Política de Macri dá prejuízo ao Brasil

Crise na Argentina faz exportações de cidades brasileiras caírem até 47%

A crise econômica que assola a Argentina por conta da política recessiva imposta pelo governo do presidente Maurício Macri vem prejudicando seriamente os municípios brasileiros que mais exportam para o país vizinho.

Nove dessas dez cidades têm registrado quedas consecutivas em suas operações. Em alguns casos, as exportações caíram quase pela metade, aponta reportagem do site Brasil de Fato.

Entre janeiro e maio deste ano, as exportações do município de Goiana (PE) diminuíram 47%, em comparação com o mesmo período do ano passado. Só as vendas para a Argentina caíram 62%.

A cidade está na lista dos dez municípios que mais venderam para os argentinos em 2018, somando US$ 511 milhões em remessas. E cerca de 70% do que Goiana exportou no ano passado teve como destino a nação presidida por Macri, que é o terceiro na lista de parceiros comerciais do Brasil.

Mesmo com diminuição de 30% das vendas para o país platino, Taubaté (SP) é o único município da lista que conseguiu manter o saldo positivo de exportações.

São Bernardo do Campo, localizada na região metropolitana de São Paulo, lidera as vendas para o país vizinho, em valores brutos. Mas, entre janeiro e maio de 2019, a cidade reduziu 69,1% das exportações para a Argentina – quando comparado com o mesmo período do ano passado.

A cidade é um dos principais polos da indústria automotiva no país, com fábricas de empresas como a Mercedes, Toyota e Volkswagen. Cerca de 32% do que a cidade exporta vão para o mercado argentino.

Em um cenário de maior dependência, a cidade de Porto Real (RJ) destinou quase 92% de toda sua remessa ao exterior à Argentina em 2018. As exportações para o país diminuíram de US$ 226,8 milhões, de janeiro a maio do ano passado, para US$ 90 milhões nos cinco primeiros meses deste ano, o equivalente a uma queda de 60%. Isso teve impacto de uma redução de 40% nas exportações totais da cidade fluminense.

Artigos Relacionados

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

BC chinês injeta liquidez no mercado

banco central da China injetou dinheiro no mercado monetário em julho para atender à demanda das instituições financeiras por liquidez. 100 bilhões de iuanes...

Produtos plásticos aumentaram exportação na pandemia

No início de 2020, setor também enfrentou alguns problemas como falta de insumos, mas exportação atualmente está crescendo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

EUA: 3,5 milhões de despejos

Mais de 3,5 milhões de norte-americanos estão ameaçadas de despejo poucos dias após o término da prorrogação da medida de proteção aos inquilinos inadimplentes...

STF dá prazo para Bolsonaro explicar bloqueio de jornalistas

O presidente da República terá 10 dias para explicar o bloqueio de jornalistas em seu perfil no Twitter. O prazo foi estipulado pela vice-presidente...

Bolsonaro descarta tributar grandes fortunas

A possibilidade de instituir imposto sobre grandes fortunas, tabelamento de preços ou aumento de carga tributária no Brasil foi descartada nesta segunda-feira pelo Jair...

Só 3,5% das empresas têm mulheres como CEO

BR Rating ouviu 486, sendo 57% de capital nacional e 43% multinacionais Apenas 3,5% das corporações têm mulheres atuando como CEOs, uma prova de que...

Brasil pode ser principal player para investimentos verdes

“Atualmente, estima-se R$ 30 bilhões em gestão de títulos verdes no país, com grande potencial de crescimento, frente a US$ 1 trilhão de recursos...