Prendam os culpados de sempre… e depois esqueçam tudo

A tragédia que abateu a Cultura mundial neste domingo à noite está sendo condenada pelos personagens de sempre, que...

A tragédia que abateu a Cultura mundial neste domingo à noite está sendo condenada pelos personagens de sempre, que responsabilizam os culpados de costume. Os jornais (que defendem a “responsabilidade fiscal”) culpam os cortes de verbas; os servidores (farinha pouca, meu pirão primeiro) criticam a retenção de repasses; o âncora da rádio (do grupo que recebe centenas de milhões em publicidade estatal) demoniza os incentivos fiscais às produções culturais; presidente e ex-presidentes (desde Juscelino, nenhum visitou o Museu Nacional) lamentam a perda e atacam o descaso com a cultura; a população (que nunca frequentou o espaço) critica os políticos que desviam verbas.

A discussão dominará o cenário nas próximas 48 horas. Busca de culpados, críticas ao trabalho dos bombeiros, reportagens sobre outros bens culturais ameaçados, projetos de lei… Depois, negócios como de costume (business as usual, para o pessoal do mercado financeiro entender). Quando o leitor terminar esta nota, a União terá pago R$ 2,3 milhões em juros. Cinco vezes o dinheiro necessário para repor – com juros, e com duplo sentido – a verba cortada nos últimos três anos que deveria ter sido repassada pela UFRJ (que, também em crise, não tem como fazê-lo).

Os bens culturais do Rio de Janeiro definham, mas sobra verba pública de quase R$ 10 milhões para a Fundação Roberto Marinho tocar os museus do Rio e do Amanhã (isto após a Prefeitura cortar a verba, que chegava a R$ 22 milhões). A ONG dos filhos do Roberto Marinho ainda pode captar, com isenção fiscal, outros R$ 28 milhões. Enquanto isso, o Museu de Arte Moderna (MAM), com seus 70 anos, e que há 40 anos pegou fogo, planeja leiloar um quadro de Jackson Pollock para constituir um fundo e poder sobreviver.

E todos já podem voltar a defender o ajuste fiscal, a prioridade absoluta para pagamentos de juros, os penduricalhos salariais… Quanto aos 200 anos do Museu Nacional? Ora, há muitos museus mais antigos na Europa (não, em Miami, não; o mais antigo lá tem 101 anos).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Terceira via tira a máscara

Diferença para atual governo está nos métodos, não nos fins.

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Últimas Notícias

Bem Brasil Alimentos acelera exportações de batatas pré-fritas

Indústria mineira realizou embarques para Bolívia, Uruguai e Estados Unidos e projeta quadruplicar o volume de vendas em 2021.

Vale cancela ações em tesouraria sem reduzir o valor do capital social

O Conselho de Administração da mineradora Vale aprovou o cancelamento de 152.016.372 ações ordinárias de emissão da companhia adquiridas em programas de recompra anteriores...

Eve: Aeronaves elétricas de emissão zero de carbono

A Eve Urban Air Mobility, da Embraer, e a francesa Helipass, plataforma de reserva de voo em helicópteros para turismo e mobilidade aérea, anunciaram...

Petrobras terá arquivos nas nuvens

A Petrobras inaugurou, na última sexta-feira (17), o Centro de Competência em Computação em Nuvem (CCC), que vai direcionar e acelerar a estratégia de...

Evergrande: Crise pode afetar exportação de minério de ferro

A segunda-feira foi bastante movimentada com a notícia vinda da China que a Evergrande Real Estate, gigante do setor de incorporação imobiliária no país...