Poder público só se faz presente na base do pancadão

Responsabilidade deve ser cobrada de Covas, Doria, Bolsonaro e antecessores.

O poder público é um ilustre ausente de Paraisópolis (como também de Heliópolis, Rocinha e centenas de outras). Marcar presença, através da PM, com a Operação Pancadão é garantia de desastre (ou massacre, como classifica o órgão dos direitos humanos do governo paulista), como o que ocorreu neste final de semana. Não se trata de buscar culpados, mas de cobrar responsabilidades. É estas recaem sobre prefeito e governador, cargos atualmente ocupados por Bruno Covas e João Doria Jr., ambos do PSDB.

Não se trata de responsabilidade isolada. É compartilhada com seus antecessores, anos de descaso com planejamento urbano, transportes, segurança, serviços públicos, política de trabalho e distribuição de renda. Por isto, também, a conta recai sobre o Governo Federal, hoje chefiado por Jair Bolsonaro.

Deixar o problema para ser resolvido pela Polícia Militar e suas ações cotidianas de pancadaria só poderia ter o desfecho que não se limita aos nove jovens mortos, mas a toda série de agressões de que são vítimas todos os brasileiros, morem eles nas favelas ou fora delas. Agora, agravado pelo discurso de “atire primeiro e arranje uma desculpa qualquer depois”.

Apenas como exercício de comparação, alguém imaginaria um desastre como o de Paraisópolis ocorrendo no Rock in Rio ou no Lollapalooza?

 

Ciência e desenvolvimento

O projeto “Ciência gera Desenvolvimento” homenageia o geógrafo Milton Santos. O Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) se uniu à Academia Brasileira de Ciências (ABC), que criou o projeto em 2007 para produção de vídeos curtos de animação sobre a vida e obra de cientistas brasileiros.

A série já contava com três vídeos: sobre a engenheira agrônoma Johanna Döbereiner, cujo trabalho sobre bactérias fixadoras de nitrogênio foi crucial para que o Brasil se tornasse o segundo maior produtor de soja do mundo; sobre o médico Marcos Luiz dos Mares Guia, que criou um método para produzir insulina humana e fez do Brasil o líder dessa produção; e sobre o almirante Álvaro Alberto da Mota e Silva, primeiro presidente da ABC e do CNPq.

Professor da UFRJ e diretor de Comunicação do Idor, Stevens Rehen acredita que há uma necessidade de estabelecer novos canais de comunicação com a sociedade, para dar mais visibilidade à ciência nacional. “A expectativa é que o público jovem descubra a importância do desenvolvimento científico nacional”, afirma. A animação sobre Milton Santos e os outros vídeos estão disponíveis aqui.

 

Prática

O consultor Luiz Affonso Romano abriu vagas para mais uma turma de seu curso presencial de Formação de Consultores em São Paulo, em 5 e 6 de dezembro. O objetivo do curso é a capacitação e o aprimoramento de profissionais da área, já atuantes ou em princípio de carreira, além de executivos em busca de redirecionamento de vida e trabalho que desejam migrar para a consultoria.

O curso busca valorizar a experiência prática, por meio de exposições dialogadas, debates, estudos de casos e exercícios em grupos, prevendo e resolvendo os reais problemas, apontando oportunidades, tendências e sugerindo posturas que propiciem a venda e a implementação eficaz dos serviços de consultoria. Inscrições aqui.

 

Ceia vegetariana

Com alta do dólar, encarecendo o bacalhau, e da carne (8% de aumento no IPC-S), restarão na ceia natalina o arroz, as passas e a farofa.

 

Rápidas

Daniela Colla e Marília Baracat, do escritório Di Blasi, Parente & Associados, participam do Café Empreendedor, no Rio, e debatem práticas de compliance para startups, nesta terça, às 9h, na Fábrica de Startups. Inscrições aqui *** FGV Ibre lançará nesta quarta o Observatório da Produtividade, portal que apresentará, trimestralmente, números atualizados da produtividade do trabalho *** A sul-africana Aspen Pharma oficializou este ano seu Programa de Diversidade e Inclusão (D&I). A filial brasileira é pioneira ao contratar a primeira colaboradora transgênero, através de uma parceria com a TransEmpregos *** Ricardo Cavalcanti Ribeiro promove mutirão para implante de 160 pares de próteses mamárias apreendidas pela Receita, doadas à Fuvest e entregues ao médico. As inscrições podem ser feitas no Hospital Gaffrée e Guinle, no Rio de Janeiro, de 4 a 11 de dezembro.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Receita: brasileiros movimentaram R$ 127 bi em criptomoedas em 2020

O subsecretário de Fiscalização da Receita Federal, Jonathan de Oliveira, disse, nesta quarta-feira em audiência na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara...

Elevar Selic para 7,75% será eficaz no combate à inflação?

Analistas prevêem taxa de 11% em maio de 2022.

Carteira da massa falida do Banco Cruzeiro do Sul

Por Antonio Pietrobelli.

Vencimento de título corrigido pela Selic puxa queda da Dívida Pública

O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal...

Quase 80% pretendem fazer compras no período da Black Friday

Varejo eletrônico gasta mais com publicidade para a data do que para o Natal.