Polícia de Minas analisa amostras recolhidas de cervejaria

Laudos ficarão prontos nos próximos dias; polícia diz que supervisor da empresa registrou boletim de ocorrência por crime de ameaça.

Empresas / 10:35 - 13 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Polícia Civil de Minas Gerais informou ontem que os peritos do Instituto de Criminalística trabalharam durante todo o sábado na análise de amostras de cerveja recolhidos na cervejaria Backer na última quinta-feira. Os laudos ficarão prontos nos próximos dias.

As autoridades suspeitam de que lotes de cervejas produzidas pela fábrica mineira podem ter sido contaminadas pela substância dietilenoglicol e intoxicado consumidores. Já chega a 10 o número de casos suspeitos da síndrome nefroneural, notificados desde 30 dezembro.

Exames acusaram a presença da substância dietilenoglicol no sangue de ao menos três pacientes internados. Uma pessoa morreu, no dia 7 de janeiro, em Juiz de Fora, e os outros nove continuam em tratamento.

Tóxico, o dietilenoglicol costuma ser usado em sistemas de refrigeração devido a suas propriedades anticongelantes. Exames realizados pelo Instituto de Criminalística comprovaram a presença da substância em amostras da cerveja pilsen Belorizontina, da Backer (lotes L1-1348 e L2-1348), que foram recolhidas nas residências de pacientes internados.

Embora o dietilenoglicol possa ser usado também no processo de refrigeração de cervejas, a Backer garante que não o utiliza em nenhuma etapa do processo de fabricação de seus produtos. A Polícia Civil não descarta nenhuma possibilidade de investigação, inclusive sabotagem.

De acordo com a polícia, um supervisor da empresa registrou boletim de ocorrência por crime de ameaça, em 19 de dezembro de 2019, após um funcionário ter sido demitido, mas a pessoa não voltou à delegacia para dar continuidade à ação penal.

 

Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor