Ponte Salvador-Itaparica sai com lance de R$ 56,2 milhões

Consórcio vencedor é formado por empresas da China e de Luxemburgo.

Mercado Financeiro / 19:31 - 13 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Empresas da China e Luxemburgo formam o consórcio, representado pela corretora Santander, que venceu nesta sexta-feira, na B3, o leilão da Ponte Salvador-Ilha de Itaparica ao propor receber outorga anual de R$ 56.209.450,00 pela Parceria Público-Privada (PPP) dos serviços de construção, operação e manutenção do respectivo sistema rodoviário. Os vencedores serão responsáveis pela construção da ponte Salvador-Itaparica. O início da construção da ponte está previsto para janeiro de 2021.

O consórcio vencedor é formado pelas empresas China Railway 20 Bureau Group Corporation (CR20), CCCC South America Regional Company e China Communications Construction Company Limited (CCCC Ltd). O leilão foi promovido pela Secretaria de Infraestrutura do Governo do Estado da Bahia.

A Parceria-Público-Privada (PPP) é de 35 anos. O consórcio tem um ano para elaborar o projeto, conseguir as licenças necessárias e fazer as contratações financeiras. Depois, serão mais quatro anos de obra e 30 anos de concessão.

 

Pedágio
 

Apresentado em setembro na Câmara de Vereadores de Salvador, o projeto prevê a implantação de pedágio. Os motoristas de carro terão que pagar R$ 45 e os de moto R$ 22,50. O preço cai pela metade se for um bate e volta, ou seja, se o retorno for em até 24h. O valor da outorga corresponde ao valor máximo de contraprestação a ser paga pelo governo da Bahia estabelecido no edital (http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/negociacao/leiloes/licitacoes-e-alienacoes).

De acordo com informação da B3, o consórcio terá cinco anos para construir e iniciar a operação da ponte que liga os municípios da região metropolitana de Salvador. Além disso, fará a gestão e a administração do trecho durante o período de 30 anos após a implantação. A obra vai contribuir para o desenvolvimento do turismo, indústria, logística e urbanização do território baiano e a expectativa é gerar sete mil empregos diretos.

Este projeto significa mais emprego, renda e qualidade de vida para nosso povo. Vamos continuar trabalhando não só para a construção da ponte, mas também para o desenvolvimento ambientalmente sustentável das cidades que compõem a ilha de Itaparica, o Recôncavo e o Baixo Sul do estado”, comentou o governador da Bahia, Rui Costa.

Segundo o governador, este é o maior projeto de infraestrutura realizado no Brasil nos últimos anos e que vai ajudar a mudar o perfil econômico de regiões importantes da Bahia. A obra vai mudar o patamar de desenvolvimento do estado, elevando o índice de renda e de empregabilidade da população. Também não tenho a menor dúvida ao afirmar que a ponte representará um grande crescimento de investimento imobiliário numa das áreas mais bonitas do Brasil.

 

Projeto

 

A ponte integrará o Sistema Viário do Oeste, que compreende a construção dos acessos à ponte em Salvador (por túneis e viadutos) e em Vera Cruz, com a ligação à BA-001, junto com uma nova rodovia expressa, e a interligação com a Ponte do Funil, que também será revitalizada. O governo calcula que, com a execução do projeto, 100 mil postos de trabalho serão gerados em 30 anos.

Além da construção da ponte, o projeto do sistema rodoviário inclui a implantação dos acessos à ponte em Salvador, por túneis e viadutos, e em Vera Cruz, com a ligação à BA-001, junto com uma nova rodovia expressa e a interligação desta com a Ponte do Funil, também na BA-001. Orçado em R$ 5,34 bilhões, com aporte de R$ 1,51 bilhão do governo da Bahia, o projeto terá impacto direto e indireto em pelo menos 250 municípios do estado.

A ponte, que será a segunda maior da América Latina, tem 12,4 km de extensão e beneficiará 4,4 milhões de habitantes nas regiões metropolitana de Salvador, baixo sul e litoral sul baiano.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor