Prendam os culpados de sempre… e depois esqueçam tudo

A tragédia que abateu a Cultura mundial neste domingo à noite está sendo condenada pelos personagens de sempre, que...

A tragédia que abateu a Cultura mundial neste domingo à noite está sendo condenada pelos personagens de sempre, que responsabilizam os culpados de costume. Os jornais (que defendem a “responsabilidade fiscal”) culpam os cortes de verbas; os servidores (farinha pouca, meu pirão primeiro) criticam a retenção de repasses; o âncora da rádio (do grupo que recebe centenas de milhões em publicidade estatal) demoniza os incentivos fiscais às produções culturais; presidente e ex-presidentes (desde Juscelino, nenhum visitou o Museu Nacional) lamentam a perda e atacam o descaso com a cultura; a população (que nunca frequentou o espaço) critica os políticos que desviam verbas.

A discussão dominará o cenário nas próximas 48 horas. Busca de culpados, críticas ao trabalho dos bombeiros, reportagens sobre outros bens culturais ameaçados, projetos de lei… Depois, negócios como de costume (business as usual, para o pessoal do mercado financeiro entender). Quando o leitor terminar esta nota, a União terá pago R$ 2,3 milhões em juros. Cinco vezes o dinheiro necessário para repor – com juros, e com duplo sentido – a verba cortada nos últimos três anos que deveria ter sido repassada pela UFRJ (que, também em crise, não tem como fazê-lo).

Os bens culturais do Rio de Janeiro definham, mas sobra verba pública de quase R$ 10 milhões para a Fundação Roberto Marinho tocar os museus do Rio e do Amanhã (isto após a Prefeitura cortar a verba, que chegava a R$ 22 milhões). A ONG dos filhos do Roberto Marinho ainda pode captar, com isenção fiscal, outros R$ 28 milhões. Enquanto isso, o Museu de Arte Moderna (MAM), com seus 70 anos, e que há 40 anos pegou fogo, planeja leiloar um quadro de Jackson Pollock para constituir um fundo e poder sobreviver.

E todos já podem voltar a defender o ajuste fiscal, a prioridade absoluta para pagamentos de juros, os penduricalhos salariais… Quanto aos 200 anos do Museu Nacional? Ora, há muitos museus mais antigos na Europa (não, em Miami, não; o mais antigo lá tem 101 anos).

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Alta dos preços leva a aumento de protestos

Agitação em países onde manifestações eram raras preocupa FMI.

Montadoras não vieram; demissões, sim

Promessas de Doria e Bolsonaro para fábrica da Ford não passaram de conversa para gado dormir.

Ganhos de motoristas de app desabam

Renda média é de pouco mais de 1,5 salário mínimo.

Últimas Notícias

Câmara deve colocar em votação PL que desonera tarifas de energia

Em 2021, o Brasil passou pela pior crise hídrica em mais de 90 anos

Metodologia para participação de investidor estrangeiro

Serão considerados os dados de liquidação das operações realizadas no mercado primário nos sistemas da B3

Fitch eleva rating do Banco Sicoob para AA (bra)

Houve melhora do perfil de negócios e de risco da instituição

Petrobras Conexões para Inovação cria robô de combate a incêndio

Estatal: Primeiro no mundo adaptado para a indústria de óleo e gás

Brasil tenta ampliar diálogo com a UE

Debate da recuperação econômica nas duas regiões e discussão sobre as perspectivas das políticas fiscais