Pregão eletrônico na Administração Pública Federal

O pregão é modalidade de licitação trazida pela Lei 10.520/02, inovando no que concerne às modalidades previstas na Lei 8.666/93, Estatuto das Licitações e contratos administrativos. Dentre inúmeras diferenças procedimentais, seu principal objetivo é dar a celeridade desejável para a atividade administrativa para aquisição de bens e serviços. Evita-se a excessiva burocracia.
Não se deve, entretanto, desrespeitar os preceitos fundamentais da Lei 8.666/93, norma geral que trata das licitações. É neste diploma legal que podemos encontrar os princípios norteadores sobre o tema.
Embora a Lei 10.520/02 disponha sobre a facultatividade na utilização da modalidade em comento, ou seja, não obrigam os entes públicos a licitar com o pregão, o Decreto 5.450/05, que regulamenta a forma eletrônica, determina que a Administração Pública Federal Direta ou Indireta utilize preferencialmente a forma eletrônica do pregão para a contratação de serviços e aquisição de bens.
O Tribunal de Contas da União, pelo seu dever de fiscalização, tem vasta jurisprudência nesse sentido, pois traz mais celeridade e transparência aos certames a serem realizados, inclusive, ressaltando o dever do administrador em justificar no processo administrativo que o antecede, as razões pelas quais não será utilizado o pregão.
São vários os casos de caracterização de improbidade administrativa por parte do administrador quando este não justifica a dispensa da modalidade por outra diversa. Pode, inclusive, importar em responsabilidade civil e criminal.
Deve ser ressaltado que para ser considerado vencedor da licitação, o licitante deverá, obrigatoriamente, apresentar a proposta que tiver o menor preço para a contratação, representando menor custo ao erário.
O Edital, que é ato convocatório do certame, deve estar de acordo com a Lei 10.520/02, Lei 8.666/93 e em particular, ao Decreto 5.450/05. Estando as disposições contrárias ao que determina os retro diplomas, o instrumento convocatório deverá ser impugnado.
Todo o regramento do pregão eletrônico está disposto no Decreto 5.450/05, e faltando norma correspondente, deve o aplicador utilizar-se dos preceitos fundamentais da Lei 8.666/93.
Assim sendo, os bens e serviços comuns a serem adquiridos pela Administração Pública Federal Direta e Indireta deverão ocorrer pela modalidade pregão na forma eletrônico como determina os diplomas mencionados acima.

Leonardo R. de Guimarães
Sócio do Escritório Guimarães, Nepomuceno e Leida de Carvalho Advogados.

Mônica Gusmão
Professora de Direito Empresarial, do Consumidor e do Trabalho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Venture capital: o que é preciso saber sobre o contrato de SAFE

Por Felipe Cervone, Marcella Loureiro Amarante e Geovana Martinazzo.

As empresas e os acidentes de trabalho

Como fica o caso do empregado que trabalha em casa?

Contratos de uso temporário de imóveis

Por Andrea Vizzotto.

Últimas Notícias

Caixa registra recorde em crédito imobiliário

A Caixa Econômica Federal realizou mais de R$ 140 bilhões contratados ao longo de 2021, maior valor da história do banco, com crescimento de...

Vendas do Grupo Patrimar crescem 193,7 no 4T21

O Grupo Patrimar - construtora e incorporadora mineira que atua na baixa, média e alta renda em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e...

Vacina errada em mais de 57 mil crianças e adolescentes

Em meio à campanha de vacinação contra a Covid-19, 57,14 mil crianças e adolescentes em todo o país foram imunizados com doses para adultos...

Pandemia aumenta acesso da população a serviços bancários

Os bancos digitais aumentaram o acesso da população brasileira a produtos financeiros, com destaque para a parcela de baixa renda. Atualmente 19% dos brasileiros...

Moby fecha 2021 com crescimento de 26%

Apesar da pandemia, da crise econômica e da redução na fabricação de veículos, a Moby corretora de seguros conseguiu fechar o ano de 2021...