30.1 C
Rio de Janeiro
sexta-feira, janeiro 15, 2021

PLANOS DA PETROBRAS NO EXTERIOR

Parceria com a Noruega
Expansão internacional do refino e central petroquímica na América Latina
Ao detalhar a estratégia para o exterior da Petrobras, no plano de 2008/2012, o diretor da área Internacional, Néstor Cerveró, confirmou a parceria da estatal com a norueguesa Statoil. O diretor viaja nessa terça-feira para integrar a comitiva do presidente Lula que está agora na Finlândia e tem a Noruega como seu próximo destino.
“Eu ainda não posso falar muito, porque o acordo está elaborado, mas ainda não foi assinado. Nós temos uma ótima relação com a Statoil. Esse acordo é um acordo amplo, envolve também contratos ligados ao biodiesel”, adiantou o diretor, sem dar mais detalhes.
Já na Dinamarca, país que também faz parte dos países a serem visitados pelo presidente Lula, Cerveró explicou que se trata de um acordo mais governamental, e portanto a Petrobras não está diretamente envolvida. “Essas negociações seriam, em princípio, mais ligadas ao governo. O acordo começou a ser encaminhado quando o primeiro ministro da Dinamarca visitou o Brasil no início deste ano”, explicou o diretor.
Com relação às notícias divulgadas sobre a intenção do governo equatoriano de renegociar um contrato com a Petrobras, no campo de Palo Azul, Cerveró disse que a estatal ainda está aguardando o posicionamento do governo do país. Segundo ele, até o momento, a companhia não havia sido comunicada de nada.

Central de petroquímica

Dentre as estratégias da Petrobras está a expansão do refino no exterior, o que inclui aquisição de ativos já existentes. Confirmando o interesse da estatal em comprar refinarias fora do Brasil, Cerveró limitou-se a dizer que alguns ativos estão sendo negociados e que não poderia citar o nome dessas empresas por questões estratégicas.
A área chamada de RTCP, que compreende as atividades de refino, transporte, comercialização e petroquímica, receberão investimentos de US$ 3,7 bilhões entre 2008 e 2012. De acordo com o diretor, está em avaliação a construção de uma central petroquímica na América Latina. Cerveró adiantou que o orçamento para a área petroquímica no plano divulgado é de US$ 200 milhões, o que seria destinado à expansão de plantas já existentes, possivelmente na Argentina. No caso, a central petroquímica na AL exigiria uma reformulação do plano de investimento, já que exigiria investimentos muito maiores.
A intenção, nesse caso, é de que a unidade tenha sinergias com as operações da Petrobras nos países em que atua, seguindo a linha da companhia de investir no setor petroquímico. O diretor não informou qual país receberá o investimento em questão, mas adiantou tratar-se de um plano de longo prazo, que deverá ser vislumbrado apenas no final do período previsto, ou seja 2012.
O diretor adiantou também que o empreendimento será em sociedade com “outro ou outros grupos nacionais do setor petroquímico”. Segundo Cerveró, a Petrobras não definiu ainda qual será o peso de sua participação.

Argentina

Do total a ser investido no exterior, os EUA ficaram com a maior parte (US$ 4,9 bilhões). Em segundo lugar, ficou a Argentina, seguida da Nigéria, Angola entre outros. Indagado quanto à estratégia da Petrobras para a Argentina, tendo em vista as questões políticas que levaram à redução do preço do diesel, o diretor ressaltou que qualquer plano terá que levar em conta o cenário atual.
Ele não quis confirmar se há interesse em adquirir os ativos da Exxon, que está saindo do país. Afirmou apenas que o motivo da saída da concorrente não é apenas o preço do diesel, o que significa que o negócio poderia ser interessante para outras empresas. Até 2012, a Petrobras investirá US$ 2,8 bilhões.

Artigo anteriorDedo duro
Próximo artigoCadê os piauienses?
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.

Vendas no varejo surpreenderam negativamente

Surpresa foi tanto no quesito restrito (-0,1%) e no quesito ampliado (+0,6%).

Freio de arrumação

Sabe quando o ônibus está lotado e o motorista pisa fundo no freio? Logo abre espaço para mais gente entrar.

Lewandowski assume tarefa do ministro da Saúde

Supremo quer saber dos estados estoque real de agulhas e seringas.