População brasileira ou minoria especulativa

Por Pedro Augusto Pinho.

A substituição do presidente da Petrobras, anunciada dia 19, colocou a nu a manipulação que as finanças, nacionais e estrangeiras, cometem na pouco volumosa Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa).

Os grandes capitais sempre buscam os mercados mais fracos, onde as manipulações são mais fáceis e podem render maiores ganhos, além de melhores controles. Isto ocorre em todo mundo, não só em bolsas de valores e de mercadorias, como na fixação de preços de referência em contratos.

Temos como exemplo o pouco negociado petróleo ANS (produzido no Alasca), em relação ao WTI ou ao Brent, negociados nas bolsas de Nova York e Londres. Qual preço o caro leitor imagina que uma refinadora da costa oeste estadunidense escolherá como referência contratual? O manipulável ANS ou o muito negociado Brent?

Por todo mês de fevereiro, até surgir como boato a troca do Roberto Castello Branco, as ações da Petrobras na Bovespa movimentaram, em nove dos 13 pregões, menos de R$ 1,83 bilhão/dia, oscilando os preços entre R$ 27 e R$ 29. E foi das ações mais negociadas.

A partir de 18/2 até 26/2, a menor movimentação foi R$ 3,80 bilhões (24/2) tendo atingido, no dia chave da notícia (segunda-feira, 22/2), 25% do movimento total, ou seja, R$ 10,82 bilhões.

No quadro que segue, das ações da Petrobras, a mais negociada (PETR4), fica clara a manipulação que os analistas amestrados, defensores dos especuladores e inimigos dos brasileiros, disseram ser o governo contra o investimento no país, ou contra o mercado (que mercado?).

DATA

ABERTURA (R$)

FECHAMENTO (R$)

VOLUME TOTAL (R$ bilhões)

18/2

30,38

29,27

3,15

19/2

28,03

27,33

5,98

22/2

22,80

21,45

10,82

23/2

23,05

24,06

6,89

24/2

24,55

24,40

3,80

25/2

25,00

23,19

4,12

26/2

23,20

22,24

3,59

Veja que curioso, nos dias 18 e 19 foram negociados R$ 9,13 bilhões, na segunda-feira, 22/2, R$ 10,82 bilhões, e no restante da semana (23 a 26) R$ 5,11 bilhões na média. Para esta ação que rarissimamente negociara, no mesmo mês de fevereiro, R$ 2 bilhões/dia até então, e, na média diária, de 1º até 17/2, tivera volume total de R$ 1,88 bilhão.

Claras estão duas conclusões. A primeira, mais geral e ampla, que as movimentações na Bovespa nada têm a ver com a economia e muito menos ainda com as perspectivas de investimento, emprego e renda no Brasil.

Segundo, que a iniciativa privada no Brasil, nestes últimos anos, passou a ser meramente especulativa. Os investimentos de risco desapareceram como o empreendedor brasileiro.

A bem da verdade, não só brasileiros, mas de qualquer nacionalidade. Desde os anos 1980, quando as finanças passaram a dominar os poderes nacionais no ocidente, nenhum investimento foi realizado sem a presença majoritária do Estado. Isso vale para os Estados Unidos da América (EUA), para o Reino Unido, para a Alemanha unificada e, principalmente, para os países que mais se desenvolveram: a Rússia e a China.

Estamos, salvo em poucos países ou sociedades, regredindo ao início do século XX. É curioso notar que há 100 anos, o mundo iniciava um processo de desenvolvimento, que não dependia de ideologia: nele estavam os capitalismos liberal e totalitário e o socialismo. Economistas franceses de meado do século XX denominaram o período de 1945 a 1975 dos “30 anos gloriosos”, pois o país cresceu e distribui riqueza; havia emprego, havia lucro e renda. Hoje, só há concentração da renda financeira.

Foi com a derrota do financismo colonial inglês, na I Grande Guerra, que surge o novo poder econômico, social e político do industrialismo. Este será o condutor das duas potências que disputarão a ideologia dominante: capitalista e socialista. Mas, no capitalismo, as finanças buscam reconquistar seu poder, com campanhas ecológicas, conservadoristas, lançando no mundo industrial, principalmente petroleiro, as mazelas da civilização. Também difundindo uma liberdade individual, extrema, que a própria sociedade financista não aceitará, e terá como vitrine o movimento de maio de 1968, em Paris.

As mudanças que retiraram poder dos ganhos do trabalho (salários), dos lucros (produção) e concentraram nas especulações financeiras o poder – desregulações dos governos Thatcher e Reagan – construíram a sociedade de hoje, onde a farsa é a comunicação de massa, e os engodos, as propagandas financeiras.

Precisamos voltar a olhar para o Brasil, para os ganhos nacionais, pois os financeiros não trazem benefícios para o povo brasileiro.

 

Pedro Augusto Pinho é administrador aposentado.

Leia mais:

Reforma Tributária: miríade de alíquotas

A importância de conhecer os direitos e deveres

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Nova Guerra Fria

Por Edoardo Pacelli.

Hiroshima

Por Paiva Netto.

Dicas para planejar a aposentadoria

Por Bruno Martins.

Últimas Notícias

Uma em cada quatro pessoas não paga todas as contas no mês

Inflação muda comportamento dos brasileiros, mostra pesquisa da CNI.

Mercado financeiro reduz projeção da inflação de 7,15% para 7,11%

Esta é a sexta redução consecutiva da projeção, diz BC.

Real pode se beneficiar da queda do dólar ante moedas emergentes

Em NY, os índices futuros acionários operam no positivo, assim como as principais Bolsas europeias; alta também na Ásia.

Dia dos Pais: shoppings preveem crescimento de 16% nas vendas

Setor deve movimentar R$ 4,4 bilhões entre os dias 8 e 14 de agosto.