Plataforma P-70, na Bacia de Santos, alcança capacidade de projeto

A P-70, localizada no campo de Atapu, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos, atingiu em 12 de julho sua capacidade de projeto de 150 mil barris por dia, com a contribuição de apenas quatro poços produtores, em pouco mais de um ano após a entrada em produção, informou nesta sexta-feira a Petrobras.

Segundo a estatal, o resultado confirma a “excelente produtividade dos reservatórios do campo” e reflete a atuação eficiente e competitiva da Petrobras para maximizar o potencial dos ativos, promovendo mais retorno para a empresa e para a sociedade através da geração de empregos e pagamento de impostos

A P-70, plataforma própria, é o quinto FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo e gás) da série dos replicantes e possui capacidade para tratar até 6 milhões de m³ de gás natural. A unidade opera a cerca de 200 km da costa do estado do Rio de Janeiro, em lâmina d’agua de 2.300 m. “Com elevada performance operacional, esta unidade instalada no campo de Atapu segue contribuindo para o crescimento da produção no pré-sal, que se torna cada vez mais relevante para a Petrobras”, ressalta a companhia em comunicado.

Jazida

A Petrobras iniciou a produção de petróleo e gás natural da jazida compartilhada de Atapu em 25 de junho de 2020, por meio da plataforma P-70, na porção leste do pré-sal da Bacia de Santos.

A jazida compartilhada de Atapu compreende os campos de Oeste de Atapu, Atapu e uma parcela de área não contratada da União. A Petrobras detém 89,257% dos direitos da jazida em parceria com Shell Brasil Petróleo Ltda (4,258%), Total Energies EP Brasil Ltda (3,832%), Petrogal Brasil S.A (1,703%) e PPSA, representando a União (0,950%).

O início da operação da P-70 foi autorizado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Segundo a Petrobras, a P-70 é a primeira plataforma a entrar em operação no âmbito da Atividade de Produção e Escoamento de Petróleo e Gás Natural do Polo Pré-Sal da Bacia de Santos – Etapa 3.

O processo de licenciamento ambiental Etapa 3 tem como escopo a implantação de 12 novos navios‐plataformas, que poderão operar na Bacia de Santos por aproximadamente 30 anos, além de 11 empreendimentos que produzirão óleo e gás em um período de curta duração (entre 6 e 12 meses). Esses projetos ficam localizados nos campos de Atapu, Búzios, Itapu, Lula, Mero, Sépia, Sul de Sapinhoá e Sururu, além das áreas de Júpiter e Sagitário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Hospital Icaraí prepara expansão com mais de 130 leitos de internação

Objetivo das reformas é melhorar ainda mais a agilidade de exames e o atendimento dos pacientes.

Ansiedade: distúrbio tão pandêmico quanto o coronavírus

Remédios produzidos à base de cannabis têm se mostrado uma alternativa viável e mais eficiente.

Retomada do terminal de Regaseificação de GNL no Ceará

A Petrobras publicou, nesta sexta-feira, a convocação para o processo de acesso excepcional ao Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito de Pecém, no...

Últimas Notícias

Jovem baixa-renda é mais requisitado para voltar a trabalho presencial

Quanto menor a renda familiar, maior o percentual; brasileiros de 18 a 25 anos somam 42% das contratações temporárias no primeiro semestre.

Formbook afetou mais de 5% das organizações

Capaz de capturar credenciais e registrar digitação de teclado, malware figurou em segundo lugar no ranking mensal do país.

Sauditas liberam exportação de carne de unidades de Minas

De acordo com o Ministério da Agricultura, autoridades do país suspenderam o bloqueio de cinco plantas de carne bovina mineira.

Comerciários do Rio têm aumento

Já em São Paulo, emprego no comércio registra a maior alta mensal desde novembro de 2020.