Porto seguro

     
          Ao responder pergunta ingênua de uma repórter durante a coletiva de apresentação do resultado do banco no primeiro semestre, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, acabou mostrando porque os bancos privados não querem financiar o investimento produtivo no país: “O que inibe o crédito privado é que o grosso da captação está ancorada no curto prazo e na liquidez imediata. O Brasil precisa evoluir nesta questão.”
Só faltou dar o nome à tal liquidez sem risco e que paga os maiores juros do mundo: os títulos da dívida pública.

Dobro de seguidores
Quase 93 milhões de usuários visitaram o Twitter em junho, 109% mais que no mesmo mês de 2009, informa a empresa de estatísticas comScore. Por regiões, a América Latina teve o maior crescimento de audiência, 305%, alcançando 15,4 milhões de usuários. A região da Ásia e do Pacífico ficou em segundo, alta de 243%, para 25,1 milhões de visitantes. Em números absolutos, superou a América do Norte e passou a ser a região com maior número de usuários.
A região África/Oriente Médio deu um salto de 142%, para 5 milhões de visitantes, enquanto a Europa teve um aumento de 106%, para 22,5 milhões de visitantes. A América do Norte teve crescimento de 22%, para quase 25 milhões de visitantes.

Brasil em segundo
A maior penetração do sistema é na Indonésia, onde 20,8% de usuários da Internet visitaram o Twitter, seguida pelo Brasil, com 20,5%.

Chávez em terceiro
O terceiro país em que o Twitter tem mais difusão é a Venezuela, com o crescimento parcialmente fomentado, segundo a comScore, pelo fato do presidente venezuelano Hugo Chávez ter decidido juntar-se ao site no final de abril. Dezenove porcento dos internautas venezuelanos frequentam o site de mensagens curtas.

Motivação
Aperfeiçoamento profissional é o tema do encontro Motivação e Superação – Dia da Excelência Empresarial, nesta quinta-feira, no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova, Rio de Janeiro. A programação do evento, que conta com apoio da Artsoft Sistemas, está em www.iappeventos.com.br

Gol contra
A não transmissão do primeiro jogo da seleção brasileira depois da Copa do Mundo, e o primeiro em que foi dirigida pelo técnico Mano Menezes, pela TV Globo expôs, mais uma vez, as consequências deletérias do monopólio dos meios de comunicação. Embora o principal locutor da emissora tenha admitido que a partida gerara expectativa ímpar, a Globo, que, na semana anterior, alterara sua grade de programação para exibir São Paulo x Internacional pelas semifinais da Copa Libertadores da América, para esvaziar o debate dos presidenciáveis da Band, desta vez restringiu a transmissão a sua emissora a cabo, privando milhões de brasileiros de verem sua seleção jogar. Não por acaso, a organização a que pertence foi uma das que mais reclamaram do fim do monopólio do Grupo Clarín sobre a transmissão de jogos do campeonato argentino.

Gol contra II
O protocolar, burocrático e tardio pedido de desculpas do presidente da Gol, Constantino de Oliveira Júnior, reafirma o pouco apreço que a voadora dedica a seus clientes. Além de insistir em fazer pouco da inteligência alheia, culpando programas de computador pelo cipoal de atrasos e cancelamentos impostos aos passageiros, Oliveira Júnior, apontou o número de reclamações – 99 – e o total de acordos – 47 – para minimizar os transtornos causados pela voadora. Na verdade, a pouca magnitude das reclamações em relação ao total de prejudicados diz muito mais sobre o conceito que os brasileiros têm sobre o funcionamento da Justiça tupiniquim do que sobre a satisfação com os serviços do duopólio da aviação.

Jornalismo de resultados
A não ser que se acredite que jornalões conservadores resolveram, enfim, criar editorias sindicais, os generosos espaços abertos para denúncias de sindicalistas contra a Petrobras atendem por um nome: partilha. Desde que o governo Lula anunciou a troca do sistema de concessão para o de partilha na exploração do petróleo e que a estatal será a principal operadora do novo modelo, setores inconformados com a mudança passaram a exibir preocupações ecológicas e trabalhistas, até então, inauditas.
     
     

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorUma nota só
Próximo artigoOs sem-petróleo

Artigos Relacionados

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Lei determina que estatais respeitem interesse público

Acionistas da Petrobras sabem que ela tem obrigações e bônus por ser de economia mista.

Últimas Notícias

Português é o idioma mais procurado para trabalhos em NY

De acordo com o Instituto Camões, a língua portuguesa é a quarta mais falada no mundo, com 260 milhões de pessoas.

Metrô: Estação Presidente Vargas vai se chamar Saara

PL segue para segue para o governador Cláudio Castro, que tem 15 dias para sancionar ou vetar.

Mais um evento no Rio

Expectativa é receber cerca de mil empresas do setor de supermercados.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues