Preços da indústria têm inflação de 1,94% em julho

Segundo o IBGE, a taxa é superior ao 1,29% de junho deste ano.

O Índice de Preços ao Produtor, que mede a variação de preços dos produtos na saída das fábricas, registrou inflação de 1,94% em julho deste ano. A taxa é superior ao 1,29% de junho deste ano, mas inferior aos 3,22% de julho de 2020. Com o resultado de julho, o IPP acumula taxas de inflação de 21,39% no ano (mais do que os 19,38% registrados em todo o ano de 2020) e de 35,08% em 12 meses. Os dados foram divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em julho, 20 das 24 atividades industriais pesquisadas tiveram alta de preços em seus produtos, com destaque para os alimentos (2,09%), refino de petróleo e produtos de álcool (3,26%), indústrias extrativas (3,61%) e metalurgia (3,68%).

Quatro atividades apresentaram deflação (queda de preços): máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-1,37%), produtos de fumo (-0,51%), produtos têxteis (-0,49%) e produtos de madeira (-0,18%).

Entre as quatro grandes categorias econômicas da indústria, a principal alta em julho veio dos bens de consumo semi e não duráveis (2,22%). Os demais segmentos tiveram as seguintes taxas de inflação: bens de capital, isto é, máquinas e equipamentos usados no setor produtivo (2,14%), bens intermediários, isto é, insumos industrializados usados no setor produtivo (1,90%), e bens de consumo duráveis (0,76%).

A falta de insumos e matéria-prima vem sendo agravado nos últimos meses. A expectativa do levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), no primeiro trimestre de 2021, que 73% das empresas da indústria geral (extrativa e de transformação) e 72% das empresas da indústria da construção encontravam dificuldades em obter os insumos e matérias-primas produzidos no Brasil. Dessas 42% preveem melhora apenas para o segundo semestre e 14% só veem um cenário mais positivo em 2022.

O consultor e sócio fundador da Partner Consulting Rui Rocha alerta que o mercado vem entendendo uma melhoria gradual do cenário econômico, no entanto, segundo ele não é uma tarefa fácil se planejar pós-crise sanitária, exigindo algumas habilidades do empresário e das organizações, até mesmo pelo momento turbulento que vivemos. “Nesse momento é necessário entender o quanto o segmento foi afetado, o quanto foi prejudicado o seu ambiente de negócio com os efeitos da pandemia e quais foram as mudanças predominantes nesse período, possibilitando uma revisão do modelo de trabalho daqui para a frente. É um legado da pandemia, um aprendizado que vai durar gerações e vai nos ensinar a rever os modelos de negócio”, salienta.

 

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.

Taxação de refrigerantes é aprovada em comissão do Senado

Senadores querem aumentar a taxação como forma de combater obesidade infantil e diabetes.

Reduzir alíquota de ICMS não aliviará preço de combustíveis

Política equivocada do governo pode levar a falta de diesel.

Últimas Notícias

Solidus Aitech arrecadou mais de US$ 10,5 mi de fundos com tokens

Serviço de computação de alto desempenho (HPC) quer 'democratizar a IA'.

Pão pita tradicional poderá ser feito em escala industrial

Novo sistema é capaz de produzir até 1.000 quilos/hora de pita.

Policiamento reforçado em terreiros de umbanda e candomblé de Itaboraí

Terreiros foram ameaçados por pastor evangélico em show gospel.

Rodoviária do Rio inicia a 24ª Campanha do Agasalho

Desde a 1ª edição, em 1999, quase 1 milhão de peças já foram doadas.

Votação sobre cobrança de mensalidade em universidade pública é adiada

CCJ decidiu fazer uma audiência pública sobre a PEC 206.