Pobres ricos

O dia seguinte à vitória de José Serra trouxe uma má notícia para os (muito) ricos de São Paulo. O governo estadual anunciou que os proprietários das seis Ferraris registradas em São Paulo vão pagar, cada um, R$ 50 mil de Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2005. O cálculo do imposto foi baseado no valor venal (de venda) do modelo 575/Maranelo F1, que sai a R$ 1,25 milhão. Já o IPVA mais barato será cobrado  do proprietário de um Fiat/Panorama, ano 1985, R$ 49,44, para um valor de mercado de R$ 1,236 mil.

Raio X americano
A recessão que atingiu os Estados Unidos no fim da década passada se refletiu mais fortemente nas famílias latinas e negras, segundo estudo do instituto de pesquisa Pew Hispanic Center, de Washington. Segundo o levantamento, baseado em dados oficiais, entre 1999 e 2001 o patrimônio médio de negros e hispânicos caiu 27%, enquanto o dos brancos experimentou aumento de 2%.
A média dos salários de hispânicos e negros é de dois terços do recebido por brancos, no entanto, em 2002 a média dos bens das famílias brancas era de US$ 88.651, 11 vezes mais que a dos hispânicos (US$ 7.932) e 14 vezes maior do que a das famílias negras (US$ 5.988).

Ao Deus dará
Segundo o estudo, entre 1996 e 2002, 36% dos latinos e 32% dos negros não tinham patrimônio, enquanto nas famílias brancas apenas 13% estavam na mesma situação. Essas proporções não se alteraram no começo do estudo. O instituto considera como bens casa, automóvel, saldo bancário e ações. Os pesquisadores observam que, diante da sua fragilidade econômica, situações como desemprego ou problemas de saúde tornam ainda mais difícil a vida de negros e latinos: “Muitos estão vivendo no limite. Eles não têm proteção financeira e isso torna mais difícil a recuperação”, disse o autor do estudo, Rakesh Kochhar, em entrevista à revista eletrônica Salon e reproduzida pelo site do Fórum Social Mundial (www.planetaportoalegre.net).

Ranking dos cucarachos
O estudo também põe em xeque o mito do “sonho norte-americano” de trabalhar e enriquecer, mostrando que ele não é realidade para a maior parte dos imigrantes. O patrimônio de famílias de imigrantes é, em média, um terço do das famílias norte-americanas. As oriundas da América Central têm os patrimônios mais modestos: apenas US$ 2.508, em média. Os mexicanos ocupam posição intermediária (US$ 7.602) na lista que é encabeçada pelos cubanos, cujos bens chegam, em média, a US$ 39.787.

Fábricas de diplomas
O nível dos profissionais despejados no mercado de trabalho pelos cursos de Comunicação Social do país preocupa os já jornalistas. O presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Sérgio Murillo, defendeu em audiência com o ministro da Educação, Tarso Genro, no último dia 21, que o MEC reavalie a qualidade dos cerca de 300 cursos de Jornalismo existentes no Brasil e decrete moratória por seis meses para autorizar o funcionamento de novos cursos. As duas propostas foram  aprovadas no último congresso da categoria.

Bens pessoais
Um sócio não pode ser responsabilizado pessoalmente por qualquer obrigação tributária da sociedade. Esta é a interpretação do advogado Ricardo Vollbrecht, da Kümmel e Kümmel Advogados Associados, que conseguiu, com ação na 21ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, cancelar a penhora realizada sobre bens particulares do sócio de uma indústria de Porto Alegre. A Fazenda estadual, sem conseguir cobrar da sociedade, moveu execução fiscal contra sócio, que já havia se retirado da empresa há cinco anos. Segundo Vollbrecht, o Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, também tem negado a execução de bens pessoais na cobrança de dívidas tributárias.

Vade retro
Cinqüenta e um por cento dos empresários paulistas não querem saber de empréstimos bancários. O resultado consta de pesquisa realizada pelo Sebrae, em janeiro passado. A principal razão da recusa, apontada por 24% dos entrevistados, não é a falta de necessidade de capital de giro ou para ampliar os negócios, mas a impossibilidade de pagar os salgados juros praticados pelos bancos no governo dos ministros Henrique Meirelles e Antônio Palocci.

Artigo anteriorVade retro
Próximo artigoConectados
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.