Pra frente, Brasil

O custo dos estádios para a Copa do Mundo da África do Sul será quase duas vezes maior que os R$ 2,15 bilhões previstos. O Portal 2014 (www.copa2014.org.br) publicou números que mostram que as obras sairão por R$ 4,15 bilhões, segundo números oficiais das províncias que sediarão a Copa. Os cinco estádios construídos especialmente para o Mundial foram os principais atores do estouro, responsáveis por 75% do total investido nas arenas.
Na Alemanha, os 12 estádios somaram gastos de R$ 3,32 milhões, aumento de 50% em relação à previsão inicial. Para 2014, o governo brasileiro jura que as obras ficarão em R$ 5,342 bilhões. Ou seja, pode-se esperar gastos de pelo menos R$ 15 bilhões.

Promover o desenvolvimento
O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, promete estar presente ao encerramento do seminário Regulamentação do Artigo 192: Desenvolvimento e Cidadania. Se comparecer, será um estranho no ninho. O evento, realização do Ipea e o Sindicato Nacional dos Funcionários do BC (Sinal), discutirá propostas de regulamentação do sistema financeiro nacional conforme previsto na Redação da Emenda Constitucional (EC) 40 de 2003.
De acordo com a redação dessa emenda, lembram os organizadores, “o sistema financeiro nacional, estruturado de forma a promover o desenvolvimento equilibrado do país e a servir aos interesses da coletividade, em todas as partes que o compõem, abrangendo as cooperativas de crédito, será regulado por leis complementares que disporão, inclusive, sobre a participação do capital estrangeiro nas instituições que o integram.” Ou tudo o que o BC evita fazer.
O seminário será dias 29 e 30 de abril, no auditório da Fecomercio em São Paulo (Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 3º andar, Bela Vista)

“Jogos da Paz”
Definir as ações e responsabilidades para a realização dos Jogos Mundiais Militares, que serão realizados no Rio de 16 a 24 de maio de 2011, é o objetivo da segunda reunião do Comitê Executivo dos jogos, nesta terça-feira. Os participantes da reunião visitam algumas instalações esportivas e as Vilas Militares, que abrigarão os 6 mil atletas de 110 países.

Economia pelo ralo
Em 2009, o nível de investimento do Município do Rio de Janeiro foi o menor da década, com apenas R$ 400 milhões, uma queda de mais de 50% em relação ao ano anterior, que foi de R$ 843 milhões, segundo dados retirados da prestação de contas do município e apresentados pela vereadora Clarissa Garotinho. “Infelizmente alguns gestores preferem “economizar” no começo do mandato para gastar em ano de eleição, ou no final do mandato, com obras faraônicas, esquecendo o principal: o bom funcionamento da cidade. Quem perde é a população”, critica a vereadora, lembrando o caos gerados pelas fortes chuvas na cidade.

DOC
As exportações de vinho da França para o Brasil cresceram 183,04% em quatro anos. Um dos motivos foi a ofensiva dos produtores da região de Sud de France. Hoje, cerca de 30 importadores brasileiros compram o vinho de lá. Uma delegação de produtores da região chega ao Brasil na próxima terça-feira para participar da 14ª Expovinis, a principal feira de vinhos do país, em São Paulo, de 27 a 29 de abril. Na pauta, o lançamento do Club Sud de France na capital paulista (no Rio foi lançado no ano passado), com a presença do chef Roland Villard. Hoje, a França é o quinto exportador de vinhos para o Brasil, porque o custo médio, inflado pelos impostos inexistentes para o produto importado do Mercosul, é quase duas vezes superior à concorrência: cerca de US$ 60 a caixa de seis garrafas de vinho tinto.

Falta de comunicação
Moradores de um condomínio na Zona Portuária do Rio de Janeiro reclamam que a Nextel recusa-se a ouvi-los sobre o problema causado por uma antena instalada – da operadora – ao lado de uma igreja tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Como a antena é um objeto estranho à construção original, a Prefeitura do Rio não libera o habite-se. A questão foi parar na Justiça, mas técnicos em telefonia ouvidos por moradores afirmam que bastaria a operadora recuar a antena poucos metros no mesmo terreno para resolver o problema com o Iphan.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorNovos paradigmas
Próximo artigoDéficit de credibilidade

Artigos Relacionados

É urgente a revogação da PPI

Federação do Fisco taxa PEC de Bolsonaro de eleitoreira.

Olavo de Carvalho, quem diria, já escreveu no MM

Críticas à ‘Nova Ordem Mundial’, ‘Globo’, ‘Time’ e Garotinho.

Commodities voltam a subir e ameaçam inflação

Brasil dependerá, mais que nunca, do comportamento do real frente ao dólar.

Últimas Notícias

Prazo para Apresentação do 3º Ciclo da Oferta Permanente

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) informou nesta quinta-feira que todas as empresas inscritas interessadas em participar do 3º Ciclo...

Governo aposta na abertura do mercado de gás natural em Rondônia

O governo acredita que a abertura do mercado de gás natural no estado de Rondônia vai potencializar a exploração de gás na bacia dos...

Faturamento da mineira Lett avançou 70% em 2021

A Lett, startup mineira especialista em Trade Marketing Digital, reportou que em apenas 12 meses, a empresa conseguiu um aumento de mais de 70%...

Relatório lista marcas chinesas como globalmente mais fortes

Várias empresas chinesas figuram entre as marcas mais fortes e de crescimento mais rápido do mundo listadas pelo relatório “Global 500 2022”, da consultoria...

Brasil quer retaliar países em disputas paralisadas na OMC

O Congresso Nacional vai analisar uma medida provisória que autoriza o Brasil a suspender concessões e até retaliar membros da Organização Mundial do Comércio...