Planos, seguradoras e convênios retêm 20% do faturamento de empresas do setor de saúde

Em 2017 foram retidos R$ 331 milhões por convênios, planos de saúde e seguradoras e outros R$ 100,8 milhões foram...

Em 2017 foram retidos R$ 331 milhões por convênios, planos de saúde e seguradoras e outros R$ 100,8 milhões foram glosados, embora tivessem sido previamente autorizados. As distorções constatadas atingiram 87% dos integrantes da  Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde (Abraidi) ouvidos na pesquisa "O ciclo de fornecimento de produtos para a saúde no Brasil”, com dados sobre a retenção de faturamento e glosas, ambas praticadas por planos de saúde.
Os números foram encaminhados nesta sexta-feira à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) pelo presidente da Abraidi, Sérgio Rocha, e pelo diretor executivo da entidade, Bruno Bezerra. Eles tiveram um encontro com os diretores da ANS de Desenvolvimento Setorial, Rodrigo Rodrigues de Aguiar, e de Normas e Habilitação de Produtos, Simone Sanches Freire. Os dados da pesquisa também foram entregues, recentemente, à presidente da FenaSaúde, Solange Mendes, que se disse surpresa com os números. Tanto a FenaSaúde como a ANS não se manifestaram sobre o assunto, apesar da entrega da pesquisa ter sido agendada com antecedência pela própria Abraidi.  
Segundo Sergio Rocha, os dados mostram que “existe uma glosa linear de cerca de 20%, sem qualquer critério, apenas para postergar os pagamentos”. O resultado da pesquisa também foi entregue, recentemente, a presidente da FenaSaúde, Solange Mendes, que se disse surpresa com os números. 
A retenção de faturamento é quando uma fonte pagadora, após a realização de uma cirurgia também previamente autorizada, não permite o faturamento dos produtos consumidos, postergando assim o pagamento. Pela pesquisa, convênios, planos de saúde e seguradoras demoraram, em média, 68 dias para autorizar o faturamento.
"Somente depois do faturamento autorizado é que correm os 90 dias para pagamento. Em 29% dos casos, o distribuidor de produtos para a saúde demorou 180 dias para receber de convênios, planos de saúde e seguradoras", lembra Sérgio Rocha, citando a pesquisa realizada pela Associação, ao longo do ano passado e tabulada em 2018.
“Não queremos brigar com convênios, planos de saúde e seguradoras, mas precisamos de uma solução definitiva. Essas distorções provocam um verdadeiro 'cabo de guerra', entre os players do setor. Não dá mais para seguir assim. O objetivo do levantamento é traçar um raio-x do segmento, jogar luz no problema e, juntos, encontrarmos uma solução comum”, defendeu o presidente da Abraidi.
A Abraidi representa hoje cerca de 310 fabricantes, importadores e distribuidores de produtos para saúde e tem como pilares a ética e a transparência, promovendo ações que tornem o setor mais sustentável e, as associadas, referências no mercado de saúde.
Em 2006, foi uma das primeiras entidades do setor a lançar um Código de Ética e Conduta, agora em sua 3ª edição e, em 2015, em parceria com o Instituto Ethos, criou o Ética Saúde – Acordo Setorial dos Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos, mecanismo de autorregulação da conduta dos signatários, que se tornou instituto independente, a partir de 2016, e conta com a participação e colaboração da Abraidi no seu Conselho Consultivo.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

PF investiga fraudes no Postalis

Operação apura lavagem de dinheiro e corrupção no fundo de pensão dos Correios.

Plano de assinatura garante um smartphone novo todo ano

A parceria une o propósito da Samsung de trazer inovação a cada lançamento - desta vez oferecendo sua terceira geração de smartphones - e...

Seguro de auto, pago em até 12 vezes no cartão

Com a primeira medida, além de trazer comodidade, a Zurich remete a conceito de seguro “por assinatura”. Já as novas coberturas oferecem benefícios...

Últimas Notícias

Hospital Icaraí prepara expansão com mais de 130 leitos de internação

Objetivo das reformas é melhorar ainda mais a agilidade de exames e o atendimento dos pacientes.

Ansiedade: distúrbio tão pandêmico quanto o coronavírus

Remédios produzidos à base de cannabis têm se mostrado uma alternativa viável e mais eficiente.

Investimento direto da China no exterior cai 4,3% em oito meses

O investimento direto no exterior (ODI, na sigla em inglês) não financeiro da China atingiu 459,71 bilhões de iuanes nos primeiros oito meses do...

CVM quer dispensar registro para investidor não residente

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) colocou em audiência pública esta semana uma proposta de alteração da Resolução CVM 13, que reúne as regras...

Ratings de empresas de saneamento não sofrerão impactos imediatos

A crise hídrica no Brasil terá reflexos em diversos segmentos da sociedade. Mas os ratings das empresas brasileiras de saneamento básico avaliadas pela agência de classificação...