‘Populistas’ de esquerda são campeões na redução da desigualdade

Uma pesquisa sobre líderes populistas conduzido pelo Team Populist, rede de acadêmicos que trabalhou em conjunto com o jornal britânico The Guardian, encontrou um, digamos, efeito colateral: países liderados por esses presidentes e primeiros-ministros obtiveram significativa redução na desigualdade.

E, apesar de os cientistas sustentarem que esse efeito ocorreu com populistas de direita e de esquerda, os dados da pesquisa mostram que a diminuição da desigualdade se deu entre governos mais progressistas – mesmo aqueles que não são incluídos entre os populistas, como o de Lula (2003–2010) e Cristina Kirchner (2008–2015), que obtiveram resultados inferiores apenas aos do “centrista” peruano Alan Garcia (2006–2011), classificado como “um pouco populista”.

Isso era contrário do que eu esperava”, disse David Doyle, professor-associado da Universidade de Oxford, que liderou a análise. “Talvez eu tenha sido influenciado por anos de pesquisa que nos diz que o populismo é ruim.”

A chave pode estar em entender o que os acadêmicos classificam como populismo. Os pesquisadores examinaram 720 discursos proferidos por 140 líderes de governo em 40 países (entre eles, os oito mais populosos das Américas e os sete maiores europeus), nos últimos 20 anos, e “pontuaram” cada um deles com base na medida em que usaram a retórica populista – basicamente, o uso de uma retórica que enquadra a política como uma luta entre a vontade virtuosa do povo comum e uma má e conspiradora elite.

A coluna arriscaria uma definição menos rebuscada: são taxados como populistas aqueles líderes que não seguem integralmente o figurino neoliberal, desde aqueles com discurso anti-imperialista até os que se apegam à retórica xenófoba.

O certo é que os líderes que obtiveram melhores resultados na redução da desigualdade foram aqueles com maior preocupação social, identificados pelos pesquisadores como “de esquerda” (os acadêmicos incluíram Barack Obama entre entes, mas sem resquícios de populismo). Os “populistas” com melhor desempenho foram o boliviano Evo Morales (2006–2009), o equatoriano Rafael Correa (2009–2013) e… sim, Hugo Chávez (1999–2012).

Entre os “populistas de direita”, apenas Antonio Saca, de El Salvador, conseguiu reduzir a desigualdade. Erdogan (Turquia) e Silvio Berlusconi (Itália), que mereceram igual classificação, obtiveram resultados modestos na luta contra a desigualdade. Na Hungria de Viktor Orbán, houve piora nos indicadores.

Mesmo em momentos históricos semelhantes, os governos progressistas conseguiram reduzir mais a desigualdade. No mesmo período em que Hugo Chávez obteve bons resultados, no início do século XXI, Atal Bihari Vajpayee levou a Índia a patamares piores.

Ah, no Governo Obama, a desigualdade nos EUA aumentou um pouco. E, nos 20 anos englobados pela pesquisa, o número de “populistas” dobrou. Mais detalhes em theguardian.com/world/2019/mar/07/revealed-populist-leaders-linked-to-reduced-inequality

 

Viés de baixa

O Federal Reserve (Fed) vai reduzir as taxas de juros se o rendimento dos bônus de dez anos ficar abaixo de 2,4%, preveem os analistas da Moody’s.

 

Movido pela ideologia

Para entender melhor o que significa abrir mão de prerrogativas de país em desenvolvimento para poder ingressar na OCDE: o Brasil passará a ter acesso a excelentes estatísticas sobre o quanto perdeu no comércio internacional.

 

Rápidas

Sob o tema “Mulheres Criativas”, o curso de Publicidade da Universidade Veiga de Almeida (Campus Tijuca) promove palestra em parceria com a Bravi (Brasil Audiovisual Independente). O encontro, que abre espaço para debater a indústria criativa, acontecerá no próximo dia 3, às 9h30, e faz parte do Circuito Icab Campus. Inscrições: [email protected] *** Na próxima segunda-feira, a partir das 14h, a Comissão de Direito Internacional da OAB/RJ realizará o evento “Os desafios da democracia no mundo globalizado”. O ex-ministro de Direitos Humanos Paulo Vannuchi fará a palestra principal. Às 16h30, a advogada da AGU Aline Albuquerque lança o livro Capacidade Jurídica e Direitos Humanos. Será na Avenida Marechal Câmara, 150, 4º andar *** A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) realiza a cerimônia de posse da diretora Flávia Perlingeiro no próximo dia 29, às 11h, na sede da autarquia, no Rio de Janeiro.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Imposto maior sobre corporações poupa ricaços

Piketty calcula que tributação sobre grandes fortunas poderia render 10 vezes mais.

Governo quer reduzir indústria naval a desmonte de ferro-velho

Deputados cobram a utilização e a inovação do parque industrial instalado no Rio.

Juntar 2 meses e meio de auxílio para comprar cesta básica

Não só a pandemia, mas inflação é ameaça às pretensões de Bolsonaro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Emirados Árabes e Líbano compraram arroz do Brasil em março

Segundo associação do setor, os dois países estiveram entre os destinos internacionais do arroz brasileiro no mês passado.

Indústria tenta se recuperar no primeiro trimestre

Setor de bebidas se destacou no trimestre, com 53,8% de crescimento no período e 16,7% no acumulado de 12 meses.

China produzirá 3 bilhões de vacinas até fim do ano

Sinovac, que produz a Coronavac, promete entregar 2 milhões de doses.

Rio aumenta incentivo para cultura e esporte

Restituição do ICMS aumenta para 2% e 0,5% .

TCU relata abuso de poder no combate a Covid-19

Relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), concluído em abril, mostra que o governo alterou documentos para se eximir da responsabilidade de liderar...
Monitor Mercantil