Porta do aeroporto

Pessimista quanto ao futuro de um Brasil cada vez mais “invertebrado” – definição que usa para o baixíssimo nível educacional e cultural vigente no país – o economista Reinaldo Gonçalves, professor de Economia Internacional da UFRJ, tem aconselhado seus alunos a “não colocar pedras na mochila”. Segundo Gonçalves, isto significa evitar ter filhos e outros compromissos que possam atrapalhar na hora de sair do Brasil por falta de perspectivas.

Roto
A exemplo do ministro Luís Roberto Barroso, que toma posse no Supremo Tribunal Federal (STF) avisando não ser pautado “nem por governo, nem imprensa, nem opinião pública, nem acusados”, a presidente Dilma não deveria ser pautada nem por imprensa financista nem por agências de classificação de risco, que exigem novas concessões aos rentistas.
Afinal, em matéria de credibilidade, a Standard & Poor’s (S&P), que, agora, ameaça reduzir o rating do Brasil, está muitos “furos” abaixo até da medíocre política econômica brasileira. E, antes de dar satisfações à S&P, Dilma deveria esperar a agência resolver o processo a que responde nos Estados Unidos, onde é acusada pelo governo de fraude civil por sua atuação antes do estouro da crise global, em 2008, quando era pródiga em distribuir classificações “AAA” para empresas e bancos, que, ao primeiro estalo, foram à bancarrota ou foram salvos pelo dinheiro do contribuinte estadunidense.

Transparente, mas incompreensível
Desde esta segunda-feira, os consumidores saberão na nota fiscal o quanto pagam de impostos em cada produto ou serviço comprado, segundo determina a Lei 12.741/12. Na opinião do diretor do Sindicato das Empresas Contábeis do Rio (Sescon-RJ), Lúcio Fernandes, a lei é um importante canal de transparência para o consumidor. Porém, pode confundir ainda mais a cabeça do cidadão. “A melhor saída seria simplificar nossas regras tributárias para depois adotar essa lei. A complexidade do sistema tributário brasileiro torna incompreensível para o cidadão comum nuanças como o regime de substituição tributária”, critica o especialista. Tão confuso é o quadro que o governo já acena com adiar por um ano a punição a quem não cumprir a lei.

Para quê?
De acordo com o professor e coordenador do Centro de Macroeconomia Aplicada da Escola de Economia da FGV-SP, Emerson Marçal, a inflação não deve alcançar o teto da meta de 6,5% no final deste ano. “A inflação deve fechar o ano entre 5,5% e 6%. Os alimentos reduziram a pressão sobre o índice”, disse, após a divulgação, semana passada, do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo IBGE, indicador oficial de inflação, que ficou em 0,37% em maio, ante 0,55% em abril.
O resultado mostra que a inflação é menor do que pintavam, e a campanha por juros altos visava a forçar o governo a seguir a trilha mais neoliberal, delineada pelos tucanos, além de garantir a alegria dos bancos e dos rentistas.

Coimbras
Zico recebe dia 18 o diploma Cristo Redentor, da Assembléia Legislativa do Rio (Alerj). No mesmo dia, também por iniciativa do deputado Paulo Ramos, Eduardo Antunes Coimbra, o Edu, irmão de Zico, recebe o título de Benemérito do Estado do Rio de Janeiro.

Passeio pelo mundo
Ainda no dia 18, às 19h, o professor Bayard Boiteux inaugura na Galeria da UniverCidade (Av. Epitacio Pessoa1.664, Lagoa, RJ) a exposição de fotos Visões Turísticas. São 50 fotos de Portugal, Espanha, Dubai, Grã Bretanha, Malásia, Singapura e Brasil.

CTI
O líder da bancada do PSOL na Câmara dos Deputados, Ivan Valente (SP), protocolou, quinta-feira, requerimento para criar CPI dos Planos de Saúde. O objetivo é investigar denúncias de irregularidades no setor. Segundo Valente, das reclamações que chegam à Justiça, em 88% dos casos, o ganho de causa é dado ao consumidor, o que, para  deputado, comprova que as operadoras descumprem obrigações contratuais. O parlamentar critica ainda o fato de os processos contra as operadoras demorarem até 12 anos para serem julgados.
 

Artigo anteriorPrivatizar é…
Próximo artigoMaravilhosa e cara
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Privatização da Eletrobras aumentará tarifa em 17%

Estatal dá lucro e distribuiu R$ 20 bi em dividendos para a União.

Dois mitos sobre a Petrobras

Mídia acionada pelo mercado financeiro abusa de expedientes que ataca quando usados por bolsonaristas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.