Porcaria

Quando o acrônimo Pigs (Portugal, Itália, Grécia e Espanha, no original em inglês) apareceu pela primeira vez, em 2008, na coluna “Lex” do jornal britânico Financial Times, para juntar num único grupo os países que seriam a bola da vez da crise, provocou duras reações, não só de governos, como o então ministro da Economia de Portugal, Manuel Pinho, como de integrantes do mercado financeiro. Criador da sigla Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), o economista chefe do Goldman Sachs, Jim O”Neill, por exemplo, classificou Pigs de “muito rude”: “Apesar de gostarmos dos nosso acrônimos na Goldman Sachs, pensamos que, atualmente, é muito rude e nós não descrevemos esses países como Pigs”, afirmou O”Neill.

Porcaria 2
Ano passado, o Barclays Capital chegou a avisar a seus analistas que a expressão deveria ser banida dos relatórios da instituição. Em menos de um ano, porém, o Pigs virou Piigs, com o acréscimo da Itália ao clubes das nações de economia cambaleante e um a um todos os países foram rebaixados pelas agências classificadoras de risco, atitude que aprofundou a crise interna e externa, apesar do triste papel desempenhado por estas na crise de 2008. Ou seja, a “porcaria” se confirmou

Mãe
Malgrada a promessa de que a saída do Estado do setor liberaria recursos públicos substanciais para outras áreas, desde a privatização das telecomunicações, em 1998, o BNDES já repassou R$ 29 bilhões às teles, a maioria estrangeiras de origem estatal. A última agraciada foi a Vivo, contemplada com R$ 3 bilhões em dinheiro público subsidiado. Imaginem se, no exterior, os governos fossem tão generosos com empresas brasileiras interessadas em disputar seus mercados com as companhias locais.

Carona
O estrondoso silêncio de grande parte da imprensa carioca sobre o escandaloso monopólio concedido pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes, à Fetranspor, no transporte via frescão até o Rock in Rio, por escandalosos R$ 35, diz muito mais sobre a pluralidade e a independência desse tipo de jornalismo do que duas dezenas de resoluções do PT sobre monitoramento da mídia.

Superação
Nesta sexta-feira, será a pré-estreia do documentário Roubando Ofício, terceiro episódio da série Majestades Anônimas. A obra, que narra a história do artista plástico uruguaio Ademar Berois, radicado no Brasil desde a década de 1960, mostra como superou as dificuldades da infância pobre, tornou-se campeão de luta greco-romana no Uruguai, veio para o Brasil e virou escultor. O início será às 20h30m, na Cinemateca Brasileira (Largo Sen. Raul Cardoso 270, Vila Mariana, São Paulo).

Demanda
Embora favorável à volta da Glass-Steagall, lei de 1933 que impedia os bancos comerciais dos EUA de atuarem como bancos de investimento, Luiz Fernando de Paula, presidente da Associação Keynesiana Brasileira (AKB), pondera que será a demanda e não a Glass-Steagall que vai alavancar o investimento produtivo: “A idéia era evitar que a crise em determinado segmento contaminasse outros. Poderia resolver problema de regulação, mas não forçaria os bancos a emprestar. Prefiro a alternativa defendida por Joseph Stiglitz (Nobel de Economia), para quem o melhor seria pagar a conta de quem está devendo, em vez de socorrer os bancos.”

Onda forte
Quanto ao Brasil, De Paula avalia que dependerá do desdobramento da crise: “Não será a “marolinha” de Lula, mas também não será o maremoto de 2008. Haverá impacto sobre fluxos de capitais e comércio no momento em que apresentamos sinais de desaceleração, ao contrário de 2008. Daí prognósticos para o PIB estarem sempre diminuindo”, lembra o presidente da AKB.

Artigo anteriorRock em greve
Próximo artigoNo alvo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É a saúde (além da economia), estúpido!

Vacinação e estímulos à economia andam juntos; Brasil fica para trás em ambos.

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.