Plataforma muda a forma de se fazer empréstimos entre pessoas

Mutual cria oportunidade para investidor lucrar como um banco

Na onda das inovações dos serviços financeiros a Mutual chegou para revolucionar os empréstimos pessoais no Brasil. A fintech que começou a operar em fevereiro deste ano, já alcançou a marca de mais 2000 empréstimos e mais de R$ 3 milhões emprestados, tudo isso através de um aplicativo.

A plataforma conecta quem precisa de dinheiro e quem quer lucrar com investimentos diversificados, proporcionando rendimentos de até 60% ao ano, ou até 10x mais do que outras aplicações, como poupança, Selic ou Certificado de Depósito Bancário (CDB).

A Mutual oferece benefícios para ambos os interessados. Os tomadores conseguem fazer uma solicitação em poucos minutos, totalmente online, com simplicidade, agilidade e juros menores do que em outras instituições financeiras. O pedido dele fica ativo por 15 dias no marketplace até que algum investidor se interesse.

“Na Mutual o investidor é quase como um banco. Antes, somente instituições financeiras lucravam (e bem alto) com essa modalidade de investimento. Hoje, qualquer pessoa, por meio da Mutual, pode emprestar dinheiro legalmente e receber juros. O investidor, além de auferir juros maiores do que investimentos mais usuais nos bancos, também ajuda pessoas comuns a alcançarem seus objetivos”, comenta Leonardo Rebitte, CEO da Mutual.

 

Leonardo Rebitte: investidor aufere juros maiores do que investimentos nos bancosOs investidores contam com informações providas pelos tomadores, um score de crédito, que vai de A e E, que é baseado na sua capacidade de pagamento.

Todo o processo é realizado por meio de algoritmos que avaliam mais de 400 fontes de informação e consulta o Sistema de informação de crédito do Banco Central (SCR) onde é verificado limites nos bancos; dívidas pagas (cartão de crédito, cheque especial e etc), além de verificar se aquela parcela que ele quer pagar, é compatível com sua capacidade de pagamento.

 

Seguro – A Mutual não garante as operações, mas provê inúmeras ferramentas não apenas para que a análise da oportunidade de investimento seja a melhor possível, como também possui ferramentas para que ocorra renegociações dos pagamentos entre o tomador e o investidor, além de oferecer a possibilidade de cobranças administrativas e judicial, através de empresas parceiras , aumentando assim as chances do investimento ocorrer sem inadimplência.

“A Mutual não faz o julgamento se um empréstimo é potencialmente ruim ou bom, mas nossa função é prover as melhores ferramentas e estimular para que potenciais tomadores de empréstimos provejam as informações mais relevantes para a melhor análise possível do risco de cada empréstimo”, diz Marciliano Freitas, um dos fundadores da empresa.

“Nosso modelo de negócios é interessante porque não somos apenas uma plataforma de empréstimos. Atuamos como um conector entre quem precisa de valores para melhorar suas vidas e, na outra ponta, quem deseja ajudar, de alguma forma, na realização desses sonhos e ainda ter maior rendimento que aplicações comuns, explica Rebitte.

 

Futuro – A startup carioca cresce a um ritmo acelerado e está próxima ao break even. E os números impressionam: nos dois primeiros meses de operação, sem qualquer investimento relevante de marketing, a Mutual cadastrou mais de 1.100 investidores que já emprestaram cerca de R$ 200 mil, com um retorno médio de 53% a.a., e que continuam a aumentar o montante emprestado a cada novo dia.

A Mutual cresce atualmente 8 mil usuários por mês e a meta é atingir a marca de R$10 milhões em empréstimos concedidos ainda esse ano, impactando mais de 100 mil pessoas, entre tomadores e investidores.

Para o ano que vem está previsto a entrada de pessoas jurídica como Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FDICs) para investir dentro do aplicativo, o que promete alavancar ainda mais o crescimento da plataforma.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

B3 muda selo de certificação para corretoras e bancos

A B3 unificou os 5 diferentes selos de certificação de qualidade dos serviços prestados por corretoras e bancos. A bolsa paulista entende que este...

Copom ignora recessão e eleva juros para 9,25%

Alta em tão curto período só é comparada aos meses de especulação após eleição de Lula.

Conversa com investidor: JSL (JSLG3)

Por Bruno Komura, Ouro Preto Investimentos.

Últimas Notícias

Câmara rejeita ‘PL antiterrorismo’

A Câmara dos Deputados rejeitou nesta quarta-feira a urgência para votar o Projeto de Lei (1595/19) que cria uma polícia política que permite ao...

Programa AceleraD’Or de Mentoria entra em fase decisiva

Em fase decisiva para a escolha das 10 empresas participantes do projeto, o Programa AceleraD’Or de Mentoria, patrocinado pela D’Or Consultoria, teve repercussão positiva...

Aconseg-RJ mostra um 2022 promissor para as assessorias

Em reportagem especial da edição, os executivos confirmam a rápida resposta do setor e sua adequação aos tempos de desafios que foram superados com...

Inovação em Seguros concederá NFTs a vencedores

Uma das novidades do Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga de Inovação em Seguros, promovido pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNseg), será a concessão...

Anbima projeta taxa de juros em 11,75% em 2022

A taxa de juros deve voltar a dois dígitos no início do próximo ano e chegar em 11,75% no mês de maio, de acordo...