do feriado.

Contra tudo temos vacina

Dia promete ser de mais recuperação da Bovespa, dólar fraco e juros em queda.