Pré-sal viável a partir de US$ 25,11 por barril

No sistema de partilha, a exploração do pré-sal é viável a partir de US$ 48,74 por barril. Se for adotado o regime de serviços, cai para US$ 36,72, e o de serviços com incentivos, para US$ 32,75. Já se regredirmos e voltar à concessão, o break even price sobe para US$ 57,82. Os resultados das simulações feitos nas reservas da bacia de Santos estão no estudo “Pré-sal e Petrobras além dos discursos e mitos: disputas, riscos e desafios”, do professor Ildo L. Sauer, vice-diretor do Instituto de Energia e Ambiente da USP e ex-diretor da Petrobras, e de Larissa Araújo Rodrigues, doutora em Energia pela mesma universidade.

Esses valores indicam que a produção dos campos no pré-sal é viável financeiramente nesses patamares de preços do barril de petróleo, mesmo com a necessidade de altos investimentos em capital para novas unidades de produção”, analisam. “Essa constatação é importante, pois desde as descobertas das reservas na área do pré-sal existe um grande debate nacional acerca da viabilidade econômica dessas reservas e também a veiculação de matérias na mídia e afirmações de especialistas no setor que indicavam a não viabilidade econômica.”

A exploração fica financeiramente ainda mais favorável sob um cenário de investimento em capital que considera o reaproveitamento de infraestruturas existes, como a adaptação de FPSO e o uso de navios aliviadores que operam em outros campos. Para a bacia de Santos, “os valores médios de break even price encontrados são de US$ 33,82 por barril para o regime de cessão onerosa combinado com partilha de produção para volumes excedentes, de US$ 44,40 por barril no regime de concessões, de US$ 37,94 por barril no regime de partilha de produção, de US$ 28,19 por barril no regime de serviços e de US$ 25,11 por barril no regime de serviços com incentivos”.

Desajustados

Um setor está a salvo do ajuste fiscal: o da mídia dependente das verbas de publicidade do Governo Federal. Levantamento elaborado pelo site O Cafezinho mostra que, de maio a novembro (Governo Temer, portanto), a verba da Secom para contratação de propaganda cresceu 21,3% (de R$ 87,5 milhões para R$ 106,1 milhões). A parcela da grande mídia (grande principalmente em dívidas) foi regada com muito mais intensidade: aumento de 137,2%.

Limite

Se aumentar o número de acidentes e mortes nas marginais, João Doria deveria ser incriminado pessoalmente.

Rápidas

As Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha) iniciam em 11 de janeiro o curso de extensão Laboratório de Jornalismo Carnavalesco, com 60 horas de duração. Os alunos terão contato direto com os ensaios das escolas de samba e terão a oportunidade de vivenciar o clima da Marquês de Sapucaí, como se fossem integrantes da equipe do site Carnavalesco, parceiro da Facha. As inscrições devem ser feitas pelo site http://bit.ly/2glBzNa *** A ClickSoftware nomeou Wagner Tadeu como gerente-geral para as suas operações na América Latina. O segmento em que a empresa atua – serviços em campo – deve crescer 20% ao ano até 2020, alcançando, segundo a MarketsandMarkets, faturamento de US$ 5,11 bilhões *** O ministro do Turismo, Marx Beltrão, apresenta nesta quarta-feira a previsão de movimentação turística para o verão, com números de viagens estimado e os principais destinos dos brasileiros *** A Toyota do Brasil terá um novo presidente a partir de 2 de janeiro, Rafael Chang, que vai se reportar diretamente a Steve St.Angelo, CEO da montadora japonesa para a América Latina e Caribe e chairman da Toyota do Brasil *** A inauguração do recurso de vídeo para auxiliar o juiz de futebol, no Mundial de Clubes, não impediu a velha prática de beneficiar o time mais famoso. O árbitro deixou de dar um cartão amarelo ao ser informado que o jogador – do Real Madrid – já tinha um cartão e teria que ser expulso.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Falta de servidores traz prejuízo, inclusive financeiro

Fila de segurados no INSS vai engrossar precatórios em R$ 11 bilhões.

Desmonte do Estado se dá pelas beiradas

Miçangas e espelhos empurram reformas administrativas nos municípios.

O que vale pros precatórios vale pra dívida interna?

Se calotes são defensáveis, poderiam ser estendidos para os títulos públicos.

Últimas Notícias

Distribuição comercial: quais cláusulas e condições mais importantes?

Por Marina Rossit Timm e Letícia Fontes Lage.

Mercado corre do risco em momento de estresse

Se tem uma coisa que o mercado é previsível é com relação ao seu comportamento em momentos de estresse é aversão ao risco. “Nessa...

Petrobras: mais prazo de inscrição no novo Marco Legal das Startups

Interessados em participar do primeiro edital da Petrobras baseado no novo Marco Legal das Startups (MSL) poderão inscrever-se até o dia 12 de dezembro....

Canal oficial para investidor pessoa física na B3

A partir desta sexta-feira, a nova área logada do investidor da B3, lançada em junho, passa a ser o canal que centraliza todas as...

Fitch Ratings atualiza metodologia de Rating de Seguros

A Fitch Ratings, agência de classificação de risco, publicou nesta sexta-feira relatório de atualização de sua Metodologia de Rating de Seguros. Segundo a agência,...