Pochmann: Brics é oportunidade para uma nova ordem mundial

Na abertura do Fórum Empresarial, Xi pede cooperação ganha-ganha.

O mundo vê uma ordem internacional anacrônica à que emergiu da Guerra Fria em 1991, observa o professor e economista Marcio Pochmann, acrescentando que conflitos na Europa, a saída da Inglaterra, e a invasão do Congresso americano durante a transição do governo Trump para o governo Biden são problemas que a ordem internacional previamente estabelecida já não oferece respostas adequadas.

Em entrevista ao Diário do Povo Online, o economista avalia que a experiência ocidental de cooperação a partir dos países mais ricos, com o grupo G7, que posteriormente avançou para G20, não tem oferecido resultados adequados.

Uma ampliação gradual do Brics (bloco que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) é a oportunidade de construir uma “nova ordem internacional com bases diferentes”, disse ele. Pochmann lembrou que a criação do bloco se deu em 2009, quando se enfrentava uma crise financeira de grande proporção, e a ação dos países do Brics proporcionou apoio mútuo no enfrentamento do problema financeiro de impacto mundial.

Pochmann acredita que a experiência de cooperação e regulação pode ser ampliada, com um olhar voltado para o contexto internacional, amplamente vinculado ao conhecimento, à internet e ao progresso tecnológico. Ele destacou também a criação do Banco dos Brics.

“Foram poucas experiências que conseguiram de certa maneira superar a visão interna e oferecer um horizonte de cooperação mais amplo para outros países”, disse Marcio ao jornal chinês, acrescentando que o papel do Brics vai além de olhar para o conjunto de países e seus problemas, é “ter um olhar mais amplo para o mundo”.

Nesta quarta-feira teve início o Fórum Empresarial do Brics. O presidente chinês, Xi Jinping, participou da cerimônia de abertura online e fez um discurso pedindo que os integrantes abracem a solidariedade e expandam a cooperação ganha-ganha. A China, em seguida, sedia a 14ª Cúpula do Brics. Página

Leia também:

Brics se reúnem esta semana em oposição a tensão mundial

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Viagens tiveram queda de 41% entre 2019 e 2021

Dados são da Pnad Contínua Turismo 2020-2021, do IBGE; já as corporativas superaram R$ 1 bi em faturamento em maio deste ano.

Regulador divulga primeiro balanço sobre o 5G em Portugal

No final do primeiro trimestre, já havia 2.918 estações de rede 5G espalhadas por 198 cidades (64% das cidades)

Está mais fácil comprar carro na China

Vendas no varejo de veículos de passageiros atingiram 1,42 milhão de unidades durante o período de 1 a 26 de junho

Últimas Notícias

Viagens tiveram queda de 41% entre 2019 e 2021

Dados são da Pnad Contínua Turismo 2020-2021, do IBGE; já as corporativas superaram R$ 1 bi em faturamento em maio deste ano.

Ovo aumentou 202,13% acima da inflação oficial

Pesquisa do IBPT analisou o preço de 40 produtos, entre março de 2020 e maio de 2022.

Exterior misto deve acrescentar volatilidade nos negócios locais

Nesta quarta, dólar também ganha força ante moedas emergentes e ligadas a commodities, o que deve pressionar o real.

BNDES: R$ 317,2 milhões nos aeroportos de Mato Grosso

Ao todo serão investidos R$ 500 milhões nos quatro aeroportos, com participação de 65% do BNDES

Fintechs emprestaram mais de R$ 12 bi em 2021

Crédito é quase o dobro do ano anterior, diz pesquisa da ABCD e PwC Brasil