Mulheres prestigiadas: Lula demite Prates e coloca Magda Chambriard na Presidência da Petrobras

145
Magda Chambriard (Foto: Antonio Cruz/ABr)
Magda Chambriard (Foto: Antonio Cruz/ABr)

O Governo federal demitiu, nesta terça-feira, Jean Paul Prates da Presidência da Petrobras. Em seu lugar assumirá interinamente Magda Chambriard, que foi diretora-geral da Agência Nacional de Petróleo no governo Dilma Rousseff (PT).

Para o mercado e meios de comunicação que criticavam o presidente Luís Inácio Lula da Silva por não dar vez para mulheres em seu governo, a indicação de Magda Chambriard na Presidência da estatal foi uma resposta.

De acordo com a coluna da Malu Gaspar, do jornal O Globo, que deu inicialmente a informação, Prates já se despediu da diretoria e fez a comunicação para a equipe do desligamento. Já havia pressões do governo para a demissão de Prates. Com a notícia da demissão, papéis da Petrobras em Nova York (os chamados ADrs, recibos de depósitos e certificados de ações) caíram quase 10%.

Lula decidiu pela demissão de Prates após uma sequência de desentendimentos com o governo. O agora ex-presidente da Petrobras não se entendia com o ministro de Minas e Energia, Rui Costa, há muito tempo.

Espaço Publicitáriocnseg

Magda Chambriard é conhecida no setor de petróleo e sua nomeação para o cargo de presidente da Petrobras foi recebida com expectativa e interesse por parte dos especialistas do setor.

Mercado

Segundo o estrategista-chefe da RB Investimentos, Gustavo Cruz, analisando a saída do senador da estatal, já era evidente um desgaste significativo no âmbito político envolvendo Jean Paul Prates e os demais ministros. Embora tenha sido nomeado presidente da Petrobras com a expectativa de promover mudanças substanciais na gestão e no foco estratégico da empresa, observa-se trimestre após trimestre que tais expectativas não se concretizaram. É pertinente destacar que nos últimos meses tem sido observada uma defasagem relevante no preço da gasolina, evidenciando que Jean Paul Prates não adotou uma postura completamente desvinculada de influências políticas na sua gestão.

De acordo com o economista, no entanto, o presidente Lula e seus aliados entenderam que era necessário um direcionamento mais assertivo, com maior ênfase em anúncios de investimentos e geração de empregos diretos pela Petrobras. A respeito da substituição em si, ainda não há uma compreensão clara das mudanças que serão implementadas.

“Não se sabe se houve alguma discussão prévia com Magda Chambriard sobre seus planos, uma vez que seu nome já havia sido cogitado anteriormente. As informações disponíveis indicavam seu interesse na exploração na margem equatorial, alinhado com as perspectivas de Jean Paul Prates e dos diretores da empresa”.

Embora tenha sido mencionada a possibilidade de exploração na costa da Namíbia e da África do Sul, é consenso que o pré-sal continua sendo a área de maior relevância para a expertise da Petrobras. No entanto, a defesa de alguns políticos por investimentos na indústria naval e a retomada de obras sem sucesso geram preocupações, pois não se alinham com as estratégias viáveis para a empresa.

“Portanto, resta aguardar se a nova presidente da Petrobras estará alinhada com as expectativas do presidente Lula e seus aliados, ou se seguirá uma abordagem semelhante à anterior. O último ano foi um teste para a governança da Petrobras em diversos aspectos, demonstrando que, apesar das tentativas de interferência política, parte das diretrizes da empresa foi mantida, embora seja necessário reconhecer que em certos aspectos, como a defasagem nos preços dos combustíveis, houve falhas na implementação”, explicou.

Mensagem

Jean Paul Prates enviou uma mensagem interna aos funcionários da estatal em que confirma ter sido demitido pelo presidente Lula:

“Queridos amigos. O presidente pediu meu cargo de volta agora há pouco. Deve nomear Magda. Amanhã conversaremos melhor. Danilo ficou tratando dos trâmites imediatos.

Minha missão foi precocemente abreviada na presença regozijada de Alexandre Silveira e Rui Costa. Não creio que haja chance de reconsideração. Vão anunciar daqui a pouco.

Só me resta agradecer a vcs e torcer que consigam ficar ou se reposicionar. Contém comigo no que eu puder fazer”, diz a mensagem.

Em “fato relevante” (comunicado aos acionistas) a Petrobras confirmou a futura troca na presidência da estatal. “[A] Petrobras informa que recebeu nesta noite de seu Presidente, Sr. Jean Paul Prattes, solicitação de que o Conselho de Administração da Companhia se reúna para apreciar o encerramento antecipado de seu mandato como Presidente da Petrobras de forma negociada”.

A nota segue: “Adicionalmente, o Sr. Jean Paul informou que, se uma vez aprovado o encerramento indicado, ele pretende posteriormente apresentar sua renúncia ao cargo de membro do Conselho de Administração da Petrobras. Fatos julgados relevantes serão tempestivamente divulgados ao mercado”.

O presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP), David Bacelar, afirmou em seu perfil no X-Twitter, que a entidade respeita a decisão soberana do presidente Lula em relação ao comando da Petrobras, agradece o relacionamento construtivo desenvolvido ao longo dos últimos anos com Jean Paul Prates à frente da maior empresa do país e, caso seja confirmado o nome de Magda Chambriard, tem confiança de que será mantida a boa relação com a futura gestão da estatal, “em favor do fortalecimento da Petrobrás, do desenvolvimento do país e dos trabalhadores”, finalizou.

Prates

Advogado e economista, Prates assumiu a presidência da Petrobras no início do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Prates foi eleito em 2014 primeiro suplente da senadora Fátima Bezerra (PT-RN), para o período 2015-2022, e assumiu a vaga dela no Senado em 2019, após sua eleição para governadora do Rio Grande do Norte.

Prates foi membro da assessoria jurídica da Petrobras Internacional (Braspetro), no fim da década de 1980, e teve sua atuação profissional ligada à área de petróleo e gás, participando da elaboração da Lei do Petróleo e da redação do modelo do contrato de concessão oficial brasileiro e do decreto dos royalties. Foi também secretário de Energia do Rio Grande do Norte.

Matéria editada, às 23h, para incluir análise do mercado e da FUP sobre a demissão de Prates.

Com informações do O Globo, Diário do Nordeste e Isto É

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui