Precisa-de de governador

Foi preciso a ação de irreverentes frequentadores da Internet para os cariocas driblarem a blindagem nível 6 erguida pelas Organizações Globo para desassociar o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), de qualquer ato que lhe possa provocar desgaste por ação ou omissão. Recorrendo à galhofa – “Governador Sérgio Cabral está entre os desaparecidos no desabamento do Rio” – internautas inundaram a rede para, recorrendo à ironia, expressar sua indignação por, em mais uma tragédia no estado, Cabral responder aos anseios dos cidadãos com a rapidez exibida por Rubinho Barrichello nas pistas. A repercussão foi tamanha que até os veículos da organização registraram o protesto.

Repercussão
Pelo menos 58 sites e 320 jornais no exterior veicularam notícias sobre o desabamento dos prédios no Centro do Rio de Janeiro, de acordo com levantamento do professor Bayard Boiteux. Além da consternação com a tragédia, Boiteux afirma que se deve preocupar com a repercussão internacional, já que não houve “nenhuma ação efetiva para esclarecer os correspondentes estrangeiros no Brasil, nem as embaixadas no exterior, que devem responder aos jornais locais”. Ele sugere uma entrevista coletiva com os jornalistas estrangeiros o quanto antes e uma nota oficial para as embaixadas. Propõe também a criação de um gabinete de emergência para gerenciar todos os acidentes que acontecerem no Rio e no Brasil.

Arrecadação
Quem quiser ajudar as vítimas das enchentes no Rio de Janeiro ou em Minas Gerais pode enviar donativos para a LBV. No Rio, no Centro Educacional José de Paiva Netto (Avenida Dom Hélder Câmara 3.059 — Del Castilho, telefone 2216-7800); na capital mineira, o posto de arrecadação está localizado na Avenida Cristiano Machado 10.765, Planalto, telefone 3490-8101.

Participação
Este ano, os brasileiros vão poder contribuir para melhorar a transparência da gestão pública. Será realizada, em Brasília, a 1ª Conferência sobre Transparência e Controle Social – 1ª Consocial. O evento será precedido por discussões e apresentação de propostas nos municípios e estados. Na cidade do Rio de Janeiro a conferência acontecerá no Centro de Convenções Sulamérica, na Cidade Nova, nos dias 13 e 14. As inscrições são gratuitas e já podem ser feitas em www.rio.rj.gov.br/consocialmunicipiorio. A expectativa é reunir 400 pessoas para os debates. Mais informações em www.crcrj.org.br

Fluxo
A ajuda financeira direta do Governo dos Estados Unidos a Israel é estimada entre US$ 2,5 bilhões e US$ 2,7 bilhões por ano. Somada a ajuda privada, estimada em US$ 3,5 bilhões, tem-se pouco mais de US$ 6 bilhões anualmente, valor superior à soma das “ajudas” concedidas aos países da África, da América Latina e do Caribe. Israel recebe mais uns US$ 800 milhões anuais vindos de países da União Européia. Total: perto de US$ 7 bilhões por ano.

Inverno
As contas são do ex-prefeito Cesar Maia: as rebeliões no Oriente Médio e Norte da África, a chamada Primavera Árabe, custaram cerca de US$ 55 bilhões aos países envolvidos, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). Líbia, Síria, Egito, Tunísia, Bahrein e Iêmen sofreram uma queda somada em seus PIBs de US$ 20,6 bilhões, além de prejuízos de US$ 35,3 bilhões nas contas públicas por causa da redução da arrecadação e dos aumentos de gastos.

Verão
Já os países da região que conseguiram abafar as manifestações e aproveitaram a alta do preço do petróleo registraram aumento da produção econômica de US$ 38,9 bilhões, em relação ao mesmo período do ano anterior.

À deriva
Três meses após ser guiado ao poder na Líbia pelos bombardeios da  Otan, o Conselho Nacional de Transição (CNT) não consegue governar o país. Segundo o El Pais, a forte instabilidade política torna  cada vez mais difícil a reconstrução da Líbia: “A dificuldade do governo provisório de impor sua autoridade em todo o país e as suspeitas de que os abusos e as violações dos direitos humanos sobreviveram à ditadura semeiam mais do que dúvidas sobre a capacidade das autoridades para conduzir a transição”, afirma o jornal espanhol.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorMula sem cabeça
Próximo artigoVocação?

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.