Potencial econômico da costa marinha brasileira

BNDES e Marinha começarão mapeando os litorais de RS, SC e PR

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Marinha do Brasil iniciaram nesta terça-feira o cronograma de trabalho para a elaboração dos estudos que irão fundamentar o Planejamento Espacial Marinho (PEM). O banco acredita que este estudo vai permitir que o país conheça de fato a vocação econômica de toda a costa brasileira, uma região que compreende uma extensão de cerca de 5,7 milhões de quilômetros quadrados. Será um importante passo para o desenvolvimento econômico, preservação ambiental e também para a soberania nacional.

Em reunião da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), que contou com a presença do comandante da Marinha, Almirante Garnier, e do presidente do BNDES, Gustavo Montezano, ficaram definidos os primeiros passos para a elaboração do material, sua adequação à legislação e sua conformidade com compromissos assumidos pelo país em 2017 durante a Conferência Internacional dos Oceanos. Na ocasião, o Brasil se comprometeu a implantar o PEM em toda sua costa até 2030.

O Planejamento é considerado o grande “motor propulsor” da economia azul de um país, na medida em que provê, simultaneamente, a segurança jurídica, indispensável aos investidores; a geração de empregos e de divisas para o Estado costeiro. Apenas para ter ideia da importância desta região, o espaço marítimo mundial é responsável pela produção de 50% do oxigênio que respiramos, 25% da captura de CO2, trânsito de mercadorias (95% do comércio) e comunicações (cabos de internet).

Ativos importantes

“A parceria do BNDES com a Marinha brasileira e os demais ministérios para o planejamento espacial marinho ilustra de forma clara o potencial que o Brasil tem para explorar de forma sustentável os seus ativos ambientais. O BNDES já se posicionou e tem vários produtos e exemplos claros da importância da economia verde. Depois da onda da economia verde, a próxima onda será a da economia azul. O Brasil está efetivamente se tornando um líder neste mercado de forma global. E isto requer articulação, governança, vontade política, planejamento, preparo, estudo e projeto.”

Conforme o acordo de cooperação assinado com a Marinha, o BNDES irá financiar os estudos na modalidade não reembolsável e também cuidará de seu alinhamento junto a setores impactados, academia e sociedade em geral. A primeira fase terá custo de cerca de R$ 5 milhões, de um total de R$ 30 milhões para que o estudo alcance toda a costa brasileira.

O PEM entregará dez cadernos setoriais com informações e mapas de interesses atuais e futuros para o país nos temas: pesca industrial, pesca artesanal, agricultura, exploração de petróleo e gás, mineração, navegação e portos, segurança e proteção, turismo, energias renováveis, e meio ambiente. Além disso, também serão feitos mapas de restrições legais, mapa de habitats, entre outros.

De acordo com o cronograma, a primeira etapa consistirá em iniciar as bases do PEM sobre a Região Marinha Sul do Brasil, que abrange os estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. A escolha se deu por critérios técnicos definidos pela CIRM: trata-se de uma região de fronteira onde já há pleitos de utilização do espaço para geração de energia eólica offshore; cinco portos estabelecidos (Rio Grande, Itajaí, Navegantes, São Francisco do Sul, Paranaguá); forte atividade pesqueira; além ser corredor relevante de migração de espécies marinhas do Atlântico Sul.

O banco, junto à Comissão, deve coordenar o alinhamento entre os 16 ministérios interessados. A estimativa é que os estudos sejam concluídos em um prazo de até 36 meses, com a entrega dos cadernos temáticos de dez setores econômicos nos primeiros 12 meses.

Leia também:

BNDES financia aeroportos no Nordeste e assume risco

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

Últimas Notícias

China emite 3,32 trilhões de yuans em títulos do governo local

Os governos locais da China emitiram mais de 3,32 trilhões de yuans (cerca de 494,8 bilhões de dólares americanos) em títulos nos primeiros cinco meses deste ano, mostram os dados do Ministério das Finanças nesta quinta-feira.

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.