Preço de venda residencial abre trimestre com alta de 0,30% em abril

Após acomodação nos primeiros meses de 2021, indicador exibe avanço dos preços em quase todas as capitais monitoradas.

O Índice FipeZap, que acompanha o comportamento do preço médio de venda de imóveis residenciais em 50 cidades, apresentou alta nominal de 0,30% em abril, acelerando após avanço de 0,18% em março. Comparativamente, a variação mensal do índice é inferior ao comportamento esperado do IPCA/IBGE para o mesmo período (+0,32%), segundo expectativa publicada no último Boletim Focus do Banco Central do Brasil. Uma vez confirmada essa variação dos preços ao consumidor, calcula-se que o preço médio de venda residencial encerrará abril próximo da estabilidade, em termos reais (-0,02%). Individualmente, 14 das 16 capitais monitoradas apresentaram elevação nominal no preço médio, destacando-se entre elas: Maceió (+1,50%), Florianópolis (+1,16%), João Pessoa (+0,90%), Vitória (+0,88%), Campo Grande (+0,79%) e Belo Horizonte (+0,74%). As exceções ficaram por conta de Fortaleza (-0,06%) e Brasília (-0,01%), com variações próximas da estabilidade. Com respeito às duas cidades de maior representatividade na composição do Índice FipeZap, São Paulo apresentou alta de 0,26% em abril, superando o avanço registrado no preço médio no Rio de Janeiro (+0,16%).

Considerando os últimos quatro meses, o Índice FipeZap acumula alta nominal de 1,10% no ano, variação inferior à inflação acumulada de 2,38%, segundo comportamento observado e esperado do IPCA (IBGE). Caso confirmado, a relação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e da inflação ao consumidor medida pelo IBGE se traduzirá em um recuo de 1,24% no preço médio de venda dos imóveis residenciais, em termos reais.

Nesse horizonte temporal, o Índice FipeZap acumula um avanço nominal de 4,10%. Na comparação com a inflação acumulada nos últimos 12 meses (+6,77%), segundo o IPCA (IBGE), o Índice FipeZap apresenta queda de 2,50%, em termos reais. Entre as 16 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap de Venda Residencial, as maiores altas foram registradas em Maceió (+12,76%), Vitória (+10,04%), Curitiba (+9,99%), Manaus (+9,83%), Brasília (+9,23%), João Pessoa (+8,12%) e Florianópolis (+7,65%). Em São Paulo e no Rio de Janeiro, por sua vez, as altas acumuladas no recorte temporal dos últimos 12 meses corresponderam a 4,32% e 2,13%, respectivamente.

Tendo como base a amostra de imóveis residenciais anunciados para venda em abril de 2021, o preço médio calculado foi de R$ 7.582/m² entre as 50 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Dentre as 16 capitais monitoradas, Rio de Janeiro se manteve como aquela com o preço médio de venda mais elevado (R$ 9.518/m²), sendo seguida por São Paulo (R$ 9.464/m²) e Brasília (R$ 8.166/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de venda residencial, vale mencionar: Campo Grande (R$ 4.377/m²), Goiânia (R$ 4.592/m²) e João Pessoa (R$ 4.651/m²).

Leia também:

Inflação oficial fica em 0,31% em abril

Artigos Relacionados

Copom: ‘Retomada robusta da atividade’ no segundo semestre

Uma semana após a última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) que aumentou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto...

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.

Comércio digital cresce e qualidade do emprego cai

Postos de trabalho precários são os mais criados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Queda do bitcoin era um movimento esperado

A criptomoeda bitcoin teve uma queda abrupta e se aproximou de US$ 34 mil nesta terça-feira, pela primeira vez em cinco meses. O recuo...

MG lança consulta pública para concessão de rodovias

Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), abriu consulta pública para o processo de concessão dos dois primeiros...

Copom: ‘Retomada robusta da atividade’ no segundo semestre

Uma semana após a última reunião do Comitê de Política Econômica (Copom) que aumentou a taxa básica de juros, a Selic, em 0,75 ponto...

Urna eletrônica: TSE é acusado de ignorar a ciência

Ausência de um representante do Tribunal ao debate irritou deputados.

Comércio digital cresce e qualidade do emprego cai

Postos de trabalho precários são os mais criados.