Por que me persegues, Bolsonaro?

Por Felipe Pena.

Opinião / 17:29 - 7 de ago de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Quem és tu na fila do pau de arara, capitão? Um Fleury com baba de poodle ou um Médici na sombra do guarda da esquina? Querias matar 30 mil e já triplicastes a meta. Querias o genocídio indígena e aproveitas a pandemia. Querias o fim da floresta amazônica, e teu ministro vai passando a boiada. E agora queres o meu silêncio, minha cumplicidade, meu aceno de Jarbas Passarinho. Não, não conseguirás colocar mordaça em quem te denuncia, capitão.

Quem és tu para me incluir numa lista de inimigos do Estado? Achas mesmo que somos apenas 500 antifascistas no serviço público? Achas que não sabemos que ser antifascista é um dever cívico diante da tua necropolítica? Achas que um relatório sigiloso, produzido nos porões do teu Dops particular, servirá para nos intimidar?

Se queres me torturar, mostra a tua cara nesta gaiola das loucas. Não te escondas por trás do ministro que abana o rabo. Não te acovardes na saia do diversionismo. Não afunde o nariz na lama dos perdigotos que te bajulam. Venha aqui e me encare, capitão! Ou és tu a real fraquejada de que tanto te envergonhas?

O artigo 4.42 da Nota Técnica 1556/2020 da CGU, publicada em 29 de julho, diz que “a divulgação em mídia social de manifestação de indignação com superiores é exemplo de conduta que não se identifica com a consecução dos deveres legais do servidor.” Pois esta carta é o registro da minha indignação. Quando baterás à minha porta, capitão? Mandarás o cabo e o soldado? Ou serei alvo das milícias de tua família? Que covardia tu escolherás?

A nota da CGU vem na esteira do relatório secreto do Ministério da Justiça com a lista de 500 funcionários públicos identificados como antifascistas. Censura sem disfarce, inconstitucional e imoral. Seu objetivo, claro e preciso, é continuar a intimidação dos servidores.

Sei que não lestes a nota, capitão. Não saberias o significado da palavra “consecução”. Tampouco conseguirias acompanhar um texto de nove páginas. Mas isto não te livra da canalhice feita em teu nome. Se estás com tanto medo de um professor, precisarás de fraldas para encarar as togas do Tribunal de Haia. Sou antifascista, capitão. Toda a constituição é antifascista. E quando pergunto por que me persegues, a resposta é coletiva. Ela está inscrita nas ideias dos outros 499 nomes que me acompanham na tua lista de inimigos.

Chama-se democracia.

Felipe Pena

Jornalista, professor e escritor.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor