Preço do aluguel de imóveis comerciais encerra junho com nova alta

Resultado supera a inflação pelo IPCA (+2,42%) e contrasta com a ligeira alta nominal no preço de venda residencial no ano (+0,26%).

O Índice FipeZap de Locação Residencial encerrou o mês de julho de 2019 com variação nominal de +0,08% – a oitava alta consecutiva. O percentual observado no mês, todavia, foi inferior à inflação medida pelo IPCA/IBGE (+0,19%), impondo uma queda real do preço médio de locação de imóveis residencial no último mês (-0,11%). Entre as 11 capitais monitoradas pelo Índice FipeZap, Florianópolis foi aquela que apresentou a maior elevação de preço em julho (+1,14%), enquanto Belo Horizonte foi a cidade monitorada a apresentar o maior recuo no preço de locação residencial no período (-0,74%).

Até julho de 2019, o Índice FipeZap de Locação Residencial acumula alta nominal de 3,53%, resultado que, embora supere a inflação de 2,42%, calculada pelo IPCA (IBGE), permanece abaixo da alta de 4,80% registrada pelo IGP-M (FGV). A comparação entre a variação acumulada do Índice FipeZap e o IPCA acumulado impõe ao preço médio de locação residencial uma alta real de 1,08% no período, reforçando tendência positiva observada nos períodos anteriores.

Nesse horizonte de análise, o Índice FipeZap de Locação Residencial acumula alta nominal de 3,88% – permanecendo, também neste caso, entre a inflação medida pelo IPCA (+3,22%) e aquela calculada pelo IGP-M (+6,39%). Tendo como referencial a variação de preços ao consumidor segundo o IPCA (IBGE), o preço médio de locação residencial acumula uma alta real de 0,63% nos últimos 12 meses encerrados em julho. Entre as capitais monitoradas, Florianópolis lidera com o maior aumento nominal no período (+13,18%), sendo seguida por Curitiba (+9,72%) e Brasília (+7,11%). Por outro lado, a cidade do Rio de Janeiro se mantém como a única capital monitorada pelo índice a apresentar recuo do preço médio do aluguel residencial nesse intervalo (-1,12%).

O preço médio de locação residencial em julho de 2019 foi de R$ 28,95/m² entre as 25 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap. Considerando apenas as 11 capitais monitoradas, o município de São Paulo se manteve como a capital com o preço do m² de locação residencial mais elevado (R$ 38,80/m²), seguido por Rio de Janeiro (R$ 30,46/m²) e Brasília (R$ 28,80/m²). Já entre as capitais monitoradas com menor valor médio de locação residencial no último mês analisado, destacaram-se: Goiânia (R$ 16,45/m²), Fortaleza (R$ 16,66/m²) e Curitiba (R$ 19,08/m²).

A razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis é a medida da rentabilidade para o investidor que opta por investir no imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel. Nesse sentido, o indicador pode ser utilizado para avaliar a atratividade do mercado imobiliário em relação a outras opções de investimento disponíveis. Com ligeira alta frente ao percentual calculado em dezembro de 2018 (4,43%), o retorno médio (anualizado) do aluguel residencial avançou para 4,61% em julho de 2019, superando o retorno médio oferecido por aplicações financeiras de referência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Covid deixou 12 mil órfãos de até seis anos no país

Estudo de associação de cartórios foi feito entre 16 de março de 2020 e 24 de setembro deste ano.

PIX: 38% dos pequenos e médios e-commerces já usam

BC estuda lançar real digital em 2024; entusiasmo com PIX pode ter influenciado positivamente percepção de brasileiro sobre digitalização.

STJ coloca em pauta aplicação da Selic em condenações por dívida civil

Quarta Turma volta a discutir hoje a questão; o que se pretende fazer é implementar a taxa, hoje em 6,25% ao ano. 

Últimas Notícias

Conversa com Investidor: Kepler Weber (KEPL3)

Coordenação: Jorge Priori

Consertar este planeta

Por Paulo Márcio de Mello

Cidadania – garantia dos direitos: mudando paradigmas

Por Felipe Quintas e Pedro Augusto Pinho.

Precatórios x cidadãos = possibilidade de negociação

Por Luciana Gouvêa.

Três perguntas: a tecnologia a favor da contabilidade

Por Jorge Priori.